Captação do Sapucaí para e Sabesp traz água tratada de Restinga para Franca

Empresa confirma que obras foram paralisadas e está tomando as providências cabíveis na Justiça

Postado em: - Atualizado em: em Obras

As chuvas de quarta-feira (27) minimizaram o problema, mas vai demorar para que a captação, tratamento e distribuição de água em Franca seja feita com folga e tranquilidade pela Sabesp.

O abastecimento de água em Franca está sendo feito com medidas de reforço, como, por exemplo, utilizar a água de dois poços artesianos de Restinga, que foram perfurados para abastecer aquela cidade, mas que na hora do aperto servem para trazer água para Franca.

Para reforçar ainda mais o abastecimento, a empresa teria feito uma outra contenção provisória no Rio Canoas, para baixo da Estação de Captação do Rio Canoas, de onde estaria retirando água para trazer para Franca.

Represamento provisório feito no Rio Canoas na estiagem passada

Segundo a assessoria de imprensa da Sabesp, o abastecimento de Franca está sendo feito com a água captada no Rio Canoas, com o sistema Pouso Alegre e com os dois poços profundos de Restinga.

Ainda de acordo com a nota da empresa, os mananciais produzem 1.190 litros de água por segundo, ou 4 milhões e 285 mil litros de água por hora. Porém, não informa qual o consumo da cidade.

Questionada pelo Jornal da Franca se as obras de captação do Rio Sapucaí estariam paralisadas, a assessoria de comunicação da Sabesp deu duas informações contraditórias num mesmo parágrafo.

A princípio, a nota afirma que as obras do novo sistema do Sapucaí estão em andamento, mas na sequência diz que a instalação das tubulações foi paralisada pela empresa contratada e que a Sabesp já está tomando as providências na Justiça para viabilizar a continuidade das obras.

PERGUNTAS

Interessado em informar a população sobre eventuais problemas no abastecimento de água, o Jornal da Franca encaminhou para a assessoria de comunicação da Sabesp as seguintes perguntas:

1) Franca está sendo abastecida com água de poço(s) artesiano(s) de Restinga?

2) Se sim, qual é a vazão que vem de Restinga, por minuto, hora e por dia?

3) Se sim, qual a profundidade do(s) poço(s)? É do Aquífero Guarani?

4) Se sim, por que precisou do reforço deste(s) poço(s)?

5) Se sim, até quando a Sabesp vai trazer a água de Restinga para Franca?

6) Qual é a capacidade de captação da Sabesp em Restinga?

7) Qual é o consumo diário de água em Franca?

8) Qual a capacidade de produção dos mananciais de que abastecem Franca?

9) É correto afirmar que as obras de captação do Rio Sapucaí estão paralisadas?

10) Se sim, por qual razão?

11) Se sim, qual a previsão de retomar as obras?

12) Se sim, quanto tempo para concluir as obras depois da retomada?

13) Qual a previsão da quantidade de captação do rio Sapucaí?

14) Qual a previsão de capacidade de tratamento e distribuição da água do rio Sapucaí?

RESPOSTA DA SABESP

A empresa escolheu o que responder e, infelizmente, deixou o consumidor francano sem as informações que poderiam ser úteis no processo de economia.

Eis a resposta da Sabesp:

O abastecimento de Franca é feito pela água captada no rio Canoas, no córrego Pouso Alegre e em dois poços profundos em Restinga, utilizados desde 2012 para atender aos dois municípios. A capacidade máxima de produção dos mananciais para Franca é de 1.190 litros por segundo, ou 4,285 milhões de litros por hora. Em Restinga o abastecimento é feito com os mesmos poços artesianos interligados ao sistema de abastecimento de Franca. A distribuição de água em Franca e Restinga ocorre normalmente, mas o nível dos rios que abastecem Franca está muito baixo e não há previsão de chuva para os próximos dias. Por isso, a Sabesp solicita a todos os moradores que utilizem a água racionalmente. 
As obras do novo Sistema de Produção de Água do Sapucaí-Mirim estão em andamento. A Estação de Tratamento de Água, as elevatórias e os reservatórios estão 99% concluídos. Já a instalação de tubulações foi paralisada pela empresa contratada, a SPE Franca Expansão. A Sabesp já está tomando as medidas cabíveis na Justiça para viabilizar a continuidade das obras o quanto antes.


Artigos Relacionados