Morre José Eurípedes de Oliveira Ramos, nome que ajudou a construir Franca

De uma inteligência rara, Joca foi Secretário de Educação, vereador e teve uma rica história em Franca

Postado em: - Atualizado em: em Política


​Faleceu hoje em Franca um homem que colocou seu nome na história, por ser um intelectual multifacetado. 

José Eurípedes de Oliveira Ramos era colaborador da revista Enfoque desde o seu início e mais recentemente foi colaborador do www.jornaldafranca.com.br, onde escrevia a coluna Miragem

Ainda no dia 20 de março deste ano, Joca enviou um e-mail para o diretor Cesar Colleti e para a editora-chefe Fernanda Ribeiro, dizendo: “Caríssimos amigos Cesar e Fernanda. Ocorrências e acontecimentos inesperados trouxeram-me graves situações de saúde. Desde dezembro estou em tratamento de moléstias então existentes e outras que surgiram repentina e fortemente. Estou em tratamento diário (dois dias em casa, dois dias em hospitais) no Hospital do Câncer, no Regional, na Unimed... Essas explicações é para me desculpar com os amigos, pela minha indesejada ausência de condições até físicas: dores contínuas em todo o corpo, impedindo até a liberdade de movimentação dentro de casa (banhos, ir de um cômodo a outro etc). Espero sobreviver, para ainda desfrutar da companhia de vocês. Obrigado. Joca”.

Ainda recentemente, o desembargador Elcio Trujillo, que foi juiz de Direito em Franca, e grande amigo de Joca, enviou uma mensagem ao diretor do Jornal da Franca, dizendo da gravidade do estado de saúde de Joca e que tinha aproveitado um final de semana em Franca para lhe fazer uma visita.

A notícia de sua morte pegou a todos de surpresa. A família comunicou que o velório começará às 21 horas na sala 01 do Velório São Vicente, com sepultamento amanhã, às 16h, no Cemitério Jardim das Oliveiras

Quem foi Joca

Membro fundador da Academia Francana de Letras e seu grande dinamizador, José Eurípedes de Oliveira Ramos, popularmente conhecido como Joca, 80 anos, foi um homem com muitas histórias para contar. 

Notável membro da Academia Francana de Letras, cartorário de carreira, advogado, professor universitário, ex-vereador e ex-assessor de prefeitos, participante ativo de tantas entidades francanas, de variadas finalidades. 

Esse pode ser um resumo rápido da trajetória de Joca.

A busca por conhecimentos sempre refletiu a inquietude de seu espírito investigativo, movido pela força de admirável talento e da inteligência.

“Sou curioso e inquieto”, confessava.

Nos estudos nem se fala! Dedicado, buscou conhecimentos extremos como aprender Esperanto e Francês, até conhecer as leis da Física e fundamentos da Eletrônica, com direito a curso de Busca e Salvamento na Selva, incluindo a prática do paraquedismo, ministrado por especialistas da Aeronáutica. 

Além disso, Joca foi piloto civil e rádio-amador desde 1963.

Muitas formações

Sua formação universitária é em Direito e Administração, sua formação técnica é em Música e Processamento de Dados. 

Diversas pós-graduações fizeram parte de seu currículo, como: Administração do Ensino, feita no Ibam/Miniplan, no Rio de Janeiro, Direito Administrativo, feita na Puc, em São Paulo, Administração Pública na Ebap/GV no Rio de Janeiro e Análise de Sistemas, na Unifran.

As atividades que Joca exerceu durante a vida profissional tiveram início dentro de um cartório, dedicando vários anos a serviço da Justiça como cartorário. 

Participou da Administração Municipal de Franca, na assessoria dos prefeitos Flávio Rocha, José Lancha Filho, Sidnei Franco da Rocha e Ary Pedro Balieiro.

Exerceu os cargos de Coordenador Administrativo, Coordenador Legislativo, Chefe de Gabinete, Secretário de Governo, Secretário de Educação e Cultura, Coordenador Regional do Projeto Rondon, Coordenador Regional do Mobral e Procurador, como funcionário efetivo, no qual se aposentou.

Como Secretário de Educação, implantou e desenvolveu, entre outros: a instalação da Biblioteca Pública Municipal; criação da Pinacoteca Municipal. 

Também foi Vereador na legislatura 1973/1976.

Intelectual e eclético

Durante muitos anos Joca praticou redação nos jornais “Comércio da Franca” e no “Diário da Franca”, lecionou por mais de 20 anos no ensino médio e universitário em Franca e Ribeirão Preto, rendendo-lhe algumas obras como: “Comentários à Lei Orgânica do Estado de São Paulo”, “Macroeconomia. As contas nacionais”, “Direito Administrativo”, “Retalhos” (conto e crônica). 

Joca também foi um dos fundadores da APAE e do Rotary Club Franca Norte, instituições que desenvolvem trabalhos muito respeitados.

Depois de aposentado, dedicava-se à música e à pesquisa histórica. 

Sempre foi membro da ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores em História, do CBG - Colégio Brasileiro de Genealogia, da Academia Francana de Música Erudita e da Academia Francana de Letras, que presidiu de janeiro 2003 a janeiro de 2007.

Joca foi casado com Regina Maria de Andrade Ramos, licenciada em Letras e bacharel em Direito. Extremamente amoroso, nos últimos anos Joca tinha praticamente renunciado à sua vida para cuidar da esposa, que também sofria problemas de saúde.

Foi pai amoroso dos advogados Guilherme Luís Andrade de Oliveira Ramos, e Luciana Figueiredo Andrade de Oliveira Ramos e da professora universitária Liliana Figueiredo Andrade de Oliveira Ramos. 

Excêntrico e incansável Joca foi uma figura popular, que se sentiu realizado pelas amizades que cultivou em sua trajetória.


Artigos Relacionados