Maternidade: Fertilização in vitro cresce 23,3% em 2018 no estado de São Paulo

Dados do relatório SisEmbrio da Anvisa mostram que o estado é o que registrou maior crescimento no Brasil

Postado em: em Saúde

Dados inéditos da Anvisa divulgados nesta quarta-feira (17) mostram que o número de fertilizações in vitro (FIV) cresceu 23,3% no estado de São Paulo em 2018. No ano passado foram realizados 20.170 ciclos de fertilização ante 16.357 em 2017. O crescimento registrado no estado é maior do que o do Brasil, que teve aumento de 18,7%.

“Sabemos que Ribeirão Preto tem um peso importante nesses dados porque o município está entre aqueles com o maior número de fertilizações no estado, ao lado da capital e de Campinas”, explica o médico Anderson Melo, especialista em reprodução humana assistida do CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto.

Segundo o relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio), o estado de São Paulo foi o que mais realizou ciclos em 2018 no Brasil. As fertilizações realizadas no estado representam 46,8% do total do país. Em segundo e terceiro lugares, respectivamente, ficaram os estados de Minas Gerais (4.221) e Rio de Janeiro (3.959).

O documento aponta também que, em 2018, foram congelados 88.776 embriões para uso em técnicas de reprodução humana assistida, 13,5% a mais do que em 2017 (78.216).  Mais uma vez, São Paulo aparece no topo da lista, com 38.496 embriões congelados, seguido de Minas Gerais (10.554) e Rio Grande do Sul (7.016).

A pesquisa completa está disponível no site da Anvisa.

Fertilização in vitro

A FIV é um procedimento de reprodução humana em que o embrião é formado no laboratório a partir da fecundação do óvulo pelo espermatozoide. Após a fertilização, este embrião é transferido para a cavidade uterina da mulher, onde irá se implantar para dar sequência à gravidez.

Ela é indicada para tratar a infertilidade por fatores diversos como idade avançada da mulher, baixa reserva ovariana, espermograma alterado, produções independentes, para casais homoafetivos, endometriose, entre outros.


Artigos Relacionados