Ruínas de uma megalópole de 5.000 anos atrás são encontradas em Israel

Os arqueólogos também encontraram uma impressão de selo representando uma figura humanoide

Postado em: em Cotidiano

Vista aérea da cidade encontrada

​Arqueólogos que trabalham no norte de Israel descobriram as ruínas de uma cidade da Idade do Bronze (entre 3300 a.C e 700 a.C), que continha cerca de 6.000 habitantes, em uma descoberta que altera drasticamente as concepções do passado antigo da região.

A cidade perdida, encontrada durante a construção de um novo cruzamento de rodovia, está localizada perto da cidade israelense de Harish, na área de Haifa. 

A IAA (Autoridade de Antiguidades de Israel) liderou as escavações que exigiram 2,5 anos de trabalho.

Toda a ação contou com a assistência de quase 5.000 adolescente voluntários que participaram do projeto Sharing Heritage da IAA, de acordo com um comunicado de imprensa da Autoridade de Antiguidades de Israel.

Com uma população entre 5.000 e 6.000 pessoas, a cidade de 5.000 anos da Idade do Bronze, chamada En Esur, está retomando as ideias de urbanização dos arqueólogos em Israel no final do quarto milênio antes de Cristo. 

O local contava com comodidades surpreendentemente modernas, como estradas planejadas (incluindo ruas e becos), áreas residenciais e públicas (incluindo um templo intrigante) e fortificações defensivas.

A cidade tem uma área de 161 acres, que é o dobro de outras cidades da mesma época.

“Esta é uma cidade imensa — uma megalópole da Idade do Bronze, onde milhares de pessoas, que viviam da agricultura, viviam e faziam comércio com diferentes regiões e até diferentes culturas e reinos nesta área”, disseram os arqueólogos Yizhak Paz, Itai Elad e Dina Shalem, em um comunicado.

As escavações em En Esur também revelaram a presença de um assentamento mais antigo, cujas evidências foram encontradas em várias habitações. 

A cidade mais antiga remonta há 7.000 anos do período calcolítico. A área provavelmente era muito desejada por causa de seu solo fértil e da presença de duas fontes de água doce nas proximidades, de acordo com o IAA.

Um templo de rituais em En Esur incluía um pátio com uma grande bacia de pedra usada para líquidos — provavelmente sangue de animal — durante rituais religiosos.

Isso, mais a descoberta de ossos de animais queimados, sugere que essa cultura fazia ofertas de sacrifício.

Os arqueólogos também encontraram uma impressão de selo representando uma figura humanoide com as mãos levantadas para o alto e uma variedade de figuras. 

Coletivamente, esses artefatos “nos permitem olhar além do material, para a vida espiritual da grande comunidade que vivia no local”, conforme explica a IAA.

Outros artefatos encontrados em En Esur incluem “milhões” de fragmentos de cerâmica, ferramentas de pedra e vasos de basalto, alguns dos quais foram trazidos do Egito.

A presença de bairros bem organizados e prédios públicos implica a presença de uma organização central e de uma sociedade hierárquica.

Esta cidade “não poderia se desenvolver sem ter por trás uma mão orientadora e um mecanismo administrativo”, disseram os diretores da IAA.

Esta cidade existiu durante um período de transição, à medida que as pessoas na área passavam da vida rural para a urbana.

Este local muda drasticamente o que se sabe sobre o caráter do período e o início da urbanização em Israel. 

Este é um período fascinante na história da terra de Israel — a Canaã da época — cuja população sofreu mudanças que alteraram completamente sua face.

“A população rural dá lugar a uma sociedade complexa que vive principalmente em ambientes urbanos”, disseram os diretores da Autoridade de Antiguidades de Israel .

Dada a importância dessa descoberta monumental, o cruzamento rodoviário será construído bem acima do local “para permitir sua preservação para as gerações futuras”, afirmou a Autoridade de Antiguidades de Israel


Artigos Relacionados