Promotores fecham duas fábricas por suspeita de adulterar álcool em gel

Promotores tiveram apoio da Polícia Militar e Vigilância Sanitária para descobrir a falsificação de álcool gel

Postado em: em Justiça

​O Ministério Público de São Paulo, a Polícia Militar e a Vigilância Sanitária fecharam duas fábricas por suspeita de produzir álcool em gel adulterado, em operação realizada nesta na quinta-feira (26/3), em Dumont. 

De acordo com o que foi apurado pelos promotores de Justiça, Aroldo Costa Filho e Wanderley Batista Trindade Júnior, os funcionários utilizavam etanol de posto de combustível na fabricação. 

Na embalagem, o produto era rotulado como "álcool creme".

No primeiro estabelecimento, foram apreendidos 2 mil frascos de 500 ml e pelo menos 20 tambores, cada um com 200 litros. 

Já no segundo endereço havia mais combustível armazenado. A força-tarefa conduziu duas pessoas para prestar depoimento na delegacia.

Elas podem responder por falsificação de produtos para fins terapêuticos e crime contra a ordem econômica, com agravante de o delito ter ocorrido em período de calamidade pública. A pena pode chegar a 15 anos de cadeia.


Artigos Relacionados