Maria Ângela Pires volta com as aulas online de piano, na segunda, dia 10

Segundo a professora, as aulas online instigam aluno e família neste novo formato de independência

Postado em: em Educação

A professora Maria Ângela Pires volta no dia 10 de agosto com as aulas online de piano, um formato que veio para ficar, como ela mesma explica. 

As aulas online instigam aluno e família neste novo formato de independência.

Segundo Maria Ângela Pires, o piano é por si só um instrumento solitário. "O aluno estuda sozinho, com as devidas orientações de seu professor, mas é um instrumento geralmente solitário, especialmente se fizer o curso clássico. Para quem deseja autoconhecimento é um prato cheio. É você e o instrumento, o instrumento e você"..

Vários professores de piano acostumados com as aulas presenciais, experimentam agora a novidade de conhecer melhor seu aluno dentro de seu local de estudos: quais as interferências sonoras que ele sofre enquanto estuda (e isso interfere na concentração), qual é o movimento da casa enquanto ele está estudando ou tendo aulas online (que também o desvia do foco), como está sua banqueta do piano, se está alta ou baixa, confortável ou não, macia ou dura, longe ou perto. A iluminação na partitura se está satisfatória .

Além destes detalhes, a relação do aluno consigo mesmo vai ter um maior envolvimento, pois ele precisa gravar seus estudos muitas vezes, fazer auto-análise, aprender a ver o melhor ângulo, avaliar sua performance. É um excelente trabalho de aprendizado na informática e também olhar para si, o que muitas vezes o aluno espera que o professor faça na totalidade. Agora, esta observação de si mesmo foi intensificada. 

"Na aula presencial, o aluno chegava mais cedo, fazia seu aquecimento no piano de estudos e depois tinha aula. Agora, a responsabilidade pelo aquecimento está em suas mãos, para não ligar a vídeo chamada em cima da hora e não estar preparado", diz a professora. 

Vários são os pontos positivos da aula online, mas o que fica muito forte é o desenvolvimento da responsabilidade, do compromisso, da auto-análise. 

Antes, o aluno tocava e esperava as correções do professor, agora continua assim, mas para ele gravar e enviar terá que ele mesmo perceber vários pontos que foram elencados pelo professor para ser estudado na semana.

Maria Ângela diz que "alguns entram logo no jeito novo, outros demoram um pouco mais e alguns chegam a desistir porque enfrentar a si mesmo e andar com as próprias pernas em alguns momentos (informática por exemplo) se torna obstáculo".

Cabe a todos os envolvidos, família, professor e aluno, entenderem que tudo o que é novo tem novos desafios a serem superados e que só temos a ganhar com isso.


Artigos Relacionados