Pesquisa diz que seus sonhos podem ajudar a aliviar a ansiedade: veja

As pessoas que tinham mais pesadelos eram melhores para controlar suas emoções relativas à ansiedade

Postado em: em Comportamento

Os sonhos são misteriosos, ilusórios. Acredita-se que temos de quatro a seis deles todas as noites.

E dos sonhos desagradáveis, quase pesadelos, aos não tão desagradáveis, novas pesquisas dizem que sonhar pode realmente ter uma função importante quando o despertador dispara.

Depois de analisar os sonhos dos participantes de um novo estudo, os pesquisadores descobriram que os participantes que tinham mais pesadelos eram melhores para controlar suas emoções relativas ao medo.

Seu cérebro em sonhos

A pesquisa para este estudo foi uma colaboração entre a Universidade de Geneve (UNIGE), os hospitais universitários de Genebra e a Universidade de Wisconsin .

Observando as varreduras do cérebro dos participantes enquanto sonhavam, perguntando se seus sonhos eram assustadores, os pesquisadores conseguiram mapear quais partes do cérebro reagiram ao medo enquanto sonhavam. 

E, além do mais, essas mesmas partes do cérebro disparam quando estamos acordados também.

"Ao analisar a atividade cerebral com base nas respostas dos participantes, identificamos duas regiões cerebrais implicadas na indução do medo experimentado durante o sonho: a ínsula e o córtex cingulado", diz Lampros Perogamvros, pesquisador do Laboratório de Sono e Cognição da UNIGE e o professor clínico sênior do Laboratório de Sono do HUG. 

"Pela primeira vez", diz ele, "identificamos os correlatos neurais do medo quando sonhamos e observamos que regiões semelhantes são ativadas ao sentir medo nos estados de sono e vigília".

Como os sonhos ajudam a ansiedade

O próximo passo da pesquisa foi analisar como o cérebro reagiu ao medo em relação aos sonhos das pessoas pesquisadas. 

Após uma semana gravando seus sonhos, os participantes receberam imagens negativas e neutras enquanto estavam dentro de uma máquina de ressonância magnética.

"Descobrimos que quanto mais alguém sentia medo em seus sonhos, menos ínsula, cingulado e amígdala eram ativados quando a mesma pessoa olhava para as imagens negativas", diz Virginie Sterpenich , pesquisadora do Departamento de Neurociências Básicas da UNIGE. 

"Além disso, a atividade no córtex pré-frontal medial, que é conhecido por inibir a amígdala em caso de medo, aumentou proporcionalmente ao número de sonhos assustadores"

Essas descobertas sugerem que o sonho realmente preparou os sujeitos para o estresse da vida real e, quanto piores os sonhos, melhor o cérebro lidou com o medo enquanto estava acordado.

"Os sonhos podem ser considerados", observa Perogamvros, "como um treinamento real para nossas reações futuras e podem, potencialmente, nos preparar para enfrentar os perigos da vida real".

Agora, o pesquisador está analisando a possibilidade da terapia dos sonhos para o tratamento de transtornos de ansiedade. 

Embora as descobertas ainda sejam novas, elas são promissoras o suficiente para que a equipe continue estudando as emoções relacionadas aos sonhos e como o sono e o sonho afetam a ansiedade.


Artigos Relacionados