Uso de álcool antes de dirigir aumenta 16% nos últimos 10 anos no Brasil

Mesmo com a implementação da Lei Seca, 6,7% da população admite usar o carro depois de beber

Postado em: em Comportamento

De 2011 a 2017, o número de adultos que dirige depois de consumir bebida alcoólica subiu 16% em todo o Brasil. A informação é de um levantamento feito pelo Ministério da Saúde, que mostrou que 6,7% da população adulta admite que, mesmo tendo conhecimento dos perigos e da Lei Seca, já saiu dirigindo mesmo depois de ter ingerido bebido.

Os que mais cometem a infração misturando álcool e direção são os adultos entre 25 e 34 anos, correspondendo a 10,8%, e com maior escolaridade, 11,2%. Segundo a análise, os homens são os que se arriscam mais: 11,7% deles admitem o erro, contra 2,5% delas.

Os dados compõem a pesquisa Vigitel (Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas) realizada pelo Ministério da Saúde em 27 capitais entre fevereiro e dezembro de 2017. Para chegar ao resultado, foram entrevistadas 53.034 pessoas maiores de 18 anos por telefone.

Apesar de ter a limitação de ser autorrelatada, quando a pessoa precisa admitir a infração, a quantidade de casos ainda assim é alarmante, contando que a Lei Seca foi aprovada há dez anos e tinha, justamente, a função de inibir esse tipo de atitude. O aumento dos casos entre 2006, quando 15,7% dos entrevistados afirmaram consumir bebida alcoólica e dirigir, e 2017, quando este percentual foi para 19,1%, sofreu alta de 11,5%.

Recife foi a capital com menor frequência desse hábito, onde apenas 2,9% da população comete a infração. Já em Palmas a situação é mais grave e 16,1% dos entrevistados confessaram combinar bebida e direção, senda a capital com maior incidência.

Apesar de ser minoria, o número de mulheres que costumam ter essa atitude cresceu de 2006 (7,8%) para 2017 (12,2%). Os homens apresentaram estabilidade neste período, mas continuam sendo maioria no geral, com 27,1% em 2017.

A pesquisa mostrou também que, no mesmo período, em todas as faixas etárias é possível ver um aumento de casos, exceto os adultos mais jovens, entre 18 e 24 anos.

A escolaridade também foi um ponto questionado na entrevista e adultos com 12 ou mais anos de estudo foi o único perfil onde os casos aumentaram durante os dez anos.


Artigos Relacionados