​000 e a união nacional

Postado em:

O Governo Bolsonaro superou, finalmente, o “nós contra eles” em que se havia transformado a política nacional: os três zeros à esquerda, 01, 02 e 03, e seu pai, o presidente Bolsonaro, promoveram a união de todos os partidos. Brigaram com um por um – inclusive o seu, o PSL. Conseguiram ser surrados no partido que antes de sua entrada era também um zero à esquerda.

O líder do PSL de Bolsonaro, Delegado Waldir, chamou-o de vagabundo. Joice Hasselmann, a bolsonarista das bolsonaristas, foi afastada da liderança por Bolsonaro – mas diz que será candidata à Prefeitura paulistana com ou sem ele. O presidente quis afastar o Delegado Waldir e não teve força para isso. Quer se livrar de Luciano Bivar, que comanda o partido, e não sabe como. Se sair, corre o risco de sair sozinho: os parlamentares que saírem com ele sabem que, fora do PSL, não terão dinheiro para tentar a reeleição.

Alguém falou em dinheiro? Que mau gosto! Todos sabem que a briga é ideológica, uma disputa sobre posições políticas e caminhos a seguir – sendo que o melhor caminho é o que leva ao fim do arco-íris. Não que queiram dar um fim ao arco-íris, que simboliza a diversidade sexual e que um partido tão conservador rejeita; mas dizem que o arco-íris termina num pote de ouro.

Mas, nessas brigas todas, quem tem razão? O caro leitor não será ingênuo de pensar que essa questão está em pauta. Como é habitual nas discussões políticas brasileiras, ninguém tem razão, nem pai nem filhos. E não há santos.

Da medalhinha pra baixo...

O presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, pouco depois de Bolsonaro ter-se voltado contra ele, foi alvo da Operação Guinhol, da Polícia Federal. Guinhol é um fantoche– e Bivar, dizem adversários, usava a cota obrigatória de candidatas como se fossem bonecas, com grandes verbas, mas gastas de maneira a voltar a quem as havia concedido. Já Bivar acha que a operação teve algo de guinhol – bonecos que agiam sob controle de seu manipulador. Maldade! Quem poderia acreditar que tudo não foi apenas uma coincidência?

...é canela

Com Federal e tudo, Bivar manteve o comando, afastou bolsonaristas e fala em expulsar Bolsonaro. Cria um problema para os expulsos – podem perder o mandato – e obriga Bolsonaro a abrigá-los em algum bom lugar

2022 chegando

E chega de brigas entre pai, filhos e nada de santos. Já se pensa em 2022. É cedo; até lá, tudo pode ocorrer. Se o julgamento de Lula for anulado e ele percorrer o Brasil em campanha, as condições mudam, para melhor ou pior. Mas o que temos hoje é uma surpresa: Luciano Huck, que nem partido tem, está forte na pesquisa, no segundo turno. Bolsonaro, líder da pesquisa no primeiro turno, tem empate técnico com Huck, no limite, no segundo turno: 38 a 34%. Contra Moro, também haveria empate técnico, mas ao contrário: 38 a 34% contra Bolsonaro. Moro bateria Lula por 50 a 37%. Outros cenários: Huck perde para Moro, tem empate técnico com Bolsonaro (com vantagem numérica para Bolsonaro), bate Lula, Haddad, Amoedo, Dória – todos. Moro tem empate técnico com Bolsonaro (mas com vantagem numérica) e derrota os demais candidatos no segundo turno. Se houver crescimento da economia e do emprego, muda tudo. Por enquanto, a pesquisa é apenas um retrato a ser pendurado na parede, esperando os novos fatos.

A loucura dos juros

O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a financeira Crefisa a pagar R$ 10 mil de danos morais e devolver em dobro “a quantia cobrada de forma abusiva” de um cliente – um senhor de 86 anos, pobre (“em situação de hipossuficiência social”). A Crefisa, patrocinadora do Jornal Nacional e do Palmeiras, cobrava juros de mais de mil por cento ao ano, informa Pedro Canário, do ótimo portal Consultor Jurídico. Mesmo considerando-se os imensos juros bancários no Brasil, a porcentagem chama a atenção. Os juros foram cobrados em três contratos, todos de empréstimo consignado. Nos três casos, foram superiores a mil por cento ao ano. O primeiro empréstimo, de R$ 325,00, tinha juros de 1.415% ao ano. A dívida de R$ 325,00 passou em três meses a R$ 1.900,00. O segundo, de R$ 1.500,00, com juros de 1.019% ao ano, em oito meses chegou a R$ 3.100,00. O último, de R$ 348,00, em seis parcelas, com juros de 1.032% ao ano, alcançou R$ 2 mil.

O castigo

Além dos danos morais, a Crefisa tem de reajustar os contratos para cobrar os juros da média do mercado, calculados mês a mês pelo Banco Central. O que foi cobrado a mais terá de ser devolvido em dobro, por ordem da Justiça. Diz o desembargador Roberto Mac Cracken, no voto vencedor: “Os juros cobrados são de proporções inimagináveis, desafiando padrões mínimos de razoabilidade e proporcionalidade, e de difícil adimplemento em quaisquer circunstâncias”. O desembargador determinou providências ao Procon de São Paulo, à Defensoria Pública do Estado e ao Banco Central.

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

​A guerra sem vencedores

Postado em: - Atualizado em:

As notícias ruins são amplamente majoritárias, mas já há coisas boas no ar. A pesquisa XP, realizada por uma empresa financeira para orientação de seus investidores, pela primeira vez mostra crescimento da popularidade do Governo. A porcentagem de quem acha o Governo Bolsonaro ótimo ou bom foi de 30 para 33%, quem o considera ruim ou péssimo caiu de 41 para 38%. As expectativas também melhoram: 46% acreditam que o Governo ainda vai melhorar (antes, eram 43%). Não é apenas questão de opinião: o índice de empregos na construção civil subiu um pouquinho – em vez de apenas cair- e leis antipoluição na China abrem a perspectiva de exportar álcool para lá.

E que é que o Governo faz? Arruma outra briga, agora com seu próprio partido, o PSL. Pede auditoria nas contas do partido no período anterior a seu ingresso – e, em troca, o PSL põe em dúvida os gastos de Eduardo Bolsonaro para organizar o encontro conservador, um milhão de reais. Qual a importância do duelo? Para o país, nenhuma. Para os duelantes, o controle dos apetitosos fundos eleitorais do PSL. No momento, o presidente do PSL, Luciano Bivar, está em desvantagem: a Polícia Federal fez operação de busca e apreensão em seus escritórios, para apurar o uso de mulheres-candidatas que serviriam para desviar verbas dos fundos eleitorais. Mas Bolsonaro pode ter troco: dois de seus filhos dirigem diretórios estaduais do PSL e o acusado de comandar o laranjal é ministro de seu Governo. Quem bate, leva.

A crise do laranjal

O caso das candidatas é simples: por lei, os partidos são obrigados a lançar um determinado número de mulheres para as disputas legislativas. Acontece que, no caso, as candidatas receberam verbas substanciosas e aparentemente não fizeram campanha – tanto que obtiveram número mínimo de votos. Há suspeitas de que o dinheiro da campanha (que tem origem pública) foi destinado a outros gastos, e por isso a Polícia Federal investiga o caso. Mas Bolsonaro fez questão de manter o ministro que é investigado por isso.

O bate-volta

Bolsonaro disse que o presidente do PSL “está queimado” e há quem ache que quer trocar de partido. Difícil: os parlamentares podem perder o mandato ou, mesmo que o mantenham, ficar sem recursos para disputar a reeleição. A busca e apreensão abre campo para o argumento de que os parlamentares deixaram o partido por problemas éticos. Mesmo assim, é complicado. E os dirigentes do PSL já falam em expulsar quatro parlamentares, o que não só põe seus mandatos em risco como os deixa sem dinheiro para a reeleição. É uma briga ruim para todos. E deixa o núcleo bolsonarista mais reduzido.

Bobos e moleques

Um dos principais alvos de críticas no PFL é Carlos Bolsonaro, o filho 02 de Bolsonaro. O senador Major Olímpio trocou insultos com 02, a quem chamou de “moleque”. O 02 chamou-o de “bobo da corte”. Detalhe: o senador está brigado também com Eduardo Bolsonaro, o filho 03, e é ligado a Joice Hasselmann, a mais votada da Câmara. Joice tem apoio de Olímpio para disputar a Prefeitura paulistana, e o apoia para governador. Eduardo 03 não quer Joice nem Olímpio: o presidente Bolsonaro falou em lançar José Luiz Datena, que não é do partido, para a Prefeitura, em vez de Joice. Numa tradução simples, o PSL paulista rachou inteirinho após a vitória de 2018.

Quem ganha?

Esta briga de bolsonaristas de primeira hora com os filhos de Bolsonaro tem uma característica diferente: ninguém ganha. Pelo jeito, todos perdem.

Dia quente

O Supremo marcou para amanhã o julgamento de três ações que contestam a prisão de condenados em segunda instância. A Constituição diz que só se inicia o cumprimento da pena após o encerramento do processo – o trânsito em julgado. O Supremo decidiu, em julgamentos anteriores, que a pena pode se iniciar após condenação em segunda instância. Lula foi preso após a condenação em segunda instância, embora o processo não tenha sido encerrado – José Dirceu, também. Caso o Supremo nude de entendimento, o que é provável, os condenados em segunda instância deverão ser libertados. Há quem diga que 190 mil pessoas estão nessa situação (o número parece ser exagerado). Qualquer que seja o resultado, deve ser apertado: algo como 6x5.

Celular especial

A Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações, autorizou o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República a usar bloqueadores de celular onde estiverem o presidente Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão. O bloqueio atingirá 200 metros de distância de ambos.

Uma curiosidade: até hoje, alegou-se que bloqueadores de sinal de celulares não funcionariam para impedir que bandidos presos comandassem da cadeia as atividades de suas quadrilhas. Será que de repente apareceu uma invenção tornando possível aquilo que sempre foi dado como impossível?

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

​Os devotos do luxo

Postado em:

Irmã Dulce, agora canonizada, passa a chamar-se Santa Dulce dos Pobres. Certíssimo: aquela que foi santa em vida passa a ser cultuada e a dar seu santo exemplo aos católicos. Mas, fora isso, está tudo errado: o presidente Bolsonaro não foi à canonização por questões eleitorais, o que é inaceitável, por misturar religião e política, e a comitiva brasileira que está no Vaticano, com algumas exceções, aproveita a inscrição de Santa Dulce dos Pobres no rol dos santos católicos para fazer uma viagem de rico, paga por todos nós.

Bolsonaro deveria representar o Brasil no louvável evento. Não foi por esquecer que, presidente, é presidente de todos. Sua esposa é evangélica, evangélicos são muitos de seus apoiadores. E daí? A Irmã Dulce une, não divide. Une a maioria católica sem ofender outras religiões e deve ser louvada por todos – o que inclui este colunista, que não é católico nem cristão, mas louva quem faz o bem, seja qual for a religião que professe.

Quanto à enorme comitiva que foi ao Vaticano, com tudo de graça, com hospedagem na magnífica Embaixada brasileira em Roma, com diárias, muitos levando esposas, muitos levando filhos, que vergonha! O vice-presidente Mourão cumpriu a missão de nos representar na canonização da primeira santa aqui nascida. Os presidentes de Câmara, Senado, STF, vá lá. O procurador-geral da República viaja por sua conta, ele e a esposa. Certo: mostra sua fé. Torrar dinheiro público e ostentar um terço no bolso, fé não é.

Muy amigo

Bolsonaro acreditou que, fazendo uma série de concessões a seu ídolo Donald Trump, conquistaria o status de aliado preferencial dos americanos. O Brasil foi duríssimo na ONU ao apoiar a posição dos EUA com relação à Venezuela, o filho do presidente se fez fotografar com o boné de propaganda de Trump, e Trump, em troca, prometeu apoio à pretensão brasileira de entrar na OCDE, Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Mas, em carta à OCDE, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, só citou Argentina e Romênia entre os candidatos à OCDE. Brasil, nem sonhar.

Trump garantiu a Bolsonaro que sua promessa continua valendo e disse que a carta de seu secretário de Estado era fake news. Só que é uma carta, escrita, assinada pelo Governo americano, e a promessa de Trump é verbal. Mas o problema não é só esse: a Europa quer expandir rapidamente a OCDE, para garantir maioria de votos, e os EUA querem um avanço mais lento. Por isso propuseram só dois candidatos, Argentina e Romênia. o que a Europa não pode aceitar: por vários motivos, precisa colocar também a Bulgária. Se o Brasil for proposto, abre-se espaço para a Bulgária, o que Trump não quer. Logo, vale o que Pompeo escreveu, não o que Trump falou. Simples assim.

E faz falta

Para o Brasil, entrar na OCDE seria excelente: as normas do grupo exigem estatísticas precisas, normas rígidas de combate à corrupção, padrões iguais de legislação. Para os investidores (especialmente fundos), estar na OCDE dá a um país um selo de boas práticas comerciais e segurança jurídica. Quem sabe um dia o presidente Trump, nosso muy amigo, muda de ideia?

Bons indícios...

Há indicações de que Estados Unidos e China estejam chegando a acordos que, ao menos parcialmente, resolvam os problemas entre os dois países. A informação da agência Bloomberg foi reforçada pelo presidente Trump que disse que há “boas coisas” entre EUA e China e que, tão logo se confirmem, haverá um acordo “rápido e limpo”. Com base nesses indícios, a Bolsa brasileira subiu, e tudo indica que seu índice ultrapassará 104 mil pontos nos próximos dias. A Bolsa de Nova York subiu 1,5%. Boas notícias.

...mas a guerra continua...

O presidente da República continua a exercer brilhantemente o papel de líder da oposição. Há boas notícias? Então, deflagrou uma guerra com seu partido, o PSL. Bolsonaro sabe que o PSL, antes um partido nanico, cresceu com sua adesão (e com a vitória eleitoral dos bolsonaristas) e se tornou um dos maiores partidos do país. Se ele sair, o PSL volta à posição de partido nanico. É verdade – mas, se os bolsonaristas saírem, poderão perder o mandato por infidelidade. E as suculentas verbas destinadas ao partido ficam com ele, enquanto os parlamentares ficarão sem dinheiro para a próxima campanha. A saída dos bolsonaristas, sob este aspecto, seria ótima para o presidente do PSL, Luciano Bivar: quem ficasse teria verbas muito maiores.

...e se amplia

Houve declaração de guerra também entre aliados. Eduardo Bolsonaro e Major Olímpio, senador por São Paulo, praticamente romperam relações. A luta envolve também a deputada federal mais votada, Joice Hasselmann, que se aliou a Major Olímpio. Joice é candidata à Prefeitura paulistana, mas quem não a quer é o próprio Bolsonaro, que pretende lançar o apresentador José Luiz Datena. Por que Datena? Porque tem prestígio. Porque não é Joice.

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

​Dezenas de milhões em ação

Postado em:

O presidente da República disse em público que o presidente do PSL, seu partido, “está queimado”. Bolsonaro gosta de uma briga: já afastou de seu Governo, nos primeiros dias do mandato, o presidente anterior do PSL, até então seu homem de confiança. Para o PSL, divergências com Bolsonaro são mortais: foi graças a ele que o partido nanico se colocou entre os grandes.

O PSL perde com a briga. Mas que é que Bolsonaro ganha? Ao partido que o acolher, ele levará grande bancada, além de torná-lo forte para as eleições municipais. Mas bancada o PSL já tem e forte já é, sem que Bolsonaro tenha de se esforçar para estruturar outra grande legenda – além de ter demonstrado, até hoje, o máximo possível de obediência e tremenda capacidade de engolir sapos, endossando automaticamente toda e qualquer vontade do presidente, até a de transformar o filho 03 em embaixador.

Parece que a chave está na lei de financiamento público de campanha. Além dos nossos bilhões destinados por ela às campanhas, há a festança parlamentar, que multiplica verbas sem se preocupar com a saúde dos cofres oficiais. Partidos com maior bancada ganham mais; e o dinheiro é utilizado livremente pelos donos dos partidos. Veja só que coisa mais patriótica: Bolsonaro hostiliza os donos de seu partido que têm o controle das verbas. O partido é ele, e quem são esses outros para controlar a dinheirama? Que a verba fique com gente de confiança, por ele escolhida. Mais lógico, não é?

As famílias

Briga brava no PSL paulista: para se contrapor aos três zeros à esquerda – os filhos 01, 02 e 03 de Bolsonaro – a deputada federal Joice Hasselmann, a mais votada da Câmara, e o senador Major Olímpio se aliaram. Joice sai para a Prefeitura paulistana com o apoio de Major Olímpio, e ele se candidata a governador com o apoio de Joice. Se Bolsonaro deixar o partido a coisa vai mudar, mas, se ficar no PSL, quem controlar o diretório de São Paulo terá como agir sem constrangimentos mesquinhos. Partilhará, digamos, o poder.

Separados mas juntos

Bolsonaro diz que o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, está queimado. Mas neste fim de semana os dois estarão juntos em São Paulo, para “o maior evento conservador do mundo” – o Conservative Political Action Conference. Talvez não haja no evento políticos conservadores do padrão de Winston Churchill, Margaret Thatcher, Ronald Reagan ou Konrad Adenauer – mas, enfim, serão o que temos. Além de Bolsonaro e Bivar, deverão estar em São Paulo o filho Eduardo, aspirante a embaixador em Washington, os ministros Onix Lorenzoni, Damares Alves e Abraham Weintraub, e Felipe Martins, assessor especial do presidente. Weintraub, Felipe e Eduardo, o 03, são discípulos de Olavo de Carvalho, que em princípio não deve comparecer.

Petista sortudo

Nas cidades do Interior, diriam que o cavalheiro nasceu com o rabo virado pra Lua. Vá ser sortudo assim sabe-se onde! Pois um daqueles petistas que ganharam a Mega-Sena acumulada há menos de um mês, em 18 de setembro, ganhou de novo – desta vez a quadra, com R$ 579,00. Pouquinho – mas ele já anunciou que vai ganhar mais vezes. “Jogo há mais de vinte anos”, disse. “Não ganhei por sorte, mas por insistência”. E pretende insistir mais. Quem acredita na persistência deve procurar associar-se a ele. Lembrando, porém, que o grupo que ganhou com ele era também do PT. A estrela lhes deu sorte.

Tardou, não falhou

Que é que o caro leitor fazia em 2003? Não, não é fácil lembrar. Carlos Augusto Moreira Jr. deve lembrar-se bem, sem grande esforço: era o reitor da Universidade Federal do Paraná e foi acusado de irregularidades pelo deputado federal Luís Carlos Hauly. A Universidade, por meio de sua escola técnica, oferecia cursos à distância. Até aí, tudo bem. Mas cobrou taxas e mensalidades não autorizadas, não repassou valores e não quis prestar contas ao Tribunal de Contas da União, mesmo depois de dois acórdãos. O tempo passou e agora, 16 anos depois, o Tribunal de Contas da União multou Carlos Augusto Moreira Jr. em R$ 100 mil. Terá a novela chegado ao fim?

A candidata da noite

A empresária Bete Cuscuz, que até há pouco tempo era dona de uma das mais badaladas casas noturnas do Piauí, pensa em sair candidata à Câmara Municipal de Teresina. Há informações de que Bete Cuscuz foi convidada a se filiar ao PMDB, e por gente com força na legenda. Mas, seja por este ou outro partido, a empresária parece decidida a se candidatar.

Poluição externa

Análises do petróleo que contaminou praias brasileiras indicam forte possibilidade de que a Petrobras nada tenha a ver com o vazamento: é óleo ultrapesado (tanto que não flutua sobre o mar, mas abaixo da superfície), de tipo parecido com o da Venezuela. Bolsonaro diz que tem um país estrangeiro em seu radar, mas não quer fazer acusações antes de ter provas.

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

Sonhar um sonho impossível

Postado em:

Até agora, discutiu-se o motivo que teria levado Rodrigo Janot a confessar uma quase tentativa de matar Gilmar Mendes. Mas há outro tema a discutir: os detalhes esquisitíssimos neste assassínio que não houve.

Janot disse que entrou no Supremo, viu Gilmar sozinho, tirou o revólver do coldre e, a dois metros de distância, quando queria atirar, seu dedo ficou paralisado. Por baixo da toga, mudou o revólver para a mão esquerda, mas o outro dedo também o desobedeceu. Só que a sala em que Janot diz ter visto Gilmar sozinho é normalmente ocupada por oito a dez garçons, haja ou não Excelências presentes. De repente, algum meritíssimo aparece de surpresa e há que atendê-lo. Ali há também alguns seguranças. Gilmar sozinho? Jamé!

Agora, caro leitor, vista um roupão (ou algo mais chique, um robe). Toga é parecida, só que com tecido importado e alfaiate europeu. Pense em sacar uma arma sem que ninguém o note. Lembre-se: a toga é aberta na frente. Em seguida, tente mudar a arma para outra mão, sem que ninguém perceba, e isso bem pertinho de seu alvo. Nem Mandrake o faria – e Janot não é um Mandrake (aliás, nem Lothar). Mas há um detalhe muito mais interessante: tente fazer toda essa manobra sem estar presente. Pois Janot não estava lá.

Janot disse à Veja que o episódio ocorreu no dia 11 de maio. Neste dia, ele estava em Belo Horizonte. O ótimo repórter Felipe Recondo, do site Jota, pesquisou os passos do ex-procurador-geral. Janot estava longe de Brasília.

 Passo a passo

Janot viajou a Belo Horizonte na manhã de 10 de maio, em avião da FAB, na véspera do dia em que teria tentado matar Gilmar Mendes para matar-se em seguida. No dia 12, palestrou na Universidade Federal de Minas. Lá ficou até o dia 15. Seria interessante, portanto, tomar algumas providências: uma, determinar a reconstituição dos fatos, como narrados por Janot – seria ele capaz de tamanhos malabarismos com as mãos na arma?

Segundo, esclarecer a questão das datas. Onde estão os erros, nas datas ou nos fatos narrados?

A rainha das provas

Essa história de que a confissão é a rainha das provas não é bem assim – tanto que nem delação premiada é válida se não houver como confirmá-la. E testemunhas também falham: peça a amigos de confiança que descrevam um fato que presenciaram juntos e terá versões variadas. No caso há outra curiosidade: Janot confessou, mas o que confessou não é crime. Ter vontade de matar alguém é apenas um sonho. Ou pesadelo. Ou ambos. Ambos lícitos.

 Quem te viu…

A Polícia Federal indiciou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, em inquérito sobre candidatos-laranjas no PSL mineiro. O ministro é suspeito de falsidade ideológica, apropriação indébita de recursos eleitorais e associação criminosa – que podem custar, se for processado e condenado, uma pena máxima de 14 anos de prisão. Hoje, Marcelo Álvaro Antônio compartilha as condições de indiciado e de ministro: Bolsonaro já informou, via porta-voz da Presidência, que ele será mantido no Ministério.

 …quem te vê

Em 13 de março, Bolsonaro disse a um grupo de jornalistas que decidiria a permanência ou não do ministro dependendo das investigações policiais. Se a Polícia concluísse pelo envolvimento do ministro no caso, “podem ter certeza de que uma decisão será tomada”. Foi tomada: o ministro fica, apesar do indiciamento. Cabe agora ao Ministério Público decidir se o denunciará à Justiça. Se a denúncia for aceita, o ministro vira réu e responderá a processo.

O ministro Marcelo Álvaro Antônio diz ser vítima de campanha orquestrada e, em nota, “reafirma sua confiança na Justiça e reforça sua convicção de que a verdade prevalecerá e sua inocência será comprovada”.

 Eu era assim…

Pouco após assumir o Ministério da Justiça, Sérgio Moro anunciou seu pacote anticrime. O pacote dorme no Congresso e não há notícia de que o presidente Bolsonaro esteja se incomodando muito com isso. Mas agora o ministro Moro lança (inicialmente no Paraná) uma campanha de propaganda em favor do pacote. O Congresso não recebeu bem a campanha: em vez de conversar, Moro tenta impor suas opiniões aos parlamentares.

 …eu sou assim

No lançamento da campanha, perguntaram a Moro por que Bolsonaro nada falou até agora sobre o assassínio da menina Ágatha, no Rio. Embora o tema da campanha e da entrevista fosse violência urbana (e Ágatha foi atingida por uma bala de fuzil, numa operação policial), Moro não quis comentar o assunto, alegando que a pergunta não era apropriada. Entre aspas:

“Esta coletiva é limitada ao tema do encontro, que é o ‘Em Frente, Brasil’ (o projeto de combate à criminalidade). Vou pedir desculpas, mas não vou sair desse contexto”. Como aquele famoso cordão cada vez aumenta mais, o ministro foi aplaudido por autoridades do Governo paranaense por se calar.

______________________________________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

______________________________________________________________

ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)

___________________________________________________

COMENTE:

carlos@brickmann.com.br
Twitter: @CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

——————————–

​De Lula Livre a Lula Preso

Postado em: - Atualizado em:

Há quem diga que no Brasil nada muda, que tudo é sempre igual. Muda, sim: o grito de guerra dos cumpanhêro, a partir do momento em que a Lava Jato pediu que a pena de Lula progrida para o regime semi-aberto, deixou de ser Lula Livre. Agora, seguindo as ordens do ex-presidente, é Lula Preso.

Lula disse que não aceita a progressão de pena. Garante que só sai quando seu julgamento for anulado e ele puder deixar a prisão como inocente que foi injustiçado. Que pode acontecer? Não se sabe exatamente. O procurador Deltan Dallagnol acha que Lula, como qualquer presidiário, tem de cumprir a pena como lhe for imposta. O presidente Bolsonaro acha que, se Lula não quiser trocar a prisão por regime semi-aberto, tem o direito de ficar preso.

É briga boa: não há muitos casos semelhantes que orientem a solução do atual. Não há, dizem juristas, nenhuma determinação específica na lei. Logo, há campo para uma batalha de interpretações – uma coisa meio maluca, bem Brasil, em que os adversários de Lula querem libertá-lo e seus seguidores querem mantê-lo preso. Lula joga no futuro: quer sair da prisão perto das eleições, na condição de vítima. Mas há vários futuros possíveis: se for condenado em outros processos, e há vários, fica por longo prazo em regime fechado, perdendo a liberdade parcial, e sem disputar eleição alguma.

A Lava Jato vem sendo podada pelo Supremo, pelo Congresso e também por Bolsonaro. Mas há muitos tiros disparados. Se um acertar, Lula não sai.

O dia D

O Supremo deve concluir hoje a votação do caso dos depoimentos dos réus em caso de delações premiadas. Já há maioria formada em favor de dar aos réus delatados o direito de depor por último, como se os réus delatores fossem assistentes da acusação. Mas que é que isso significa?

Não é bem assim

Há consenso no Supremo de que não há condições de anular todos os julgamentos em que os réus delatados não foram os últimos a depor. Os ministros falam em “modular” o alcance das decisões. Podem, por exemplo, decidir que a decisão valha apenas em casos futuros. Ou que seja aplicada nos casos em que a defesa recorreu. De qualquer forma, o julgamento não envolve Lula: no caso em que foi condenado, o do apartamento no Guarujá, nada existe que possa ser alterado por essa decisão do Supremo.

Quem perde

Com uma decisão do Supremo exigindo que os réus delatados tenham o direito de depor por último, quem perde é a Lava Jato. O procurador Deltan Dallagnol acha que haverá um grande retrocesso no combate à corrupção. Há quem diga que as alegações finais dos réus não trazem, a rigor, nada de novo ao caso. Mas, se não houvesse prejuízo para a acusação, Dallagonol não estaria tão bravo, nem seus adversários tão exultantes. Junte-se a isso o livro e as entrevistas do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que uniram alas que sempre criticaram os métodos da Lava Jato mas não se entendiam, e surge um quadro de enfraquecimento da operação. Mesmo os ministros do STF mais favoráveis à Lava Jato se solidarizaram com as medidas para enquadrar Janot. Nenhum deles quer tiroteio dentro de seu local de trabalho.

Por que?

Esqueça a história de que o ex-procurador Rodrigo Janot contou a história de que quis matar Gilmar Mendes porque queria vender livros. Primeiro, é difícil ganhar dinheiro com livros. Tirando o pessoal da auto-ajuda, Fernando Morais, Paulo Coelho, não se ganha dinheiro vendendo livros. Segundo, o livro de Janot foi amplamente distribuído, de graça, pela Internet. Também é bobagem imaginar que ele tenha levantado a história para sofrer uma busca e apreensão, que entregaria à Federal seus arquivos e conversas telefônicas, nos quais haveria coisas comprometedoras contra adversários políticos. Se quisesse dar à Federal as informações, bastaria copiar o que quisesse em pendrives aos quais, para usar a frase habitual, “a Polícia teria acesso”.

Adivinhar os motivos de Janot é ainda muito difícil. Um palpite: sentiu a falta dos holofotes e confessou algo que nem crime é, mas teria repercussão. Mas saberia que iriam vasculhar sua vida para achar algo comprometedor. Já sabemos até que ele sua equipe bebiam em serviço. Está no livro.

Cervejinha

A reforma da Previdência passou em primeiro turno e o ministro Onyx Lorenzoni acha que estará tudo concluído até o dia 10. Mas o senador Major Olímpio, líder de Bolsonaro, adverte: se as demandas dos senadores náo forem atendidas, a reforma para. Não é coisa pequena: fala-se que os pedidos custarão algo como R$ 3 bilhões. O Governo concordou em atender os parlamentares, mas não liberou as verbas. E eles sabem que, se a reforma for aprovada sem que as verbas tenham saído, vão todas para a cesta seção. É briga de profissionais: ninguém mais quer promessas, cada um está à espera do naco de carne que foi combinado. Sem carne, não há reforma que ande.

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

​A volta da pantera cor de rosa

Postado em:

Meu nome é Rodrigo Janot, mas pode me chamar de Inspetor Closeau. Lembre: o Inspetor Closeau era o atrapalhado personagem do filme A Pantera Cor de Rosa, interpretado por Peter Sellers, um especialista em se meter em confusões.  Imitando Closeau, Janot gerou confusão: muito tempo depois dos fatos, decidiu contar que foi um dia ao Supremo Tribunal Federal, armado, para matar o ministro Gilmar Mendes e matar-se em seguida. Mas, diz, a mão de Deus o impediu de fazer a besteira. Guardou-se para fazer a besteira mais tarde, revelando ao país que por pouco um procurador-geral da República, surtado, só não precipitou uma crise graças à intervenção divina. E ainda falam de Damares e de Jesus que ela diz ter visto na goiabeira!

Ter a intenção de matar, desde que não seja consumada, não é crime. Mas Janot, no papel de Closeau, disse que Michel Temer lhe pediu que suspendesse as pressões sobre o deputado Eduardo Cunha. Isso teria ocorrido em 2015. Se o fato ocorreu, e Rodrigo Janot não tomou providências legais, talvez possa ser acusado de prevaricação – falta de cumprimento do dever. E isso é crime. Há mais um complicador no caso: ir armado ao Supremo, com intenções homicidas (embora não executadas), levanta dúvidas sobre o equilíbrio emocional de quem tem porte legal de arma. Tem, não: tinha.

Mas nem tudo no ex-procurador Janot lembra o Inspetor Closeau. Closeau era representado por Peter Sellers. Convenhamos, falta a Janot esse talento.

A ação

O STF reagiu duramente: a Polícia Federal recebeu ordem do ministro Alexandre de Morais para fazer busca e apreensão na casa de Janot e recolher as armas que fossem encontradas. Janot está proibido de entrar no STF e em qualquer de seus anexos e de se aproximar de qualquer ministro.

A inação

A Polícia Federal vem sendo criticada por ter falhado ao cumprir ordens anteriores do ministro Alexandre de Moraes a respeito da segurança do STF e de seus ministros. O diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, que esteve na mira de Bolsonaro (e se manteve por ter a confiança de Moro), deve balançar. Dificilmente Moro conseguiria agora segurá-lo – e segurar a si próprio.

As duas faces do bem

A irritação de Janot com Gilmar Mendes, que o levou a pensar em homicídio, nasceu da resposta a um pedido do então procurador-geral de suspeição, para que o ministro não votasse em determinado caso. Motivo: sua esposa trabalhava no imenso escritório de advocacia que defendeu Eike Batista. Na resposta, Gilmar afirmou que a filha de Janot tinha trabalhado para empreiteiras envolvidas na Lava Jato. Logo, se um era suspeito, por laços familiares, o outro também o era. Janot, que considerava sua observação sobre a esposa do ministro totalmente adequada, quis matá-lo por fazer referência semelhante sobre sua filha.

Um erro de tempo

Janot deu as entrevistas agora, época em que vai lançar seu livro Nada Menos que Tudo, escrito pelos jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelyn. Esta costuma ser época boa para lançar livros, já que é época de compra de presentes de Natal. Mas, depois do que disse, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot faria melhor se o lançasse não perto do Natal, mas do Carnaval.

Lava Jato – e agora?

Duas informações importantes: primeiro, embora já haja no Supremo uma maioria consistente em favor de anular julgamentos em que réus delatores tenham deposto depois dos demais réus, a decisão ainda não foi formalizada: isto deve ocorrer apenas na quarta-feira (e, embora não se acredite na possibilidade, sempre alguém pode pedir vista do processo). Segundo, mesmo que a decisão seja tomada na quarta-feira, sem que haja qualquer novidade, isso não significa que todos os réus da Lava Jato terão o direito de pedir anulação do julgamento. Há vários caminhos e um deve ser escolhido.

Lula lá ou Lula cá?

A tendência da opinião pública é personificar a discussão em torno do ex-presidente Lula. A decisão do STF, tal e qual se espera, irá beneficiá-lo? Em princípio, não: o caso do apartamento do Guarujá, pelo qual foi condenado, não envolveu a participação de delatores. Mas Lula deve deixar a prisão por outro motivo: já cumpriu um sexto da pena, com bom comportamento, e tem direito à progressão de regime penitenciário. Lula não fez o pedido e não quer aceitá-lo, mas é possível que seja obrigado a fazê-lo. No caso, teria de cumprir algumas exigências legais, como conseguir um emprego fixo.

Como ficam os julgamentos

      Isso é algo que deve ser resolvido na quarta-feira. Há diversas posições de diversos ministros. Barroso quer que a medida seja válida apenas de agora em diante: o passado passou. Carmen Lúcia acha que o julgamento pode ser anulado desde que o réu prove que foi prejudicado.

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

Palavras ao vento

Postado em: - Atualizado em:

Não é verdade que as palavras de Bolsonaro na ONU tenham formado um discurso com o qual ou sem o qual o mundo seria tal e qual. O mundo o entendeu: quem desconfiava da sua capacidade retórica hoje tem certeza.

O presidente tinha bons argumentos. Aquela queimada que, temia-se, iria incendiar o mundo, em pouco tempo foi contida; nosso Governo, apesar de oficialmente não dar muita importância ao tema, agiu com eficiência. O fogo não era parte da política do Governo: era uma combinação de seca, crimes ambientais, ação ilegal de madeireiros e garimpeiros. O presidente francês ultrapassou a linha dos bons modos (não tão grosseiro quanto Bolsonaro, mas antes dele), tentando ditar normas sobre a Amazônia brasileira sem ouvir o Brasil. Se o alvo não fosse Bolsonaro, a esquerda falaria em colonialismo.

A economia do Brasil não se recuperou, mas há bons projetos de atração de investimentos, a inflação se mantém baixa, os juros oficiais estão na menor taxa da história, o acordo com a União Europeia foi firmado após 20 anos de negociação, reduziu-se o número de mortos pela violência urbana.

OK? Não. O discurso de Bolsonaro foi raso, misturando assuntos, criticando Lula, Venezuela, Cuba – e o Brasil é maior do que isso. No fundo, a mesma confusão que oferece aos adversários das exportações brasileiras e aos interessados nas riquezas da Amazônia os argumentos que usam contra nós.

O discurso foi elaborado por quatro pessoas. Faltou quem o escrevesse.

 Os autores

Quem preparou o discurso de Bolsonaro, segundo a revista Época, foram o general Augusto Heleno, ex-comandante militar da Amazônia, o chanceler Ernesto Araújo, o candidato a embaixador Eduardo Bolsonaro e o assessor internacional Filipe Martins – três deles ligados a Olavo de Carvalho e um, o general Augusto Heleno, que abertamente o ignora. Ao presidente caberia a empolgação do discurso, para que na ONU o vissem como Mito.

E viram: o mito, afinal de contas, é algo que não existe, em geral fruto da imaginação.

 Coisas antigas

Nada contra os mitos e os frutos da imaginação. Em Júlio César, fruto da imaginação de William Shakespeare, há um discurso (o de Marco Antônio à beira do túmulo de César), excepcionalmente brilhante, que poderia ser dito hoje mudando apenas o nome dos mitos. Não há qualquer certeza histórica de que D. Pedro I tenha gritado “Independência ou Morte” no 7 de setembro, mas a frase, embora provavelmente um mito, sobrevive. E, trazendo os fatos para dias recentes – quase os dias de hoje – De Gaulle nunca disse que o Brasil não era um país sério. Mas a frase ficou. Um mito de longa duração.

 …cada vez aumenta mais

Comentaristas estrangeiros fizeram pesadas restrições ao discurso. Mas houve quem gostasse: o ministro da Justiça, Sergio Moro, por exemplo. E o vice-presidente Hamilton Mourão.  E o chanceler Ernesto Araújo, no Twitter: compartilhou o discurso e fez um comentário que comprova ter participado de sua redação. “A verdade da soberania é a soberania da verdade”.

 A boa solução

E pensar que o Brasil já teve ótimos autores de discursos presidenciais! Os discursos de Getúlio eram escritos por Lourival Fontes. E é de Maciel Filho, provavelmente, o “saio da vida para entrar na História”. Juscelino tinha Augusto Frederico Schmidt. Não basta a um discurso trazer bons argumentos: é preciso que estes argumentos convençam a plateia. E não foi o efeito obtido pelo discurso de Bolsonaro. Só converteu os já convertidos.

 A ONU de sempre

A ONU é gigantesca, caríssima, tem orçamento lhe permite contratar quem quiser, autossuficiente a ponto de entregar Direitos Humanos a ditaduras e a ignorar críticas. E não sabe quem é o presidente do Brasil, um dos países que a fundaram e que abre a Assembleia Geral. Clique https://www.un.org/en/ga/info/meetings/73schedule.shtml, 25 de setembro: “Tuesday, 25 September, 9:00 a.m. to 2:45 p.m. General Assembly Hall.

Lá está o nome do presidente do Brasil, para eles: “Michel Temer”.

 Cai fora!

O Governo do Rio de Janeiro decidiu tomar providências para evitar que se repitam fatos como o assassínio da menina Agatha Felix, de 8 anos, vítima de tiroteio. E quais são as providências?

É verdade, verdade verdadeira: estão preparando uma cartilha para que os moradores de favelas saibam como agir durante operações policiais. A cartilha deve ser lançada ainda neste ano. E, logo após o lançamento, o governador Wilson Witzel promete “intensificar o confronto com criminosos”. A cartilha, no fundo, poderia se resumir a um só conselho: “Cai fora!” Evitará aquela inevitável batalha sobre concorrência e preços. E provavelmente será a mais eficiente providência do Governo. Pois só neste ano, outras quatro crianças, além de Agatha, foram mortas por tiros em áreas de confronto. E em nenhum caso o atirador foi identificado.

COMENTE:

carlos@brickmann.com.br
Twitter: @CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br


​Coincidências acontecem

Postado em: - Atualizado em:

Bolsonaro já quis afastar o delegado Maurício Valeixo, diretor-geral da Polícia Federal, mas aceitou os argumentos de Sérgio Moro e desistiu. Ou não: talvez apenas espere ocasião mais adequada para se livrar de Valeixo e,  por que não?, do próprio Moro, que insiste em manter-se mais popular do que ele (e, portanto, se transforma num candidato alternativo à Presidência).

Pois é: Valeixo reassumiu o cargo e, em seguida, a Polícia Federal invadiu o gabinete do líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra, acusando-o de ter recebido propinas. Claro, não foi uma retaliação às posições anteriores de Bolsonaro, de trocar o comando da PF. Foi uma operação estritamente técnica, sem nenhum viés político, sem intenção de atingir o presidente.

Pois é: Bolsonaro, que demitiu o coordenador de sua campanha, Gustavo Bebbiano, por considerá-lo traidor, cujo grupo político é integrado por pessoas convencidas de que Delfim Netto e Fernando Henrique são comunistas, que acha que Weintraub é um bom ministro da Educação, justo ele vai acreditar que não houve qualquer retaliação da Polícia Federal ao invadir o gabinete de seu líder no Senado. Se houve ou não retaliação, este colunista não sabe; este colunista também não põe a mão no fogo por Bezerra ou demais parlamentares, isso por detestar o apelido de Capitão Gancho. Mas Bolsonaro não terá a menor dúvida, seja isso ou não verdade.

De agora em diante, o duelo só para quando os punhais gotejarem sangue.

Do passado ao futuro

Certo, no Brasil até o passado é imprevisível, quanto mais o futuro. Mas o presidente Bolsonaro permite certas ilações. Deve ter certeza de que a PF está fora do controle de Moro (e, portanto, Moro não serve para ser ministro) ou está sob o controle de Moro, e ele o usa para prejudicar a base política do Governo (e, portanto, não serve para ser ministro). Vai demitir Moro, então? Sim, desde que tenha certeza de que sua arma não é um bumerangue. Nada fará que contribua para ampliar a popularidade de Moro, mas se puder evitar  que o ministro vire vítima, não hesitará em apertar o gatilho. Teremos, pois, tempos interessantes em Brasília. A campanha de 2022 já começou.

Previsão – ou não

O pessoal da Federal que invadiu o escritório de Fernando Bezerra é fiel ao diretor-geral Maurício Valeixo, mantido no cargo por Moro. É um pessoal da Lava Jato, cujo grande símbolo nacional é Sérgio Moro. É gente de Moro, portanto, fustigando Bolsonaro. A partir daí, Bolsonaro pode transformar a vida de Moro, no Ministério, num inferno. Mas é Brasil: pode não fazer nada.

Velhos tempos

Bolsonaro tem boa memória. Certamente se lembrará de que, pouco antes da votação da reforma da Previdência, com boa chance de aprovação, Temer caiu na armadilha de procuradores e dos irmãos Batista. Há quem acredite que a forte resistência de fortes grupos à reforma da Previdência nada teve a ver com isso. Por que teria? Pode tudo ter sido pura coincidência.

Coincidências acontecem

No próprio Governo Bolsonaro já se cria uma tradição: toda vez que há indícios de melhora da situação econômica, o próprio Governo faz enorme esforço para gerar uma crise política que anule os bons sinais econômicos. E estamos numa fase dessas: por incrível que pareça (já que o desemprego é imenso e o fato econômico mais visível não é a chegada de investimentos estrangeiros, mas a transferência de empreendimentos brasileiros para outros países), há vagalumes de boa luz amenizando a escuridão reinante. A taxa de juros Selic, pela qual o Governo paga seus empréstimos, caiu para 5,5%, o menor valor na história – houve até bancos que, por isso, baixaram as taxas que cobram de seus clientes de estratosféricas para apenas inacreditáveis. A inflação se mantém baixa, o que permite imaginar novas quedas de juros. A expectativa é de que o Brasil feche o ano com taxa Selic de 5% ao ano.

Não há hora melhor para surgir uma nova crise artificial, que ponha esses bons resultados a perder.

E a festa continua

A Farra da Mexerica, iniciada com o financiamento público de campanha, pelo qual você, contribuinte, financia a batalha eleitoral de políticos que preferiria ver na cadeia, e não em postos eletivos, continua a pleno vapor. A Câmara dos Deputados aprovou projeto permitindo praticamente tudo: o tal dinheiro público, que deveria financiar propaganda, agora servirá para tudo, o que inclui a compra de jatinhos e de mansões. Isso só não acontecerá caso o presidente Bolsonaro vete toda a lei. Mas, mesmo vetando, continua em vigor a lei atual. Por ela, informa o portal O Antagonista, o senador Angelo Coronel (PSD-Bahia), usou agora em setembro R$ 14.890,00 só para abastecer seu jatinho. E o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, pagou refeições para 16 pessoas, com nosso dinheiro, num restaurante em Parnaíba, litoral do Piauí. Se é assim antes da lei, imaginemos depois dela!

COMENTEcarlos@brickmann.com.br

Twitter@CarlosBrickmann

O que é valioso desmancha no ar

Postado em: - Atualizado em:

Há poucos dias, no sábado, fez um ano que a Polícia Federal apreendeu, no aeroporto de Viracopos, SP, 19 malas com dinheiro e objetos de luxo. No total, algo como US$ 20 milhões. Era a bagagem de Teodorin Obang, filho de Teodoro Obang, há mais de 40 anos presidente (e homem mais rico) da Guiné Equatorial. Que é que Teodorin veio fazer no Brasil, tão perto das eleições, com tanto dinheiro e tantos objetos de valor? Nas investigações da Lava Jato, a Guiné Equatorial é sempre citada como parceira preferencial de empreiteiras brasileiras, aquelas que acompanhavam as viagens de Lula à África e ganhavam gordas concorrências, com o financiamento do BNDES.

Os relógios trazidos nas malas de Teodorin eram fantásticos: caixas de ouro ou platina, amplamente guarnecidas de brilhantes, de grandes marcas. Relógios ocupam pouco espaço, valem muito, podem ser transformados em dinheiro com facilidade. A propósito: onde estão as joias e relógios trazidos às vésperas das eleições pelo vice da Guiné Equatorial? E o dinheiro, em dólares e reais? Não se fala mais no assunto? Não ficou claro nem quem iria se beneficiar de objetos tão valiosos! Há quem diga que era a contribuição da Guiné Equatorial a seus candidatos favoritos – mas não há prova alguma disso, devem ser apenas comentários maliciosos.

De qualquer forma, seria interessante saber se o dinheiro e os objetos de valor estão sob custódia, ou foram devolvidos a quem os trouxe. Imagine, joias tão lindas sumindo no ar!

Rico, rico, rico

Claro que se pode dizer que o assunto não tem a menor importância, que a imprensa canalha faz tempestade em copo de champagne. Afinal, nada é tão normal quanto um país que está em 144º lugar em Índice de Desenvolvimento enviar seus governantes com malas de joias e dinheiro para uma visita turística a uma nação amiga -onde o turismo deve ser caríssimo.

Vergonha pouca…

Pesquisa da Câmara Federal mostra que 71% dos juízes do país ganham mais que o teto constitucional de R$ 39,2 mil. Recebem auxílio-moradia e auxílio-alimentação, muitas viagens com boas diárias, penduricalhos diversos. E, na última semana, o Conselho Nacional de Justiça permitiu que o auxílio-saúde (10% do salário-base de desembargador) não espere ninguém ficar doente: já pode ser pago em dinheiro, mesmo sem problemas de saúde. O colunista Claudio Humberto (www.diariodopoder.com.br) lembra que, há três anos, o Senado aprovou projeto que limitava os supersalários. Agora o projeto está na Câmara, onde dorme esquecido.

…é bobagem

O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, usou dinheiro de sua cota parlamentar para visitar o ex-presidente Lula, que está preso em Curitiba. Desde que tenha alguma relação com o exercício do mandato, a cota parlamentar pode cobrir viagens nacionais, seja para onde for. A assessoria de Pimenta diz que foi a uma atividade do PT paranaense, em Curitiba. E aproveitou a oportunidade para pedir instruções na cadeia. Por que deixaria Haddad com o monopólio das conversas do cárcere?

Questão de prioridade

O governador João Doria inaugurou novas e amplas instalações para o 8º Distrito Policial do Brás, em São Paulo. Foram investidos R$ 4,6 milhões nas obras – parte, ao que dizem, de R$ 100 milhões oferecidos pela Febraban, Federação Brasileira de Bancos, para reformas de distritos policiais, tudo, é claro, sem interesse algum. O DP reformado ficou bonito, bem mobiliado, mas talvez não seja esta a maior necessidade da Polícia Civil paulista.

Nela, falta preencher 24 mil vagas, faltam coletes à prova de bala, há coletes com prazo de validade vencido. E o salário dos policiais civis é o mais baixo do Brasil, embora trabalhem no Estado mais rico do país. Delegacias bem montadas e bem equipadas são um excelente cartão de visita. Mas polícia é mais do que isso: exige salários, equipamentos, ciência, quadros completos.

Petróleo sem problemas

O ataque a refinarias sauditas, seja iniciativa iraniana (que disputa com a Arábia Saudita a liderança do Oriente Médio árabe), seja iniciativa dos rebeldes iemenitas contrários ao regime de seu país, apoiado pelos sauditas, está sendo considerado um problema passageiro. Imagina-se que não haverá falta de petróleo, nem alta explosiva de preços. Imagina-se que a situação logo voltará ao normal. Se o que se imagina for otimista demais, há ainda a liberação das reservas estratégicas dos EUA. No Brasil, a Petrobras avalia a situação, mantendo preços. Os juros brasileiros devem cair mais um pouco.

Homenagem bonita

O jornalista Caetano Bedaque foi homenageado no dia 13, na Câmara dos Vereadores de São Paulo, “pelos excelentes serviços prestados à televisão brasileira”. A homenagem foi comandada pela vereadora Sandra Thadeu e a presidente do Instituto Pro-TV, Thaís Alves. Conheço-o: foi homenagem merecida.

COMENTE:

carlos@brickmann.com.br
Twitter: @CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br