Sem saída: brasileiros sentem no bolso maior alta da inflação desde 2012

Alimentos são responsáveis pela alta, que surpreendeu até mesmo especialistas em economia

Postado em: em Economia

Pressionada pelo preço dos alimentos, a prévia da inflação oficial brasileira registrou em setembro sua maior alta desde 2012. 

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15) acelerou para 0,45% no mês, após alta de 0,23% em agosto.

O resultado ficou acima da expectativa dos economistas, que era de uma alta de 0,39% para o indicador em setembro, segundo a média das projeções colhidas pela Bloomberg.

No ano, a inflação acumulada é de 1,35%. No acumulado de 12 meses até setembro, o índice também acelerou para alta de 2,65%, vindo de 2,28% em agosto.

Ainda assim, o IPCA-15 acumulado em 12 meses segue bem abaixo da meta de inflação estabelecida pelo governo para 2020, que é de 4%. Mas voltou a superar o piso da meta (2,5%), o que não acontecia desde abril.

A maior variação (1,48%) e o maior impacto (0,30 ponto percentual) no índice vieram do grupo de alimentação e bebidas, que acelerou em relação ao resultado de agosto (0,34%). 

Os alimentos consumidos em domicílio subiram 1,96% na prévia da inflação de setembro, ante 0,61% em agosto.

A maior contribuição (0,09 p.p.) veio das carnes, com alta de 3,42%. Já a maior variação foi a do tomate (22,53%), ante queda de 4,20% no mês anterior.

O óleo de soja (20,33%), o arroz (9,96%) e o leite longa vida (5,59%) também subiram. Com isso, os três itens acumulam no ano altas de 34,94%, 28,05% e 27,33%, respectivamente.

Os transportes tiveram a segunda maior variação em setembro, de 0,83%, puxada pela gasolina, que subiu 3,19%, na terceira alta consecutiva. 

O óleo diesel (2,93%) e o etanol (1,98%) também apresentaram alta.Muito demandados em meio à pandemia, com as pessoas ficando mais em casa, os artigos de residência registraram aumento de 0,79%, com avanço nos preços de TV, som e informática (2,04%) e eletrodomésticos e equipamentos (0,66%). 

Os preços do computador pessoal, subiram 17,99% de janeiro a setembro deste ano.

Por outro lado, houve uma forte deflação nos planos de saúde (-2,31%) em setembro, com a decisão da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) de suspender os reajustes de preços até o fim de 2020.

*Informações FolhaPress


Artigos Relacionados