35 novos casos de Covid: Franca bate recorde de registros em um único dia

Coincidentemente, no mesmo dia que o Governo do Estado regride Franca, a cidade bate o recorde de Covid-19

Postado em: em Saúde

​A Prefeitura Municipal de Franca divulgou o boletim sobre a situação do coronavírus no município.

Com dados da Vigilância Epidemiológica, as autoridades médicas informam o registro de mais 35 casos positivos da Covid-19, nesta sexta-feira (26).

Com os 35 novos casos, o total registrado em Franca chegou a 334.

Porém não houve nenhum óbito por Covid-19 nesta sexta-feira (25), permanecendo o número de mortos em 8.

O número de suspeitos baixou para 165, enquanto os registros negativos subiram para 631.

O número de pacientes recuperados subiu para 128. 

A taxa de ocupação de leitos subiu para 19% da capacidade disponível.

CIDADE MUDOU DE PATAMAR

Já há alguns dias, Franca não consegue reverter o número de casos. E mesmo médicos consultados pelo Jornal da Franca , dizem que não se trata de aumento na realização de testes.

É que a cidade não tem testes suficientes para todos e tem feito só em profissionais que atuam nas áreas de frente, como profissionais de saúde e policiais. Quando chega um caso suspeito, o município também faz o teste.

Junto com algumas cidades da região, que também estão registrando mais casos, as autoridades temem o retorno na faixa de classificação do Governo do Estado, o que pode piorar as condições econômicas da cidade.

FASE VERMELHA

Após anunciar que a região administrativa de Franca terá que retroceder em sua flexibilização diante da pandemia do Coronavirus, centenas de pessoas ficaram por entender os critérios adotados pelo governo sobre os números apresentados.

Primeiro porque a Região Administrativa de Franca tem algumas cidades que sequer tem casos confirmados, sendo Rifaina, Jeriquara, Ribeirão Corrente e Restinga. 

A ocupação de leitos está bem abaixo de enfermarias e UTI. E, ainda o hospital de Campanha (Hospital da Caridade) sequer teve qualquer leito ocupado.

Mesmo diante a situação, a Prefeitura não se manifestou sobre as providências a serem adotadas com o retrocesso a fase 1 (vermelha) do Plano de Ação de São Paulo.

 A taxa de ocupação de leitos subiu para 21% da capacidade disponível


Artigos Relacionados