10 técnicas para aumentar seu foco na reta final para o Enem e os vestibulares

Nessa fase, é comum que os estudante enfrentem dificuldades para encarar a pressão e concentrar no que importa

Postado em: em Educação

​Em plena semana do Enem e com a aproximação dos principais vestibulares do país, é comum que a ansiedade e a pressão dos estudantes aumente. 

Os estudos se intensificam e é difícil lidar com as tarefas sem perder a concentração e acabar cedendo à procrastinação e distrações. 

Adiar suas obrigações só irá gerar uma bola de neve de mais cobranças e sensação de culpa por não estar estudando o suficiente.

Por isso, é fundamental perceber o que é prioritário nesse momento e o que deve ser deixado de lado para focar no que realmente importa. 

Para te ajudar nessa tarefa, o Guia do Estudante separou 10 técnicas que podem ser aproveitadas nessa reta final, melhorando sua concentração e seu foco durante os estudos. 

Técnica Pomodoro 

Horas e horas de estudo podem resultar em uma forte exaustão e perda de foco. Para manter a concentração por mais tempo, uma técnica muito utilizada é a Pomodoro. 

Com ela, você divide suas atividades em ciclos: cinco minutos de intervalo para cada 25 minutos estudando. 

Após cada pausa, você consegue retomar suas tarefas com mais energia e produtividade. 

Respiração quadrada

No geral, exercícios de respiração são muito bem-vindos para desenvolver sua concentração. Eles são excelentes para diminuir os batimentos cardíacos, oxigenar o sangue e acalmar. 

Um técnica indicada pela master coach Lilian Carmo é a respiração quadrada, realizada em quatro etapas diferentes dedicando três segundos para cada uma: inspirar, “prender o ar”, expirar e “deixar o pulmão vazio”.

Repita o procedimento até se acalmar, retomar o controle da sua mente e conseguir voltar aos estudos.  

Mindfulness

Quando você está prestando vestibular, é comum se desconcentrar entre um exercício e outro, e pensar no futuro, no dia da prova, no momento que sai o resultado ou até em você exercendo a profissão que escolheu.

A prática do Mindfulness, ou “atenção plena”, tenta combater isso por meio da meditação, concentrando seus pensamentos no presente, na atividade que você está desenvolvendo naquele momento. 

Ou seja, a técnica é ideal para eliminar as distrações e ajudá-lo a manter o foco. 

Don’t break the chain

Sabe quando você tem diversas tarefas e ao resolver grande parte delas percebe que irá conseguir terminar tudo o que se propôs a fazer?

Lembra de, nesse momento, ter uma sensação de adrenalina e produtividade que o impulsionou ainda mais para fazer o que restava?

A técnica Don’t break the chain (não quebre a corrente, em tradução livre) usa essa sensação a seu favor, diminuindo a preguiça e aumentando seu foco. 

Pegue um calendário e escolha uma cor para marcar se conseguiu ou não terminar todas as atividades que queria fazer. 

Quando você conseguir assinalar alguns dias consecutivos de dever cumprido, seu cérebro vai se animar para “não quebrar essa corrente” e sua motivação estará em alta, facilitando a concentração.

Respiração alternada

Essa técnica é ideal para quando a ansiedade e o nervosismo por causa das provas ficam tão acentuados que você perde totalmente o foco. 

Fique sentado com a coluna ereta e tampe a narina direita. Inspire lentamente, contando até dez, e expire repetindo a técnica.

Depois, faça a mesma coisa tampando a narina esquerda. Faça essa sequência cerca de 10 vezes com cada narina ou até se acalmar para voltar aos estudos.

Alerta sonoro

Uma música instrumental ou sons da natureza (chuva, pássaros, etc) são ótimas maneiras de avisar o seu cérebro que chegou a hora de focar. 

Ao associar o estudo a um som, sua mente cria um hábito e isso se torna uma gatilho para quando você precisa se concentrar. Teste as possibilidades e veja o que funciona melhor para você.

Metacognição

Cada pessoa funciona de uma maneira e para tirar o melhor proveito das suas capacidades e limites é necessário se conhecer.

Quando você consegue pensar sobre seus próprios pensamentos, fica mais fácil controlá-los e concentrar no que realmente importa. O nome dessa ação é metacognição. 

Saber por quanto tempo você consegue se concentrar, quais matérias te deixam mais cansado e notar os quando está quase dispersando é essencial para saber qual a melhor hora do dia para estudar e como elaborar sua rotina.

Organização em todos os sentidos

Em primeiro lugar, é preciso que você esteja em um lugar livre de grandes distrações. 

Evite estudar perto de uma televisão ou de pessoas conversando, pois esses fatores podem chamar sua atenção. 

Além disso, é importante que sua mesa esteja organizada só com o necessário para o seu estudo. 

Outros detalhes, como a temperatura do ambiente, que deve estar amena, a sua postura e a iluminação também fazem toda a diferença.

Agora que o espaço está organizado é hora de cuidar da sua saúde mental. Nessa fase, as tarefas podem se acumular de tal forma que você nem saiba por onde começar.

Isso pode despertar sua ansiedade, trazer à tona um excesso de preocupações e, automaticamente, atrapalhar seus estudos. 

Tente fazer um cronograma, criar uma lista de prioridades e definir o tempo que irá dedicar para cada tarefa. Dessa forma, você terá uma sensação de controle maior, reduzindo a ansiedade e aumentando a produtividade.

Gatilhos mentais

Já teve algum momento em que você estava estudando concentrado e, de repente, um pensamento rápido sobre algo tirou totalmente o seu foco? 

Nesse momento, você esquece tudo o que estava fazendo e quando volta para a realidade 15 minutos se passaram. 

Quando isso acontecer, você pode criar algum estímulo que gere uma reação imediata e devolva seu foco. 

Estabeleça uma frase ou palavra que faça você recuperar a concentração, como “concentra” ou “você precisa estudar”. 

Pode parecer algo simples, mas se conseguir fazer disso um hábito, a palavra se tornará um gatilho que irá te ajudar a retomar o que estava fazendo.

Pequenas mudanças

Quando você estabelece uma rotina de estudos, é normal que, com o tempo, o tédio apareça. 

São muitas horas do seu dia dedicadas a uma atividade que demanda concentração e raciocínio. E, a partir do momento que isso tudo perde a graça, as chances de você dispersar aumentam.

Quando for montar seu cronograma, tente variar as disciplinas, o estilo de exercício, a dificuldade das questões ou estratégia que vai usar. 

Dessa forma, você afasta o tédio e aumenta sua motivação. Outra dica: que tal mudar o lugar onde você estuda? 

Se tem o costume de estudar no quarto, vá para a sala, um parque, uma biblioteca ou uma praça. 

Se não for possível, apenas mudar a mesa na qual você estuda de posição já fará diferença. O importante é apresentar uma mudança para o seu cérebro.




Artigos Relacionados