Franca entre as 10 cidades de SP com mais acidentes envolvendo postes da CPFL

A substituição de um poste pode variar, dependendo do modelo, entre R$ 2 mil e R$ 3 mil

Postado em: em Trânsito

Franca ocupa ranking das 10 cidades com mais acidentes envolvendo postes (Foto: Reprodução)

Franca está entre as 10 cidades do estado de São Paulo que mais registram acidentes de trânsito envolvendo postes.

Segundo o levantamento realizado pela CPFL Paulista em 2019, a cidade registrou no ano passado, 146 ocorrências.

No ranking, com 503 colisões, Campinas lidera o ranking.

O levantamento realizado pela companhia mostra que foram registrados 5.125 acidentes em sua área de concessão, que abrange 234 municípios.

O número total aponta média diária de 14 batidas contra postes, mas representa uma redução de 1,04% em relação a 2018, que somou 5.148 casos.

Em Campinas, a queda foi de 7,7%, considerando os 545 registros contabilizados no ano retrasado.

Segundo o estudo, Ribeirão Preto aparece na segunda colocação com 317 casos, um aumento de 8,9% em relação aos 291 do ano anterior. Na sequência, Piracicaba teve 241 ocorrências, alta de 9,5% ante os 220 acidentes de 2018.

As dez primeiras posições do ranking de 2019 são completadas pelas seguintes cidades: São José do Rio Preto (237), Bauru (220), Franca (146), Sumaré (117), São Carlos (104), Araraquara (103) e Araçatuba (100).

Em toda a região de Campinas, foram contabilizadas 1.664 colisões com postes em 2019, mais de quatro por dia.

Fora Campinas e Sumaré, Valinhos e Paulínia foram os municípios que mais tiveram ocorrências. Oitenta e nove e 84 batidas, respectivamente.

No ano passado, as colisões na região resultaram em 743 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia e geraram, em média, 3,5 horas de serviços da companhia no trabalho de manutenção.

Gerente de saúde e segurança do trabalho da CPFL Energia, Marcos Vitor Lopes afirma que “os acidentes contra postes constituem umas das principais causas de ocorrências na rede elétrica do grupo. Trabalhamos com ações de prevenção no trânsito, levando a nossa mensagem de segurança também aos nossos clientes".

A Companhia informou, em nota, que além do risco à segurança, os responsáveis pelos acidentes contra postes podem amargar prejuízos financeiros.

“Nos casos em que a distribuidora identifica o culpado legal, este deve arcar com os danos causados ao patrimônio da concessionária.

A substituição de um poste pode variar, dependendo do modelo, “entre R$ 2 mil e R$ 3 mil”, diz o texto.

Essa diferença leva em consideração os equipamentos instalados tanto pela distribuidora de energia como pelas empresas que ocupam a estrutura.

Por exemplo, um poste com iluminação pública simples tem menor valor que aquele que sustenta um transformador de energia e equipamentos de telecomunicação.

As mais de 5 mil colisões de veículos contra postes somadas em 2019, originaram 2.575 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia e geraram, em média, 4,4 horas de serviços da companhia no trabalho de substituição de poste, reconstrução de rede de distribuição e restabelecimento da energia.

Dependendo da gravidade do acidente, informou a companhia, as equipes de campo precisam também aguardar a realização dos trabalhos da perícia policial para poder então iniciar o trabalho de manutenção.

No acumulado de 2020 (de janeiro até 10 de maio), as cidades com cobertura da distribuidora somaram 1.752 acidentes envolvendo postes.

O número representa cerca de 13 registros diários.

Campanha

Considerando os impactos para a população, seja na segurança do trânsito ou na qualidade do fornecimento de energia, a CPFL Energia, por meio da campanha Guardião da Vida, incentiva a discussão sobre o tema, a fim de promover uma reflexão sobre as atitudes no trânsito que poderiam ser evitadas, de modo a reduzir os acidentes.

A campanha orienta algumas dicas para tornar o trânsito um ambiente mais seguro.

Entre elas, manter o veículo com a manutenção em boas condições, verificando o estado dos pneus, dos freios, dos faróis e dos retrovisores.

Além disso, pede que os motoristas não dirijam sob efeito de álcool, remédios ou qualquer outra substância tóxica.

Segundo o informe, é importante ainda respeitar sempre a sinalização de trânsito e os limites de velocidade das vias, em qualquer dia, local e horário.


Artigos Relacionados