VAI UMA SERENATA AÍ ?

A vida dos músicos informais na quarentena

Postado em: - Atualizado em:

Peça de teatro “ Namoro 500 anos em 50 minutos” – Alunos da Escola Mário D´Elia 1997.

Nos tempos de quarentena, os músicos que tocam informalmente em bares, do dia pra noite ficaram sem o seu ganho.

Então me lembrei das serenatas, Franca principalmente era a terra dos seresteiros no início do século XX e foi até a metade do século ou um pouco mais.

Sugeri hoje a amigos músicos e também àqueles que tem contatos com a Câmara Municipal,  para que liberem o seresteiro, sem aglomerações, aquele seresteiro solitário ou acompanhado de um amigo cantor que vai às ruas alegrar as pessoas.

Lembro-me que quando eu era solteira ficava esperando chegar o dia do Aniversário de Franca porque saíamos à rua num grupo fazendo serenatas para algumas pessoas da cidade, especialmente os historiadores, para cantar o Hino da Franca, e algumas Valsas Francanas. Era uma festa!

Hoje, vendo a situação de guerra em que estamos vivendo, fico pensando nestes músicos, excelentes músicos que temos na cidade e em todo nosso país, que do dia pra noite ficaram sem o seu trabalho. Maravilhosos vídeos, lives no Facebook mostram seus talentos e penso que precisamos nos reinventar ou ainda quem sabe, resgatarmos o que era bom antigamente.

Estamos resgatando valores nesta quarentena, convívio familiar, cozinhando em casa, no meu caso, me reinventando na internet e também na cozinha e outras atividades do lar, resgatando os bons e antigos costumes simples.

Por que não resgatarmos as serenatas?

Penso que poderia ser liberado para estes músicos.

Hoje mesmo, um amigo que faz aniversário, eu queria lhe dar de presente uma serenata. Liguei para um músico, mas depois fui me informar como funciona e há necessidade de um alvará para se utilizar as calçadas da cidade.

Se não houver aglomeração, penso que poderiam ser liberadas as serenatas solitárias dos excelentes músicos, para homenagear alguém, como um presente de aniversário ou qualquer outro motivo.

Imagine um violino à sua janela ou no portão de sua casa soando lindamente. Um sax solitário fazendo soar lindas melodias, um violeiro, um violonista fazendo alguns solos.

Seria no mínimo acolhedor, um alento para este momento COVID19.

Vamos pensar nisso ?

Que tal os vereadores de todas as cidades liberarem o músico solitário que quiser e puder sair às ruas de manhã ou à tarde ou mesmo à noite para no máximo em duas pessoas fazerem seu trabalho, sim seu trabalho, porque vivem disso e precisam desse dinheiro para sobreviverem !

Fica o apelo de hoje ! Vamos resgatar as serenatas?