Covid-19: 45% dos casos estão entre 30 a 59 anos; Idosos têm 93% das mortes

Faixa etária mais nova só representa 6% das mortes provocadas pela doença, segundo Ministério da Saúde

Postado em: em Saúde

Dados parciais do Ministério da Saúde apontam que 45% dos casos de Covid-19 que precisaram de hospitalização no Brasil foram de pessoas de 30 a 59 anos. Contudo, essa faixa etária só representa 6% das mortes provocadas pela doença.

Enquanto isso, as pessoas de 60 a 99 anos representam, aproximadamente, 50% dos casos internados. Os idosos concentram 93% dos óbitos no país. 

Esses dados por faixa etária são parciais, pois não incluem as mortes mais recentes. O balanço é sobre as 59 primeiras mortes por coronavírus, e o Brasil já ultrapassou esse número.

Segundo o infectologista Gabriel Serrano, as pessoas abaixo de 60 anos alcançaram 45% dos casos mais graves porque são maioria na sociedade.

“Quanto mais velho, mais fácil de apresentar sintomas. É tanto que a gente tem uma taxa de mortalidade acima de 80 anos de 15%; acima de 70 anos, 7,5%; acima de 60 anos vai para quase 4%. Ou seja, é mais fácil alguém mais velho ter a Covid-19, que é a doença. Mas a infecção é mais fácil alguém mais jovem, inclusive por ele estar mais em contato. É mais fácil ver alguém mais jovem trabalhando, nos profissionais de saúde, nos sistemas que ainda estão funcionando”.

O especialista destaca que, apesar de ter uma menor taxa de mortalidade, o jovem corre algum risco, principalmente se tiver alguma doença preexistente.

“Existe um risco de quem tem alguma comorbidade: jovens que são diabéticos, hipertensos, asmáticos. Eles precisam se afastar de suas atividades pois têm risco maior de mortalidade. Além disso, mesmo que você não morra, está sendo responsável diretamente pela morte de alguém. Você pode até ter uma chance muito pequena de morrer, e isso não significa que se você não teve sintoma, a pessoa para quem você vai passar também não vai ter”.

Segundo os dados parciais do Ministério da Saúde, a Covid-19 também acomete crianças. Foram registrados cerca de cinco casos de internação entre 1 e 5 anos. Outras cerca de 11 hospitalizações foram de pessoas entre 20 e 29 anos.

*Rádioagência Nacional


Artigos Relacionados