Conhece o endro? Erva combina bem com peixes, é digestiva e alivia dores

Também conhecido como dill, é uma erva de folhas bem fininhas, perfumadas e sabor parecido ao do anis

Postado em: em Gastronomia

​De origem europeia, o endro, também conhecido como dill, é uma combinação perfeita quando o assunto é um prato com peixe, especialmente o salmão.

As folhas bem finas são muito parecidas com a de erva-doce fresca, seu perfume lembra o anis, mas o sabor é diferente, marcante e herbal.

Além de ser utilizado na culinária, o endro tem propriedades digestivas e calmantes, o que ajuda a aliviar cólicas e dores de estômago no caso de gastrite.

Além de refrescante, esta erva tem grande quantidade de fibras, minerais como cálcio e fósforo, que ajudam a proteger o sistema ósseo; magnésio e potássio, que beneficiam quem sofre de hipertensão.

O endro também é utilizado na medicina popular para aliviar cólicas menstruais e dores em geral. O chá feito com as folhas ou sementes aliviam dores de cabeça.

Uso culinário​

O endro pode ser usado de duas formas: suas folhas ou sementes.

Para temperar peixes, o ideal é utilizar suas folhas. Um prato muito conhecido que leva endro/dill é o gravlax, prato nórdico de salmão curado.

No Brasil, há diversas versões desse prato, mas com seus elementos básicos mantidos, o que transformam o salmão numa espécie de conserva, já que seu líquido é drenado pela cura com o sal, garantindo uma textura mais firme e de sabor extremamente agradável.

O gravlax é uma forma antiga de conservar o peixe para consumo durante vários dias numa época em que não havia o processo de refrigeração atual.

Em peixes assados, o endro/dill confere um sabor especial e refrescante. Em molhos cítricos para saladas, feito com suco de limão, azeite, sal, pimenta-do-reino e folhas de endro.

Suas sementes também são perfumadas e lembram o sabor de erva-doce, porém com um toque mais picante.

Podem ser adicionadas a pães e conservas de legumes e minicebolas.


Artigos Relacionados