Criolipólise de contraste pode reduzir até 45% de gordura localizada

Procedimento reduz gordura corporal através de congelamento da mesma - nova técnica promete maior eficácia

Postado em: em Beleza

Um dos objetivos mais comuns de quem procura clínicas de estética é o tratamento de gorduras localizadas e redução de medidas corporais. A criolipólise é um dos tratamentos mais procurados para tal objetivo, pois possibilita uma eliminação de 20% a 30% de gordura localizada a cada sessão, dependendo da região do corpo e da quantidade de adipócitos presentes. Por isso, a técnica pode ser comparada a uma lipoescultura, mas sem cirurgia. A criolipólise funciona por meio do congelamento da gordura. Recentemente, a ciência estética desenvolveu um novo método, a criolipólise de contraste, que oferece a possibilidade de eliminação de até 45% das células de gordura, em apenas uma sessão.

Esse congelamento da gordura, que gera a morte pela autodestruição celular ordenada – ou apoptose (morte programada) – é gerado pela exposição prolongada a temperaturas baixas. Os aparelhos de criolipólise possuem uma ponteira que suga a gordura localizada a vácuo, resfriando as regiões que se deseja tratar. As temperaturas são abaixo da média corporal, mas não são extremas, o que evita ulcerações por congelamento.

Criolipólise: Método mais avançado

A criolipólise de contraste representa uma evolução nesse tratamento, apresentando um tratamento mais eficiente. A partir de uma tecnologia que conjuga aquecimento e congelamento, a criolipólise de contraste realiza um pré-aquecimento controlado, preparando a parte do corpo a ser tratada, antes do resfriamento e diluição das células de gordura. Depois do tratamento, é feita uma espécie de reperfusão, que é um reaquecimento da região, normalizando a circulação do sangue na área para aumentar a eficácia do procedimento, melhorando a regeneração. A criolipólise de contraste também tem a vantagem de ser indolor, já que a criolipólise tradicional gera um pequeno desconforto por conta das baixas temperaturas.


Artigos Relacionados