IAC desenvolve cafés que são mais resistentes à ferrugem em Campinas

Instituto Agronômico de Campinas desenvolve grãos mais resistentes e com ganhos de até 70% na produção

Postado em: em Agronegócios

Pesquisadores do Instituto Agronômico de Campinas (IAC) desenvolveram três cultivares de café mais resistentes com ganhos na produtividade que variam de 35% a 70%. A novidade substitui os cafés mais tradicionais plantados em aproximadamente 90% dos cafezais do país, e já está sendo cultivada em Minas Gerais e São Paulo.

As cultivares de café arábica foram obtidas por meio de melhoramento genético. IAC Catuaí SH3, IAC Obatã 4739 e IAC 125 RN têm resistência ou tolerância à ferrugem-da-folha, principal doença que afeta as plantações de café.

Segundo Júlio César Mistro, que faz parte da Equipe do Centro de Café da área de melhoramento genético do Instituto, o custo para controlar a ferrugem para os produtores é em torno de 8% de uma saca de café. 

A alta resistência também viabiliza o plantio orgânico, que torna possível ganhos ainda maiores para os produtores, já que, segundo o pesquisador, o valor da saca triplica.

Apesar da redução no custo, Mistro afirma que isso não significa um barateamento do produto para o consumidor final. Segundo ele, preço do café é em função da oferta e demanda, e não em função do custo de produção.

Pesquisa longa

A pesquisa é resultado de, pelo menos, 35 anos de estudos - tempo necessário para se desenvolver novas cultivares de café, segundo o Instituto.

As cultivares já estão em produção no cerrado mineiro e na região leste de São Paulo.

Outros benefícios

Além da resistência à doença, duas das novas cultivares oferecem mais benefícios à produção. A IAC Catuaí SH3, por exemplo, é menos dependente de irrigação, ou seja, se adapta melhor a regiões mais secas.

Já a cultivar IAC 125 RN é tolerante à nematóide Meloydone exigua, uma praga que ocorre na raiz e causa severos prejuízos à plantação, segundo Mistro.

A IAC Obatã 4739, tolerante à ferrugem, tem maturação média para tardia.

As três também têm porte baixo, não passam de 2,20 m de altura, o que facilita a colheita, manual ou mecânica.

Mistro disse, ainda, que as novas cultivares precisam de manejo diferente no plantio, pois são mais exigentes com relação à adubação e devem ser plantadas com menor espaçamento entre elas. A poda tem que ser feita mais cedo do que nas cultivares tradicionais, usadas até então, Catuaí e Mundo Novo.


Artigos Relacionados