Lago da Usina de Furnas terá combate simulado pela Marinha do Brasil

A operação adotará protocolos de segurança e medidas preventivas contra a disseminação do coronavírus

Postado em: em Segurança

​O lago da Usina de Furnas (MG) será utilizado pela primeira vez para treinamento de combate simulado por fuzileiros navais

O lago da Usina de Furnas (MG) será utilizado pela primeira vez para treinamento de combate simulado por fuzileiros navais da Marinha do Brasil durante a Operação Ribeirinha, de hoje a 4 de outubro. 

FURNAS cedeu parte de sua estrutura de alojamentos aos militares do 3º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais e do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro. 

O presidente interino de FURNAS, Pedro Brito, ressaltou a importância da parceria com a Marinha do Brasil, que atua na fiscalização e segurança do lago da usina.

“A empresa trabalha sempre no estreitamento das relações com a sociedade e o poder público, com o objetivo de ampliar o desenvolvimento local e a segurança de quem vive nas proximidades de seus empreendimentos”, enfatizou. 

O treinamento servirá para testar a ação e a prontidão dos militares em uma situação de emergência e a capacidade logística diante de um cenário hipotético adverso. 

A operação adotará protocolos de segurança e medidas preventivas contra a disseminação do coronavírus. 

O comandante do 1º Distrito Naval, Vice-almirante Arthur Fernando Bettega Corrêa, teve presença confirmada durante o adestramento. 

Está prevista a simulação do enfrentamento de forças em oposição em ambiente fluvial ou nas margens da superfície. A operação será dividida em duas etapas. 

Na primeira semana participarão 186 militares do 3º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais. 

Já na segunda semana de treinamento serão 130 militares do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro.

Segundo o capitão de corveta e delegado fluvial de Furnas, Fabio Luiz Bambace, serão conduzidos exercícios de retomada de território terrestre pela Força de Desembarque Ribeirinho, evacuação de feridos, proteção da barragem da represa, além de instruções teóricas e práticas de segurança para atividades de inspeção naval. 


Artigos Relacionados