EM TEMPOS DE VOTAÇÃO...

Postado em:

Politico é esquisito,

            danado “pra” falar bonito,

            mas, não dispensa um grito,

            quando lhe some a razão.

            E já no aperto de mão,

            deixa clara a mensagem,

            de vender bem a imagem,

            de cidadão bem honesto

            Tem do tipo que contesta.

            Pra este ninguém presta.

            Tem até aquele que faz festa,

            pra garantir a eleição.

            Mas, tem o tipo simplão,

            na camisa falta botão.

            Faz o humilde e chorão,

            manhoso em cada gesto.

            Político brasileiro,

            honesto ou fuleiro.

            Gosta mesmo é de dinheiro.

            Se tem alguma exceção,

            de gente de reputação.

            É incapaz de governar,

            pois, se incomodar,

            logo lhe dão sumiço.

            Tem político cara de pau,

            este é patrimonial,

            só tem no ano eleitoral.

            Tem político modinha,

            diz que adora coxinha,

             que seu lugar é com o povo,

            come até pão velho com ovo

            e visita cortiço.

            Tem do tipo militar,

            com conduta exemplar.

            Que promete disciplinar.

            Diz que mata até o capeta,

            que, com a ponta da caneta.

            Ele faz nossa segurança.

            Se precisar beija criança,

            se for pra sair bem na foto

            tem do tipo que nada fez,

            mas, garante que agora faz,

            e que se for olhar pra trás,

            entraremos em retrocesso.

            Que a marcha do progresso,

            é seguir sempre em frente.

            Tem até quem se diz crente,

            fiel e muito devoto.

            Tem o tipo bandido.

            deixa o povo iludido,

            está todo envolvido,

            em bandidagem imensa.

            Mas, culpa a imprensa.

            Que o caso é perseguição,

            que é exemplo de cidadão,

            que ficou rico trabalhando.

            Este poema é um clamor,

            pedindo pelo amor,

            para que, você, eleitor.

            Eleja com cuidado.

            Quem vai gerir o estado.

            Tem politico de verdade.

            Mas com tanta falsidade.

            Estamos todos atados.


*Essa coluna é semanal e atualizada às quartas-feiras.