Saiba o que pode ser feito para reverter a epidemia de hipertensão

Várias das medidas também se encaixam no dia a dia da população e dos hipertensos

Postado em: em Saúde

A pressão alta está presente na vida de um a cada quatro brasileiros, segundo pesquisa recente do Ministério da Saúde. Para reverter esse quadro e controlar melhor a doença, que leva à morte por problemas cardiovasculares, a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) divulgou uma série de orientações.

Chamado de “Call to Action” (chamado à ação, em tradução livre), o documento foi feito originalmente para os médicos e apresenta recomendações práticas a serem aplicadas no atendimento.

No entanto, várias das medidas também se encaixam no dia a dia da população e dos hipertensos. Afinal, para enfrentar esse problema, todo mundo precisa trabalhar em conjunto.

Saiba o que pode ser aplicado na rotina diária para reverter o problema:

- Dar prioridade à pressão arterial em todas as consultas clínicas

Em teoria, o doutor — de qualquer especialidade — deveria checar esse índice toda vez que entrar em contato com o paciente. E você pode cobrar por isso, tanto para fazer um diagnóstico precoce como para acompanhar a evolução da hipertensão, caso sofra com ela.

O uso de monitores validados pelo Inmetro para uma medida mais precisa também tem que ser incentivado.

- Checar a adesão ao tratamento

Faz parte da função do médico ajudar o paciente a tomar seus medicamentos direitinho. Converse com ele sobre as melhores formas de ajustar o tratamento ao seu dia a dia, além de checar como abandonar hábitos nocivos, a exemplo de fumar ou abusar de bebidas alcoólicas.

- Envolver outros profissionais

Um dos pontos mais enfatizados pela SBH é o trabalho em equipe. Com a ajuda de profissionais não-médicos, como enfermeiros e agentes da saúde, é possível controlar melhor a enfermidade e aperfeiçoar os cuidados com quem está doente.

- Empoderar pacientes

Para domar a pressão, o hipertenso precisa conhecer sua condição com detalhes e participar ativamente das decisões a respeito do tratamento. Nesse sentido, vale incentivá-lo a:

- Seguir um estilo de vida saudável

- Ter a pressão medida regularmente e entender o significado dos números

- Criar uma rotina e monitorar a medicação

- Manter-se conectado com os profissionais de saúde, inclusive por meio de tecnologias, se for o caso

- Participar de redes de apoio — estratégia que até melhora a eficácia do tratamento

- Apoiar políticas e projetos de combate à doença

Os médicos e todos nós devemos defender políticas públicas que assegurem o acesso a métodos de diagnóstico e acompanhamento do quadro, além de remédios de boa qualidade. Outra medida é defender projetos de incentivo a dietas saudáveis, prática de atividade física e outros hábitos saudáveis.


Artigos Relacionados