Acidentes causados por fumaça e neblina crescem de janeiro a setembro

Aumento foi de 57,14% e 21,90%, respectivamente, em comparação com o mesmo período do ano passado

Postado em: em Trânsito

Os acidentes provocados por neblina geraram 128 ocorrências, contra 105 no ano passado, resultando em alta de 21,90%

​Levantamento realizado pela ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo aponta que os acidentes causados por fumaça e neblina cresceram entre janeiro a setembro deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado nas rodovias paulistas concedidas.  

Os acidentes nas rodovias em decorrência a neblina e fumaça aumentaram este ano se comparado a 2019.

O levantamento é da ARTESP - Agência de Transportes do Estado de São Paulo.

Na região de Franca os acidentes mais graves ocorreram em Brodowski, Sales de Oliveira, e Orlândia.

A Polícia Rodoviária pede cautela aos motoristas nos trechos mais baixos em períodos de chuva. E quanto a fumaça os motoristas devem reduzir a velocidade.

Até o fim do mês passado, foram 11 acidentes causados por fumaça, enquanto nos primeiros nove meses de 2019 ocorreram sete; um crescimento de 57,14%. 

Os acidentes provocados por neblina geraram 128 ocorrências, contra 105 no ano passado, resultando em alta de 21,90%.  

“Continuamos fazendo campanhas em parcerias com as concessionárias para conscientizarmos o usuário sobre a importância de manter a atenção e seguir as recomendações ao se deparar com esse tipo de situação. Nosso objetivo é sempre prevenir os motoristas para que eles possam circular com segurança pelas rodovias paulistas”, explica Milton Persoli, diretor-geral da ARTESP.  

Dentre as ações com as concessionárias estão campanha de orientação com mensagens de alerta veiculadas nos painéis eletrônicos (PMVs) distribuídos pelas rodovias, instalação de faixas nos trechos de maior incidência, operações de redução de velocidade e sinalizações específicas, inclusive com uso de viaturas (operação visibilidade).  

As concessionárias, através de seus Centros de Controle Operacional (CCOs), acompanham de maneira remota as condições de tráfego nas rodovias, através dos recursos e equipamentos de monitoramento (câmeras, estações meteorológicas, inspeções de tráfego, entre outros) e, com isso, podem atuar rapidamente para mitigar os impactos dos fatores climáticos no tráfego.  

Eventos com a presença de queimadas são potencialmente perigosos. Diante disso, as concessionárias possuem veículos do tipo Caminhão Pipa para atendimento emergencial de combate a focos de incêndio na faixa de domínio. 

Não obstante, as concessionárias promovem ações e simulados periodicamente para treinamentos das equipes, bem como para atuação conjunta com os demais órgãos competentes (Bombeiros, Defesa Civil, Cetesb, SAMU, entre outros).  


O que fazer em caso de neblina?

Antes de pegar estrada, o motorista deve checar as condições do veículo, principalmente lanternas, faróis e palhetas do limpador de para-brisa. Redobre a atenção:

●A velocidade máxima permitida na rodovia é determinada para o tráfego em condições normais. Sob neblina, é recomendável trafegar com a velocidade reduzida;

●Não acione o pisca-alerta em situações de pouca visibilidade e tráfego lento. Ele só deve ser acionado com o veículo parado, preferencialmente em uma área segura;

●Mantenha distância segura do veículo à frente;

●Acenda os faróis baixos – tanto de dia quanto à noite. O farol alto, independente do horário, dificulta a visibilidade pela grande dispersão de luz emitida sob neblina;

●Use a pintura de faixa da pista como referência do caminho a seguir;

●Deixe a janela aberta, ainda que parcialmente, para ouvir eventuais sinais sonoros;

●Deixe o para-brisa limpo; 

●Nunca pare na pista.

O que fazer em caso de fumaça?

Caso o motorista se depare com uma situação de queimada na rodovia, a recomendação é avisar imediatamente o Corpo de Bombeiros, ligando para o 193, e também para o número 0800 da concessionária responsável pela rodovia. Além disso, é importante adotar medidas de segurança, tais como:

●Fechar os vidros do veículo;

●Manter distância segura do veículo da frente;

●Trafegar com farol baixo aceso;

●Não ligar o pisca-alerta com o veículo em movimento;

●Não parar na faixa de rolamento.


Artigos Relacionados