Suspensão de pagamento de parcelas de crédito chega a R$ 101,6 bi

A suspensão é uma medida adotada pelos bancos para o enfrentamento da pandemia da covid-19

Postado em: em Economia

Os bancos renegociaram 13,5 milhões de contratos de operações de crédito em dia, com saldo devedor total de R$ 782,3 bilhões, entre 16 de março a 24 de julho. 

A suspensão no pagamento de parcelas é uma medida adotada pelos bancos para o enfrentamento da pandemia da covid-19. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (3) pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

A soma das parcelas suspensas dessas operações repactuadas totaliza R$ 101,6 bilhões. “Esses valores trazem alívio financeiro imediato para empresas e consumidores, que passaram a ter uma carência entre 60 a 180 dias para pagar suas prestações, sendo que a maioria dos agentes beneficiados com prorrogação de parcelas é representada por pequenas empresas e pessoas físicas (R$ 57,4 bilhões)”, informou a Febraban.

As concessões de crédito entre 1º de março e 24 de julho deste ano somam somam R$ 1,496 trilhão, incluindo contratações, renovações e suspensão de parcelas. 

Estes dados incluem os números oficiais já divulgados pelo Banco Central (BC) para os meses de março a junho, que atingiram R$ 1,3 trilhão, considerando o total das operações de crédito. 

Também incluem dados consolidados pela Febraban para até o dia 24 de julho, neste caso, considerando apenas as operações no segmento livre de crédito para pessoas jurídicas, que somam R$ 193 bilhões.

No caso de pessoas físicas, os números de julho consideram o imobiliário, mas não as operações de crédito rotativo.

Na comparação entre março e junho de 2019 com o período de 16 de março a 24 de julho de 2020 , houve “alta significativa” nas concessões para pessoa jurídica no segmento livre, de 45,6%, considerando a média por dia útil para cada período.

“Isso ocorreu em razão do expressivo aumento na demanda por crédito bancário no início da crise, por conta da forte incerteza do cenário econômico, da redução das operações no mercado de capitais e do cancelamento de linhas de financiamento externo para o Brasil”, destacou a federação.

No caso das famílias, acrescenta a Febraban, “nota-se uma esperada retração da demanda por novas contratações, em linha com a queda da atividade econômica decorrente da estratégia de distanciamento social”.


Artigos Relacionados