28 de agosto

Postado em: - Atualizado em:

Roberto Ravagnani é palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor especialista em voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, da IPA Brasil e da AFINCO, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea, criador e gestor de eventos filantrópicos, porta voz pela ONU, Membro Hub One, Líder Internacional de Yoga do Riso, Conselheiro de Relações Sociais e Familiares do Instituto i. s. de desenvolvimento e sustentabilidade Humana e Diretor da rádio Tom Social. www.robertoravagnani.com.br

Esta é uma semana importante para quem gosta do tema, pois dia 28 de agosto é o dia nacional do voluntariado brasileiro e fico feliz em poder comemorar ou na verdade lembrar deste dia, que ainda não é muito comemorado, pelo menos da forma que deveria ser no meu entendimento.

Antes que eu esqueça e comece a escrever sem parar, felicito os voluntários e desejo saúde, muitas alegrias e aprendizados para todos e desejo profundamente que nunca desistam, não desanimem por mais obstáculos que o tempo traga no trabalho voluntario de vocês.

Feito isto volto a importância de se lembrar e comemorar esta data, pois é um momento de reforçar o carinho aos voluntários que estão na ativa e dar mais ferramentas para automotivação e fazer aquele chamamento bem feito para os que ainda não descobriram o trabalho voluntário.

Chamar pessoas para o trabalho voluntário deve ser uma tarefa feita com muito carinho, pois ao contrário do que se pensa este é um dos momentos mais importantes de todo o processo com o trabalhador voluntário. Você tem que explicar com detalhes a ação que será executada, apresentar a organização, restrições, horários e fundamental qual o resultado que o trabalho daquele voluntário trará a organização e ao público atendido.

Com isso as organizações correm o risco de ter voluntários mais engajados, mais presentes e permanentes, lembro que isto é só uma das etapas do processo, mas uma das mais importantes, pois tem muitos convites que são feitos de forma despreparada e frias, o que torna mais difícil conseguir bons candidatos. Por que estou falando de candidatos e não voluntários? Isto é uma outra história, as organizações no meu modo de entender o trabalho voluntário, deve ser bem convidado e bem selecionado, sei que tem gente que torce o nariz para isso, mas é o meu modo de ver o voluntariado. Felicidades aos voluntários de todo o Brasil e que prosperemos no número de voluntários.