Resultados dos exames do Cremesp mostram mais de 60% de aprovados

Os resultados da avaliação foram apresentados em coletiva de imprensa, na sede do Conselho

Postado em: em Saúde

Os resultados do Exame do Cremesp 2017 foram apresentados em coletiva de imprensa, realizada na sede do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). 

Os jornalistas foram recepcionados pelo presidente do Cremesp, Lavínio Nilton Camarim, pelo vice-presidente, Renato Françoso Filho, e pelos coordenadores do Exame, o 1o secretário, Bráulio Luna Filho, e o conselheiro Reinaldo Ayer de Oliveira, que também apresentaram os dados do Exame e responderam aos questionamentos da imprensa.

Resultados do Exame do Cremesp 2017 apontam que mais da metade dos recém-formados em escolas médicas do Estado de São Paulo foi aprovada na avaliação. 

Nos últimos dez anos, é a primeira vez em que os resultados apontam mais de 60% de aprovação. De um total de 2.636 egressos de cursos de Medicina que participaram do Exame, em 2017, 64,6% – ou 1.702 – acertaram mais de 60% das 120 questões da prova, porcentagem que o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) considera mínima para a aprovação. 

Os outros 35,4% - ou 934 participantes - acertaram menos de 60% das questões.

Em comparação ao Exame de 2016, houve melhora no desempenho dos novos médicos. O índice de aprovação deste ano foi 21% maior do que os 43,6% registrados em 2016. 

Desde o início do Exame, há 13 anos, as escolas participantes recebem um relatório pormenorizado de desempenho de seus alunos por área de conhecimento – preservando-se a identidade dos mesmos – para que possam ter subsídios para corrigir falhas ou aprimorar os cursos avaliados. 

Também recebem o relatório os ministérios da Educação e da Saúde, o Conselho Federal de Medicina, a Câmara dos Deputados, o Senado Federal, o Ministério Público e os Conselhos Nacionais de Saúde e de Educação, entre outros órgãos.

Confira o relatório completo do Exame do Cremesp 2017 aqui

Para Bráulio Luna Filho, 1º secretário do Cremesp e coordenador do Exame, a melhora pode estar relacionada à importância que a prova vem ganhando no Estado de São Paulo nos últimos anos. 

A partir de 2015, a participação no Exame do Cremesp começou contar como critério para importantes programas de Residência Médica, concurso público e, ainda, para contratação de médicos no setor privado.

“Além disso, desde o início do Exame, há 13 anos, as escolas participantes recebem um relatório pormenorizado de desempenho de seus alunos por área de conhecimento – preservando-se a identidade dos mesmos – para que possam ter subsídios para corrigir falhas ou aprimorar os cursos avaliados”, analisou Luna Filho. 

“Em 2017, tivemos pela primeira vez, um simulado para os participantes se familiarizarem previamente com o modelo de prova, o que também pode ter contribuído para o crescimento da aprovação”, completou.

“O Exame do Cremesp é uma importante ferramenta para que os recém-formados testem seu conhecimento, para que as escolas possam ter parâmetros de desempenho por áreas, e, também, para garantir uma Medicina de qualidade para a população assistida”, destacou Lavínio Nilton Camarim, presidente do Cremesp.

“O crescimento na aprovação sinaliza que os colegas recém-formados estão se preparando melhor e dando maior importância à prova, assim como, demonstra a real necessidade de uma avaliação sistemática e obrigatória”, destacou Camarim.

Prova

A 13ª edição do Exame do Cremesp foi realizada no dia 22 de outubro de 2017 nos municípios de Botucatu, Campinas, Marília, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São Carlos, São José do Rio Preto, São Paulo e Taubaté. 

Aplicada pela Fundação Carlos Chagas (FCC) e composta por 120 questões de múltipla escolha, a prova - com duração de até cinco horas - abrangeu as seguintes áreas: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Pediatria, Ginecologia, Obstetrícia, Saúde Pública, Epidemiologia, Saúde Mental, Bioética e Ciências Básicas.

Para ser aprovado, o candidato deveria responder corretamente a 72 questões, o que corresponde a um percentual de acertos de 60%. 

Os critérios e a metodologia foram os mesmos utilizados e validados nos exames anteriores. 

Realizada desde 2005, a avaliação tornou-se um instrumento cognitivo com confiabilidade, o que é comprovado, a cada ano, por dados quantitativos e qualitativos, relatórios detalhados, análises psicométricas e similaridades dos resultados, quando se analisa a série histórica.


Artigos Relacionados