A arte como profissão e possibilidade de independência financeira

Especialista do Senac Franca comenta sobre exigências do mercado de trabalho para carreira artística

Postado em: em Trabalho

Dados da 19ª edição da Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia apontam que, no Brasil, os gastos com entretenimento devem crescer 5,3% ao ano até 2022.

Entre os principais destaques do segmento, está o streaming, que cresce 9,4% ao ano no país. A era digital também pode ser um mercado em potencial para atores e atrizes, já que se torna um canal de distribuição artística de seu segmento profissional.

É o que afirma Nathália da Silva, docente da área de comunicação e artes do Senac Franca. “A internet possibilitou o avanço para além dos tablados teatrais e das novelas televisivas, chegando em canais virtuais, que possibilitam milhares de visualizações”, explica a docente.

Mas assim como em outras profissões, a dedicação do profissional e o investimento em conhecimento são fatores que farão a diferença no desenvolvimento e na atuação no mercado de trabalho, possibilitando a conquista da sustentabilidade financeira.

Foi o que aconteceu com Josiana Martins, de 27 anos, que cursou o Técnico em Teatro no Senac Franca. “Ainda durante o curso, participei de várias iniciativas para formar um grupo independente de atores na cidade. Foi então que eu e mais três alunos da minha turma criamos o Grupo de Teatro Corpo Negro, primeiro grupo teatral negro de Franca, que há três anos se apresenta profissionalmente por toda região. Atualmente, somos oito artistas, sendo que a maioria é formada no curso do Senac, e temos parte de nossas rendas familiares proveniente do teatro”, conta Josiana.

Elisa Nascimento, de 31 anos, também leva na bagagem uma história de conquistas no segmento. O interesse na área artística surgiu quando conheceu o psicodrama, técnica que reúne a psicologia, o teatro e a sociologia para expressar e resolver conflitos e emoções reprimidas. A partir daí, resolveu investir tempo para especializar-se no ramo teatral.

Por meio do Programa Senac de Gratuidade, ela cursou o Técnico em Teatro. Ao mesmo tempo, investiu em uma graduação em pedagogia. Quando terminou os estudos, em 2016, iniciou a caminhada profissional no segmento dando aulas em colégios e projetos sociais.

Hoje, Elisa trabalha com produções teatrais e ministra aulas de teatro no Instituto Arte e Vida, ensinando desde a iniciação teatral até a montagem de espetáculos.

Além disso, criou um grupo focado em dramaturgias femininas e participa de projetos na área em parceria com a prefeitura. “A arte proporcionou me desenvolver como pessoa e também como profissional. Toda minha articulação como professora e artista, assim como minha capacidade de lidar com pessoas e situações, foram aprimoradas por meio do curso de teatro. Além disso, conquistei trabalhos que me permitiram um positivo retorno financeiro, então consigo viver 100% do universo artístico”, diz Elisa. Ainda segundo ela, o cenário futuro para profissão é positivo. “Percebo que o segmento está começando a ter outro olhar das pessoas e que se multiplica de uma maneira muita rápida na cidade, fazendo a arte acontecer.”

Quem também desfruta dos ganhos profissionais do universo das artes cênicas é Marcela Marcucci, de 24 anos. Ela começou a se preparar com cursos de atuação para teatro aos 13, mas optou pela área como carreira ao prestar vestibular para História, Cinema, Artes Cênicas e Ciências Sociais. “Fui aprovada em todos, menos em artes cênicas, o que foi um balde de água fria. Mas conheci o curso Técnico em Teatro do Senac e decidi me profissionalizar no ramo”, conta.

Marcela, então, após a formação técnica, começou a trabalhar com produção, além de atuar. “O curso me permitiu ter contato com conteúdos que não conhecia e a experienciar práticas na área teatral. Hoje, sou produtora da Cia. 4 Pra Nada, em Ribeirão Preto, do Grupo de Teatro e Pesquisa Quarentena, em Franca, e membro do Coletivo Garrafa Verde, também de Franca, que é responsável pela gestão do Espaço Nulo, reconhecido recentemente como ponto de cultura. Ainda atuo em algumas frentes da produção dos grupos Cia. Teatro de Riscos, Cia. Teatral Boccaccione e Cia. Dita Cuja”.

Como conquista da carreira, em julho deste ano, Marcela foi para Portugal com a Cia. 4 Pra Nada, por meio da aprovação de um edital do Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo (ProAc). “Minha renda é praticamente toda da produção e busco me estabilizar financeiramente por meio dessa atuação. Sobre estudos na área, continuo minha dedicação, tenho feitos cursos de produção e gestão cultural”, diz a produtora e atriz.

Para a docente do Senac, “são histórias como essas que demonstram que há espaço no mercado para atores e atrizes e que existem oportunidades de atuação profissional na área a partir da dedicação e do empenho em tornar a carreira algo promissor”. Ainda de acordo com Nathália, a formação técnica é um dos degraus desse caminho.

Para os interessados em aprimorar o conhecimento no ramo, o Senac Franca está com inscrições abertas para nova turma do curso Técnico em Teatro. A formação capacita o aluno para atuar em teatro, cinema, televisão, empresas de vídeo, radiodifusão, bem com espaços não convencionais para apresentação de espetáculos. As aulas iniciam em 3 de setembro e as inscrições podem ser feitas pelo Portal Senac (www.sp.senac.br/franca) ou diretamente na unidade.

Serviço:

Técnico em Teatro

Data: 3 de setembro de 2019 a 21 de outubro de 2020

Horário: de segunda a quinta-feira, das 13h30 às 17 horas ou das 19 horas às 22h30

Local: Senac Franca

Endereço: Rua Alfredo Lopes Pinto, 1.345, Vila Teixeira – Franca/SP
Informações e inscrições: www.sp.senac.br/franca


Artigos Relacionados