O dia está acabando. Mas por que a sexta-feira, 13, é considerada dia de azar?

Muitas suposições e nenhuma certeza: Quando é que esta data passou a ser considerada um dia de azar?

Postado em: em Cotidiano

Todos sabemos que a sexta-feira 13 é um dia de azar. Muitas pessoas deixam inclusive de fazer certas coisas nesta data 'fatídica', por medo de que algo mau possa acontecer.

E há inclusive uma fobia que se baseia nesse medo e que foi denominada de: triscaidecafobia.

Mas quando é que a sexta-feira 13 passou a ser considerada um dia de azar? Muitos historiadores acreditam que tudo terá começado na Idade Média e que a ideia tem raízes bíblicas.

Há quem acredite que a superstição teve início por causa da Santa Ceia, já que estavam presentes 13 pessoas na mítica refeição e a morte de Jesus aconteceu numa sexta-feira. 

Os historiadores também afirmam que a associação da data ao azar pode estar relacionada com o dia em que Eva comeu a maçã da Árvore do Conhecimento ou quando o grande dilúvio começou. 

Em alternativa, a superstição pode existir graças a um evento histórico verdadeiramente catastrófico e factual: numa sexta-feira, dia 13 de outubro de 1307, milhares de Templários foram capturados e torturados em França, como revela o site Be Lifestyle.

Na literatura, o primeiro registo deste mistério surgiu no século XIV, quando o escritor e filósofo Geoffrey Chaucer mencionou no seu livro ‘Os Contos de Cantuária’ que a sexta-feira 13 era um dia de má sorte. 

Ainda assim, só a partir do século XIX é que se começou a considerar popularmente a sexta-feira 13 como um dia de azar.


Artigos Relacionados