Projeto dos fiscais vai ser votado na próxima terça para "salvar" o prefeito

Gilson de Souza se comprometeu com o Ministério Público a fiscalizar ambulantes até janeiro

Postado em: em Política

​O prefeito Gilson de Souza (DEM) estará nas mãos da Câmara Municipal na próxima terça-feira. Os vereadores vão votar projeto de lei que permitirá a fiscais sanitários fazer a fiscalização de vendedores ambulantes nas ruas de Franca. 

Caso o projeto seja rejeitado, o que dificilmente acontecerá, Gilson não terá tempo hábil para cumprir o Termo de Ajuste de Conduta firmado com o Ministério Público de que até o dia seis de janeiro a fiscalização dos ambulantes, parada desde o ano passado, será retomada.

Trata-se de uma solução caseira para resolver a questão da falta de fiscalização dos ambulantes. Isso porque o município precisa da fiscalização para acabar com a ação descontrolada dos mesmos e os fiscais sanitários querem fazer o serviço, mediante compensação financeira.

Tem tudo para dar certo, só basta que os vereadores aprovem o "bem bolado". Essa possibilidade foi levantada com enorme antecedência, no mês de maio, pelo Jornal da Franca, quando um dos fiscais sanitários, André Szabo, procurou o prefeito e sugeriu a adequação das atribuições dos profissionais. 

O projeto prevê a mudança de nível salarial, promovendo a equiparação do grupo, composto por seis fiscais na ativa, com as outras classes de fiscais, os de Obras e Posturas, Rendas Auxiliar e de Tributos.

Se na época que as denúncias de falta de fiscalização na cidade começaram a pipocar, entre abril e maio, o prefeito já tivesse apresentado a mesma proposta à Câmara, certamente o problema já estaria resolvido.

Uma demora que pode custar muito politicamente a Gilson, que tem sido criticado pela imprensa e nas redes sociais, arranhando sua imagem de homem público.


Artigos Relacionados