​“Projeto Luz” da Santa Casa de Franca capta 34 córneas só em janeiro

Atualmente, a fila para o transplante é estadual e única tendo um tempo de espera de quatro meses

Postado em: em Saúde

A Comissão de Transplantes da Santa Casa de Franca mantém um trabalho contínuo junto às famílias de potenciais doadores de órgãos, no intuito de informar e conscientizar estas pessoas sobre a importância do ato de autorizar a doação, salvando assim inúmeras vidas de pacientes que necessitam de transplantes.

O Projeto Luz é voltado especificamente para a captação de córneas – e no último mês de janeiro, a equipe da Comissão de Transplantes abordou 17 famílias, conseguindo autorização e captação efetiva de 34 córneas.

Duas das integrantes desta equipe que foram entrevistadas - Nanci e Eliane - explicam que existe um complexo protocolo técnico para a captação do órgão, justamente para manter sua qualidade, possibilitando um transporte seguro e que mantenha sua integridade física até o momento do implante no paciente receptor. Elas ainda explicam que a doação beneficia mais de um paciente, uma vez que este nunca recebe duas córneas de um mesmo doador.

As córneas captadas pela Santa Casa de Franca são encaminhadas para o Banco de Olhos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto.

"A Santa Casa de Franca é um importante centro de captação de córneas e realiza este trabalho com muita competência técnica e humana, enviando um número expressivo de órgãos com extrema qualidade, devido ao cuidado com que as técnicas cirúrgicas são executadas”, disse a coordenadora daquela unidade, Érica Urias dos Reis Oliveira.

a fila para o transplante é estadual e única tendo um tempo de espera de aproximadamente 4 meses, sendo que trabalhos como o do Projeto Luz contribuem muito para esta performance.

Segundo a ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos), de janeiro a setembro de 2017 foram transplantados 142 pacientes pediátricos e 3.048 pacientes adultos.

A Comissão de Transplantes da Santa Casa de Franca é coordenada pelo médico Dr. Marcelo de Paula Lima e a pela enfermeira Ana Carolina Botto Paulino – atuando com uma equipe multi profissional altamente especializada, que engloba profissionais médicos, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros, fisioterapeutas, entre outros.

E todos estes profissionais agradecem, em nome dos pacientes beneficiados, o ato de amor das famílias dos doadores, pois ao autorizarem a doação, permitem que seus entes queridos colaborem um pouco mais com vida de outros seres humanos – lembrando a todos que, o mais importante é conversar com seus familiares e expressar seu desejo de ser um doador de órgãos.


Artigos Relacionados