Rodrygo comemora tempo livre para treinos e foge de catimba de uruguaios

Apesar da pouca idade, o Menino da Vila já vem adquirindo muita vivência nesta temporada

Postado em: em Futebol

Com a classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista garantida desde o último dia 4, o técnico Jair Ventura optou por poupar alguns jogadores do Santos FC no duelo contra o São Bento, no último domingo (11), na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos do torneio estadual. 

Os atletas não relacionados para o embate com o time do interior passaram o fim de semana treinando no CT Rei Pelé, visando o confronto com o Nacional-URU, na próxima quinta-feira (15), às 19h15, no Pacaembu, pela segunda rodada da Conmebol Libertadores.

O atacante Rodrygo, que não entrou em campo no último domingo, comemorou o tempo livre para o técnico Jair Ventura treinar o elenco antes do jogo contra os uruguaios.

“Foi muito bom ter esse descanso de jogos para apenas treinar. Fazia um tempo que a gente não conseguia fazer um treino mais tático, posicionando bem a equipe, já que nós viajamos muito nas últimas semanas, né!? Foi um jogo atrás do outro, com uma viagem muito cansativa para o Peru. Agora o professor está conseguindo preparar bem a equipe para a Libertadores, pois será um confronto muito difícil e precisamos estar prontos”, afirmou o jovem de 17 anos.

E apesar da pouca idade, o Menino da Vila já vem adquirindo muita vivência nesta temporada. Afinal, após entrar em campo contra o Real Garcilaso, no dia 1º de março, em Cusco, no Peru, ele se tornou o atleta mais jovem a atuar pelo Peixe na Conmebol Libertadores.

Com mais experiência na bagagem, Rodrygo não demonstrou preocupação com a famosa catimba dos rivais e pensa apenas em ajudar o Santos FC a sair do gramado com a vitória.

“Eu já assisti muitas vezes os uruguaios pela televisão jogando contra o Santos. Olhando a catimba deles pela TV eu até ficava nervoso em casa, mas não tem porquê ficar nervoso dentro de campo. Deixa isso de catimba para eles, aqui nós só vamos jogar bola”, concluiu o Menino da Vila.


Artigos Relacionados