Do que está por vir

Porque ela entende que nada, absolutamente nada, acontece por acaso

Postado em: - Atualizado em:

“Eu tenho uma espécie de dever, dever de sonhar, de sonhar sempre, pois sendo mais do que um espectador de mim mesmo, eu tenho que ter o melhor espetáculo que posso. E assim me construo a ouro e sedas, em salas supostas, invento palco, cenário para viver o meu sonho entre luzes brandas e músicas invisíveis.” -

Fernando Pessoa.





Quando ela pensa em cada detalhe dos últimos capítulos de sua história, solta um sorrisinho bobo no canto da boca. É um riso de felicidade. De paz de espírito. De serenidade. De quem hoje entende mais do que ontem o verdadeiro sentido da palavra GRATIDÃO. É que hoje, ela é grata por tudo que viveu. TUDO MESMO!!! Ela aprendeu – nem sempre da forma mais doce, suave ou gostosa – que a vida é como um diamante: possui várias facetas e depende de cada um escolher por qual delas olhará. E ela escolhe todos os dias olhar pelo lado do amor, da felicidade, do aprendizado, da praticidade, do otimismo, da GRATIDÃO. Porque ela entende que nada, absolutamente nada, acontece por acaso. E em sua bagagem o que ela traz é a certeza de ter vencido as provas aplicadas até aqui, porque hoje a tranquilidade é sua companheira junto da alegria verdadeiramente sentida em cada detalhe. No fundo ela está mais leve, embora mais, madura. Mais seletiva. Mais fiel a si mesma. Mais consciente das próprias necessidades. Mais serena. Por isso, ela sorri. Um sorriso gostoso de quem sabe que venceu a si mesma e que hoje, está pronta para o que der e vier... E o que tiver que vir, será grandioso. Assim como a vida deve ser!