Hei sempre de ouvir uma sabiá

Postado em:

E tão esperado Carnaval chegou ao fim deixando as boas energias e suas belíssimas cores. Impossível não destacar os impecáveis desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, que em sua grande maioria fizeram lembrar os suntuosos carnavais de antigamente, trazendo luxo e esplendor para a Sapucaí. A grande vencedora do ano foi a Mangueira levando para a avenida o enredo ‘História para ninar gente grande’ que contava a história de heróis esquecidos e anônimos, principalmente índios e negros, e antes mesmo do título de vencedora já havia ganhado o cobiçado troféu de estandarte de ouro pela impecável apresentação.

Mas como somos amantes da incrível arte da perfumaria falaremos sobre quem levou um dos ícones da perfumaria para ser homenageado em uma das alegorias, a Portela, escola que ficou em quarto lugar por diferença de alguns décimos. O seu enredo teve como homenageada principal Clara Nunes e seu amor por essa escola de samba tão tradicional. Na segunda alegoria a entrar na avenida, eles retrataram pintura de Tarsila do Amaral, Carnaval em Madureira. O motivo, foi que em 1924, quando a artista plástica esteve no Brasil com amigos franceses, encontrou um coreto no bairro de Madureira (bairro da escola de samba Portela) no Rio de Janeiro que imitava a Torre Eiffel, e ela retratou aquele momento em uma de suas obras.

Com tamanho amor pelo Brasil e pelo nosso carnaval, a escola não poderia deixa de convidar então o estilista JPG para assinar o figurino dessa ala inteira juntamente com a carnavalesca Rosa Magalhães. Que levou o seu clássico listrado branco e azul (que também são as cores da escolas), com calça de alfaiataria, lenço no pescoço e boina para a avenida, representando os franceses em Madureira. Ele também iria desfilar, mas teve alguns problemas de saúde que o impediram de vir até o Brasil agora para o carnaval, mas já havia vindo em outubro do ano passado para conhecer a escola e definir os detalhes do desfile. Que também contou com com as fashionistas Carol Treintini, Lais Ribeiro e Camila Coutinho vestindo belíssimos figurinos assinados por ele mantidos sob sigilo absoluto até o último segundo antes do desfile.

E como não poderia deixar de ser, ele aproveitou a homenagem e o amor por essa festa tão especial, e lançou uma edição limitada do seu perfume mais queridinho (que já contamos a história por aqui) o Classique Cabaret Eau de Parfum, uma fragrância oriental floral com notas de gengibre, flor de laranjeira, ambargris e baunilha. Um perfume divertido, leve e alegre assim como o carnaval e um frasco digno de deixar colecionadores babando. E assim é o Carnaval, se reinventando e espalhando sua alegria contagiante pelos quatro cantos do mundo!


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.