A sociedade - uma loja de sapatos

Postado em: - Atualizado em:

Lucas Paris (professor de humanidades do Curso Criar Redação)

​Há pessoas que possuem senso; há outras que possuem senso e sensibilidade; há poucas que detêm senso, sensibilidade e resiliência; há muitas pessoas que detêm senso, sensibilidade, resiliência e alteridade. Essas sim são as imprescindíveis. Existem para tornar a individualidade multidão, lutar contra os que creem incorporar a doutrinada razão, ensinando-os a praticar a aceitação. Obama portou um slogan emblemático: Sim, nós podemos. Sim podemos construir uma sociedade plural, tolerante, que até pode ser injusta, jamais assassina de peles, credos, gêneros, classes sociais: Todas as vidas importam.

Uma das cenas mais impactantes da história: milhares de sapatos empoleirados de judeus carbonizados nos fornos de Auschwitz. Imaginar que já houve pés dentro deles traz aquela sensação de vazio atroz: “descarnação”, “desrazão”. Uma mórbida loja, testemunha implacável, carimbada nas retinas, tatuada nos cérebros dos que a revistam. Seres, quase humanos, saem da lá não suportando tamanho peso da história, resumo primaz da intolerância humana: o genocídio.

Residem, nos nossos dedos, diferenças. Residem, nos nossos olhos, semelhanças. A maior das necessidades humanas, viver em sociedade: a igualdade na diversidade. Partes do mesmo corpo: lado esquerdo, lado direito. Um só coração. Sempre cremos que, em algum momento, pertenceremos a uma maioria, no entanto só seremos maioria, quando estivermos sós. Na época da burrice radical, decepar um braço, uma perna à custa de manipulação, pode ser um erro gritante: não há inocentes.

Viemos do mesmo barro, mas com tonalidades diferentes. Isso não nos faz brancos, porque fomos tirados do forno antes da hora, nem pretos, porque fomos deixados lá mais tempo. Praticar a resiliência, a empatia, a alteridade, isso é reconhecer-se, para transformar. Os indivíduos não entendem que precisam dos outros para existirem. Os massacres mais horrendos da história vieram a bordo de uma enormidade de preconceitos e atitudes caninas: Não consigo respirar, em um mundo sem trocas, #Metoo.

Luther King alertou: Nunca se esqueça de que tudo o que Hitler fez na Alemanha era legal. O Pastor nunca sonhou com a igualdade e sim oportunidades: brancos e negros sempre serão diferentes, tanto quanto homens e mulheres. Uns precisam se colocar no lugar dos outros, viverem o que os outros vivenciam, perceberem a intransigência das bocas, o silêncio irônico dos olhares, nos dedos em riste, nos punhos acusatórios.“Imagine” Imagine todas as pessoas / Partilhando todo o mundo. “Imagine” um mundo idiotizado / mundo em que as pessoas não sonham / não se veem / uma loja de sapatos/ cada um vê só vê exclusivamente a si / apenas o próprio pé.

​A ARTE DE PROFESSORAR

Postado em:

PROFESSORAR É VERBO DE AÇÃO

TRANSITIVO DIRETO:

Eu professoro/

tu professoras/

ele professora/

nós professoramos/

vós professorais /

eles professoram

O indiferente não sabe, que não sabe, porém resolveu professorar. Acusou os professores de enganar e vagabundear. Vagabundear é verbo sinônimo de andar, andarilhar, andejar, circunvagar, doidejar, flutuar, fritar, girar, larear, passear, vadiar, zanzar...

O Sinistro, que por dever de ofício, deveria defender os professores, preferiu se deixar manejar ao se pronunciar. Acusou os professores de passarinhar, borboletear, mesmo que enganholados, enjaulados, emoldurados por uma tela de computador. Ironicamente, computa a dor. Professor, seja quem for, aprende a aprender, a conversar, a debater, a transformar, a trocar, a se desdobrar.

Até o sinistro destrambelhado, mal alfabetizado, pintou os professores de vermelho, de verde-amarelo, apelidou-os de esquerdopatas, psicopatas. Professor é professor, aprendeu a conviver com a dor, as ideologias e o torpor, a vivenciar a convicção, o fanatismo e a posição.

Professores não são escultores de cabeças, ensinam a colocar ideias, onde sequer ideias há. Ensinam a raciocinar. Os odiosos e odiados do gabinete sabem que rotular é a melhor maneira de se esconder para desmoralizar.

Aos odiosos e odiados, falta capacidade, idoneidade, noção de realidade para pensar. Um país sem ciência convive com a incompetência, a dependência, a indecência, a inconsequência, a cupidez. Têm que mentir, para se escravizar, perpetuar-se no poder

Em um dia de comemorações, há muito a homenagear e também a sanear. Professores perderam o emprego em meio à pandemia, abriram mão dos direitos que já não tinham. E o Estado, esbravejando, matou de vez, a educação que pouco existia, pouco paria.


PROFESSORAR É SINÔNIMO DE

Pensar

Raciocinar

Transformar

Refletir

MAS TAMBÉM DE


Desafiar

Ensinar

Lutar

NÃO É:

Pura e simplesmente aceitar sem contestar

DILEMA DAS REDES SOCIAIS

Postado em:

O Departamento de Defesa Americano investiu na criação da ARPANET, protótipo da Internet, durante a Guerra Fria, nos anos 60, para armazenar dados e se defender de uma Guerra Nuclear. Vários computadores se comunicavam em uma única rede.

A internet, tal como conhecemos hoje, nasceu em 1990, quando o cientista Tim Berners-Lee inventou a World Wide Web (www). A web é apenas o meio mais comum de acessar dados on-line. A web ajudou a popularizar a Internet entre o público.

A internet mudou a face da humanidade. Esqueça as grandes mudanças feitas pelo rádio e a tevê na primeira metade do século XX A geração chamada de Millennials a do novo milênio é a que convive com a grande explosão da tecnologia, a estimula, mas é dela também a maior refém. O Google se tornou o nosso HD externo; a Wikipédia, abiblioteca virtual. A Amazon é a livraria sem livros físicos também. Os streamings são as maiores locadoras de filmes do mundo, sem possuírem um único filme físico. O uber é a maior locadora de automóveis do mundo, sem possuir um único carro. Fala-se hoje em uberização da vida.

A tecnologia sofisticou-se tanto que um algoritmo passou a ser mais você do que você mesmo. Foram criados os buscadores digitais que traça o seu perfil de consumo detalhadamente, armazenam todos os dados sobre todos os seres humanos, para incentivar consumo, interferir as escolhas, as ideologias, a “aquisição” do conhecimento. Foram criadas, pessoas que ganharam o apelido sofisticado de influenciadores digitais, que acreditam piamente que influenciam alguém, quando, na verdade, não passam de meros instrumentos, eles próprios influenciados para influenciar. E lógico ganharem fama e dinheiro. Até entrarem em depressão, porque foi necessário criar a “cultura do cancelamento” para dar chance ao aparecimento de outros “iludidos”.

O Google Maps e o GPS conhecem os seus destinos. Sabem aonde foi ou onde está ou gosta de ir. Espere sempre uma oferta deles. Você envelhece; o algoritmo não. Você o alimenta todas horas do dia. Você não lembra o que pediu no Ifood na semana passada; ele sabe. E ainda sugere a comida para o almoço ou para a janta baseado no seu perfil. Em todos os lugares, você preenche dados que abastecessem o sistema. Se comprou a Alexa e congêneres, deu ao sistema até o número de vezes em que assalta a geladeira. Tudo isso é planejado para você ficar refém da internet. Você ainda não sabe, mas o Watsapp sabe que é prisioneiro dele. Já houve revolução, ameaças de morte, depois que um juiz o tirou do ar durante um dia.

Já imaginou um mundo sem internet. A internet não permite que imagine, ela faz tudo, a todo mundo. Vamos fazer um quis: faz “contas de cabeça”? Lembra o telefone dos amigos? as datas de aniversário deles? O Facebook lembra. Você precisa sair de casa para saber sobre preços e qualidades dos produtos? Afora isso, ouvir música e filmes ficou fácil o Spotify a Netflix “sugerem” a você. Você gosta de fotos, de bancar o idiota, o Instagram todos os dias “sugere”.

O documentário “O Dilema das redes sociais” da Netflix realmente coloca a humanidade diante de um impasse: não podemos ficar com... e não podemos ficar sem... Ninguém se imagina viver em um mundo desconectado um dia sequer. Reunidos ex-funcionários e executivos de corporações como o Google, Facebook e Twitter discorrem sobre a grande distopia do século XXI: “O que a internet pode fazer com o mudo”. Destruí-lo, tal como o conhecemos, é a conclusão óbvia. Quem pensará? Quem não será adestrado?

Esses executivos são contundentes, ao falarem sobre a destruição do humano em nós. Nos bastidores das grandes corporações está consolidada a ideia: Nós somos os grandes governantes por trás dos governos; a mente por traz das mentes; a atitude por trás das atitudes. Sorria! Você nunca estará sozinho. O Facebook, O Instagram, o Google estarão com você dentro da maior arama do século, o smartfone. Criamos a internet e agora ela está nos criando.

Pense em o Exterminador do futuro e em 1984 de George Orwell assim entenderá. Em O   Exterminador do futuro, um grande cérebro, que construímos, se revoltou e passou a construir máquinas para nos destruir. Ele toma as rédeas do poder e destrói o próprio criador. Em 1984, de George Orwell, nos coloca de cara com o Big Brother, o olho que tudo vê e tudo controla. Você não tem como esconder sequer seus pensamentos, suas ideologias. Sempre as coloca em algum lugar, aí vem um buscador, e bisbilhota. Conhecimento é poder.

As grandes corporações lucram com a polarização entre a esquerda e a direita, por exemplo, e até a incentivam, para lucrar com um mundo em crise, em que a internet derrubou todas as fronteiras físicas e líquidas. Acreditamos que ela é necessária e uma grande diversão. Não nos enganemos, especialistas em estudar a mente humana, muito bem pagos, habitam cada uma dessas corporações. Inventam sistemas para nos incentivar a consumir o supérfluo, como se fosse absolutamente necessário e assim não pensarmos no que realmente interessa. Quer saber quem é Deus e onde está? Procure no Google. E a ética? O que é isso mesmo? trouxa.

O ANO EM QUE COMEMOS O PÃO QUE O DIABO VIRALIZOU

Postado em:

Ninguém está preparado para morrer, todo mundo sabe que um dia a morte virá. Ninguém está preparado para o novo, mas sabe que o novo virá. Ninguém está preparado para a surpresa, todo mundo sabe que um dia ela virá. Há sempre a esperança: aquela que ficou presa na Caixa de Pandora. As vezes fica acelerando nosso coração ou esmurrando a nossa “cachola”. A COVID-19 não foi surpresa, cientistas e governantes “esclarecidos” sabiam que ela viria para nos ensinar a nos prevenirmos para outras tantas que se avizinham.

Deveríamos aprender com a felicidade? Sim. Ela existia até março? A gente só conhece a felicidade depois de não reconhecermos o valor de quem o que a motiva. Deveríamos aprender com as adversidades? Muito mais, são os momentos em que estamos mais propensos aos desafios. Bill Gates e os cientistas financiados pela sua Fundação vociferaram: “Haverá pandemias nas primeiras décadas do século XX”, invadimos habitats em lugares inóspitos, domesticamos animais, destruímos nossa biodiversidade, derretemos as calotas polares, onde há vírus sepultados por séculos. O primeiro a gritar, acusado de incitar o pânico, foi amordaçado e enfiado em uma tumba.

Gastaríamos muito menos com pesquisas e ações de prevenção do que com medidas paliativas. Gastamos, em menos de um ano, o que os países gastaram durante séculos. Prevenção não justifica gastos com o conveniente estado de calamidade pública, muito menos angaria votos dos incautos. Funciona da mesma forma que fazer obras debaixo da terra, ninguém vê. A doença mais perversa a estuprar povos nas pandemias chama-se política. Doença leva à submissão; fome leva à submissão; a desinformação leva à submissão; a esperteza leva à cegueira da população e aos cofres públicos. O negacionismo leva os submissos a buscar uma igreja ou a idolatrar o “salvador da pátria” que se serve do fanatismo e da desinformação. Puxar os cordames que seguram os bonecos chamamos de política.

É preciso nos preocuparmos com a sanidade da nossa insana população. Nós, quem? Nós, os educadores, os profissionais da área de saúde física e mental, as autoridades minimamente decentes detentoras da chave do cofre. E quem cuida de nós, estressados profissionais? Certamente, não será o presidente, que nos chama de vagabundos. Pela primeira vez, sentimos o que sentem os presidiários e os carcereiros. A casa virou um cadeião.

As autoridades que, devido ao currículo escabroso, não têm legitimidade alguma, eleitas à base de mentiras e corrupção, fizeram do país um valhacouto de idiotas. Vale fome em troca de votos. Vale a enganação para desviar a atenção do que realmente interessa. E o que realmente interessa? O que é decidido na calada da noite nos porões, o que impingido à custa de fanatismo. O esconderijo atrás do cenho franzido de matador.

A pandemia obrigou nossa “civilização” criada à custa dos privilégios dos ricos e desigualdade para nossos filhotes se reinventarem. O problema é que não os ensinamos a se doar, só a acumular. Os pais são “amiguinhos” dos filhos ou “seus protetores” – o meu filho tem tudo o que eu nunca tive. E o que ele aprendeu a conquistar? Sem acesso aos desejos de consumo, sofre de ansiedade ou de depressão. A cultura do imediatismo recebeu algemas do inimigo invisível: um vírus.

Adubou-se a pobreza financeira e intelectual com escravidão há décadas. Os alunos da escola pública querem estudar, mas não há internet; os que têm a internet, não querem estudar. Há as exceções? Ridículo, precisarmos de exceções. Não nos iludamos: realmente há muitos que não se adaptaram às novas metodologias de ensino via internet. Então, mudar de planeta não será uma má ideia. Esse tipo de coisa veio para ficar, como o papel higiênico, por exemplo. Outros estavam apenas de corpo presente nas aulas presenciais. No Brasil só se estuda para passar no vestibular. E quanto mais rápido, melhor. Em qualquer faculdade. E o mercado? Ah! “eu se viro”. Nunca para saber, só decorar. Criamos a geração dos depressivos e ansiosos devido ao excesso do tudo e ao excesso do nada. Um povo com imensa incapacidade de discernir.

O que se faz hoje no mundo seria facilmente enredo de filmes pornográficos: negacionismo, sujeição às grandes potências, que estupram sem dó, venda da ilusão de uma vacina milagrosa. Invenções submetem os emergentes, que nunca emergirão, afinal capachos nunca saem do chão. Choramos, esperneamos, invadimos as ruas, as garrafas, afogamos as mágoas, contudo continuamos cobaias presas na gaiola do servilismo. Não somos da época do risco e sim da do arrisco. Foi o ano que nos mais desafiou, o que mais nos ensinou, o que mais nos surpreendeu, o que mais nos empurrou contra a ponta da faca. Aprenderemos? Ou sucumbiremos mais uma vez? Como sempre, corremos para as farmácias ou nos escondemos debaixo da cama. Não há remédios salvadores e vírus cai no chão. E agora? Nos preparamos para 2021 ou apenas o esperamos chegar com sua foice de verdugo. Nossa sina é nos autodestruir até não mais parar? Ridículo: o fogo fomenta o capital, que fomenta a fome, que fomenta a ilusão, que fomenta a burrice, que fomenta a submissão. Nunca aprendemos. Com tantos interesses escusos por trás das enfermidades e das práticas safadas, não aprenderemos jamais.  

​A educação precisa de que a salvemos dela mesma

Postado em: - Atualizado em:

O tal “novo normal” traz consigo um estigma. Após toda grande tragédia, dizem: O mundo nunca mais será o mesmo. Lógico. Podemos discutir se, como sempre, o tal “novo normal” não virará pato: “não vota, não voa, não nada”.Depois do susto, “velho anormal”.

A escola pós-pandemia mudará? Sim. Um aluno sentará longe do outro e será mais difícil colar na prova. De resto, se continuar com as famigeradas provas, haverá mais aulas on-line, gamificação, plataformas. O vácuo Brasil: O aluno não estuda para saber e sim para tirar boas notas e passar no vestibular. Onde estão educação financeira, educação sexual, empreendedorismo, política, ecologia? Não falo de alunos trancafiados, a escola precisa derrubar paredes. Cada um de nós, crianças ou adultos, é microempresário, em pleno capitalismo, sem noção da diferença entre gasto e investimento. Nossa burrice estrutural.

Minha escola é assim. Parabéns. Ela busca talentos ou desenvolve potenciais? Parabéns. Se não mudar assim, o Brasil continuará reduzido à pequenez e à mediocridade. Tecnologia sem pedagogia é nada misturado a coisa alguma. O professor manda o aluno ler um livro para responder questões na prova, depois reclama que jovem não lê nada, não entende enunciados. Já vi provas em que o problema estava no enunciado. Nossas contradições: o professor faz resumos. Diz a sabedoria popular: “Quando Pedro me fala de Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo.” 

Comete-se hoje outro crime de lesa-inteligência: oferecer um modelo pronto de redação para empurrar o aluno imediatista goela adentro da faculdade. E depois? O pavio aceso lá embaixo explode no nefasto vestibular. Redação, bicho papão. ENEM, incentivo ao modelão. ENEM enganação. Quem pode pagar, quer modelo personalizado. Lojas vendem esse tipo de coisa aos montes, é só procurar no Instagram. Passou? É o que interessa. Faculdade? Qualquer uma. E depois? Depois vem a diferença entre Deus e o mercado: Deus perdoa. O velho normal.

Luiz Cláudio Jubilato

Coordenador geral do curso Criar Redação

Consultor educacional

O absurdo de taxar livros

Postado em:

Quem nunca leu a distopia “1984” de George Orwell, é crucial que o faça rápido. Em seguida, ler Farenheit 451 de Ray Bradbury. Na primeira, o partido cria o Ministério da Verdade, responsável pelas mentiras. Recontar a história, segundo os interesses do partido. Na segunda, o partido manda queimar livros. O fogo queimando inteligências é o mote da distopia de Ray Bradbury: O partido precisa se eternizar no poder, para isso precisa queimar livros (opositores), matar o espírito crítico. “Ler é realmente muito perigoso”: Você começa a ouvir com atenção, a ver a realidade tal como ela realmente é e a entender.

Stálin, Hitler, Fidel e "ditadorzinhos de fancaria" dessa América Latrina desses nossos tempos pandêmicos perseguem livros e leitores, diga-se universidades, escolas, imprensa e professores. Assim fica fácil usar o método de eleger o inimigo externo para se equilibrar no poder, contando também com a pandemia cerebral. Fora quem taxa livros. O Brasil é um dos países em que menos se lê no mundo. Nosso subdesenvolvimento intelectual é o responsável por essa catinga de ódio. Não é porque você nunca leu nada que tem que taxar quem o faz. Taxar é uma das formas de proibir.

​DESVIDA NAS ALTURAS​

Postado em:

Há uma terra, tão terra, tão chão, tão seca chamada Cisjordânia. Sobre ela chovem bombas. Bombas desconhecem seres humanos. Chovem tiros. Tiros estupram o ar. Homens enterram suas vidas para manterem delimitadas suas fronteiras.

Há belíssimas histórias de mártires, que adubaram terras e mais terras com sangue. Há histórias cruéis de corpos crivados de balas. Uma argamassa os juntou. Chama-se ideal.

A história da Cisjordânia se confunde com a dos filhos, que os pais renegam: não pertence de jure a nenhum Estado.  É também a de um povo forte, orgulhoso, guerreiro. Os jornais do ocidente só reconhecem essa terra, tão terra, tão solo, tão raiz, quando metralhadoras gritam, corpos aparecem empilhados nas ruas.

Não há páginas no ocidente dedicadas àarte e ao canto. A Cisjordânia só existe como bala, como tragédia. Então, eu, cultivador e manipulador de palavras, vou correr o risco de contar a história de um amor tão visceral, tão denso, tão guerreiro, que pode cortar como faca.

Rasmi Suwaiti gestou Jihad Al-Suwaiti há trinta anos. Criou-o, como aos guerreiros do seu povo: um homem capaz de dar a vida pelos seus. Não tenho a pretensão de contar a história desses dois seres humanos. Não conseguiria traduzir a força do lirismo trágico que ela encerra.

Rasmi Suwaiti viveu seus setenta e três anos, lutando contra a morte, encarando-a, olhando-a nos olhos. Venceu metralhadoras, prisões, fome, seca, canhões. No Hospital de Hebron, o câncer e o coronavírus a torturavam dia a dia, minuto a minuto, segundo a segundo.

O câncer começou a corroê-la, minando-lhe a resistência. O vírus oportunista atacou. Enquanto câncer a apodrecia, o vírus a sufocava. Certos inimigos cedem um último pedido ao moribundo; outros permite jamais. O câncer, pelo menos, permite a carícia através do toque, da troca de olhares, da fala; o vírus não, expulsa qualquer contato, sentido ou sentimento.

Jihad Al-Suwaiti, protagonista da própria história, subia pelos canos pregados nas paredes do hospital até chegar à janela de onde podia acompanhar a agonia de Rasmi Suwaiti. Precisava responder à interrogação de todos os dias: ela ainda estaria viva ou já estaria morta?

Este escrevinhador para por aqui, senão confinará no papel uma história tão visceral: mãe, câncer, vírus, filho, obstáculo, impotência, morte, amor e resistência. A resistência encerrada naquela magnífica foto de Jihad Al-Suwaiti, sentado na janela do hospital, lá nas alturas, com os olhos fixos na mãe doente, morta em vida. Com sua força, adubará a terra, tanto quanto a sua morte destroçou o coração do filho.

Toda crise traz consigo o umbigo

Postado em:

A teoria lapidar de Karl Marx: A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa. A partir daí, pense: As pessoas sabem dos profissionais de saúde, de que são seres humanos, de que seres humanos morrem, de que arriscam suas vidas, de que muitos já morreram, de que estão no front contra a covid-19, porém creem que não fazem nada mais do que cumprir a obrigação de morrer por nós. Creem que o aplauso justifica a irresponsabilidade de evitar aglomerações. E os generais? Os generais nunca estão na linha de frente. Nunca se arriscam, a não ser tropeçar no tapete da sala de despachos, com ar condicionado. É o sempre normal.

Emmanuel Macron, incapaz de lidar com as crises políticas, econômicas, sociais e sanitárias de seu país, cunhou a expressão: o novo normal. Como político, sabe muito bem que as sociedades sofrem de Alzheimer. A língua portuguesa é impiedosa com suas ironias: a expressão “viralizou”. Jornalistas, filósofos, sociólogos, crianças repetem essa expressão, como um mantra. A história é também impiedosa em suas constatações. As canetas assinam as rendições sempre que é estabelecido o novo normal.

Em 1914, durante a primeira guerra capitalista mundial, o autor britânico, H.G. Welles, cunhou a frase: "A guerra para acabar com todas as guerras". A frase “viralizou”. O mundo nunca seria mais o mesmo. E não foi. A reboque da guerra veio a gripe espanhola. A humanidade não aprendeu com o novo normal. Apesar da viralização, ódios ficaram represados. Ódio represado é pior que faca amolada. O fanatismo se candidata a ser o pai das tragédias.

A guerra para acabar com todas as guerras promoveu uma quantidade infindável de crises econômicas, políticas, sociais, sanitárias que desembocaram na Segunda Guerra capitalista Mundial (1939 – 1945?). Joseph Goebbels, “sinistro” de propaganda de Hitler, cunhou a frase: Uma mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade. A Alemanha criou a fake News. O mundo nunca mais seria o mesmo. E não foi. Os governantes sempre pregaram o novo normal, mas nunca aprende. As disputas trouxeram a reboque a guerra fria, uma infindável coleção de massacres.

Macron, além de incompetente, não chega sequer a ser original. A mais nova expressão do pensamento cínico no meio dessa pandemia é isolamento de rebanho. Temos que dar razão a Zé Ramalho: Vida de gado / povo marcado / povo feliz. O rebanho finalmente vai se render às evidências: é massa de manobra. O novo normal será o isolamento de rebanho. Por mais que a ciência esteja correta, chegam a ser irônicas essas expressões, que desembocarão mais uma vez na velha história do salvador da pátria. A sociedade realmente sofre de Alzheimer.

O Paciente zero não é apenas um filme idiota de ficção, é a experiência com um homem ratinho branco que deu errado. Nunca, depois da segunda guerra mundial, estivemos tão perto da obsessão americana: um mundo recheado de zumbis: o novo normal.

O ladrão zero não é ficção. Sinistro? Desgovernador? Imperfeito? Empresa de fachada? É um claro distúrbio, uma esquizofrenia, desde Caminha. Em troca de esmola, o populacho permite à canalha se locupletar facilmente, porque não sabe o que é estado de calamidade pública. A humanidade é muito mais suscetível à desumanidade à humanidade.

O vírus escancarou o significado de estado de calamidade pública. O governo socorre a população com um benefício de urgência, devolvendo, a contragosto, os impostos pagos por ela. Algum “sinistro” disse: “Vamos chamar de benefício a esmola” e propagar o novo normal. A humanidade não aprende mesmo, os políticos nunca perdem seus empregos, os juízes também não, os diplomatas também não. Você perdeu? Já está começando a pagar a conta, sem perspectiva de recuperação. A crença na mentira faz um bem danado: o sempre normal.

A língua é o pior instrumento de guerra, que existe. Pior que faca amolada. Sinto destruir o seu sonho, desesperado e impaciente leitor. Cabral não descobriu o Brasil. Quem primeiro viu a natureza inebriante de Pindorama foi um anônimo no ponto mais alto da caravela. A descarada Carta de Caminha ao rei descrevia as belezas da terra, autoelogiava-se, para se desculpar do fracasso da expedição: não havia ouro à primeira vista, o que não quer dizer que não houvesse. Os padres poderiam engrupir os índios e encontrar. O escriba terminava pedindo emprego para um parente. Inaugurou o novo normal.

​O perigo da história única

Postado em:

(Fiz o que pude, mas ficou longo mesmo assim. Desculpem)

Que o Brasil não é para principiantes, Cabral descobriu ao atolar os pés nas areias de Porto Seguro e não achar ouro. Se não estivesse tão comprometido com a Coroa e a Igreja, teria rebatizado aquela enganosa beleza de Porto Inseguro. O venturoso rei D. Manuel precisava vender ilusões. Ricos falidos vieram dar com os costados nessas plagas. Padres vieram catequisar os “índios”. Catequisar significa impingir a “civilização”, ou seja, o modelo europeu incivilizado de vida. Pindorama virou a terra do faz de conta. A propaganda seria o negócio da alma, muito mais importante que a alma do negócio. O Papa bateu o martelo, legitimou a escravidão. Começou, então, o leilão. Pindorama se tornou uma grande fake News.

O bispo Pero Fernandes Sardinha, devidamente degustado, com cebolas e outros acepipes pelos índios caetés, foi o primeiro caso de deglutição, com pompa e circunstância, na Terra de Santa Cruz. Estudiosos de um país pouco afeito aos estudos descobriram que, muito mais que um ritual gastronômico, o banquete era um ritual religioso. Os caetés incorporavam, em homenagem ao degustado, o nome do guerreiro. Aos covardes, não comiam, relegavam-nos à inexistência em vida, às piores humilhações. Como incorporaram o corrupto bispo? A coroa matou as identidades adquiridas por eles a mosquetão. O Brasil definitivamente não é para iniciantes.

A história prova que os poderosos criaram maneiras mais sórdidas de degustação. Degustaram escravos à base de estupros e chibata, temperados com canela, cana e café. Machado de Assis, negro intelectualizado à custa do próprio esforço, foi engolfado pela crítica, que o embranqueceu, como se ele fosse uma espécie de erro histórico. Lima Barreto foi engolido pelos críticos Bruzundangas, porque, além de preto, bêbado, suburbano, não seguia os preceitos da gramática. Como preconizou, teve um triste fim, igual ao do nacionalista destrambelhado Policarpo Quaresma e amargurado como o Escrivão Isaías Caminha. Essa Nega Fulô, do branquelo Jorge de Lima, representa a literatura da negritude latina. O Brasil não é mesmo para principiantes.

Caetés domesticados, só a antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. Mário de Andrade perscrutou essa alma em Macunaíma, herói de nossa gente que, ainda criança, fez coisas de sarapantar. O Brasil, de fato, não é para principiantes. A literatura da negritude saltou das brancas páginas para as mãos do branquelo homossexual, resolvido a escarafunchar o folclore de onde brotam a sensualidade e a sexualidade aos borbotões. Brancos, negros e índios, juntos e misturados, comendo-se, degustando-se. Os homens da moral e dos bons costumes se envergonhando.

Por culpa do vestibular, eu, um branquelo, fui obrigado a estuprar “Ponciá Vicêncio”, que fora estuprada por seu dono branquelo nas páginas da obra de Conceição Evaristo. Resumi a busca pela sua identidade em meia dúzia de linhas. Teria eu a oportunidade de me redimir, ao ser convidado pela Fundação Feira do Livro, para mediar o debate dela com a plateia. No dia do evento, Conceição teve uma isquemia. Tive medo que a memória fugisse. Conceição também teria de buscar sua identidade tateando como Ponciá?

Quem lê este arrazoado (herói anônimo), se perguntará: Aonde esse idiota quer chegar com essa confusão? Explico: O Brasil não é para principiantes. Falta reconhecer O perigo da história única, como apregoa a preta nigeriana Chimamanda Adichie, que caiu na armadilha de enxergar os mexicanos através dos olhos dos americanos, assim como a americana colega de quarto a via. Cria que a África era um país, e miserável. O professor branquelo crítico americano tentou degluti-la, ao afirmar que seu romance não era verdadeiramente africano, porque não falava nem da fome, nem da miséria africanas. Ela lhe virou as costas.

O Brasil, Porto Inseguro, nunca foi para principiantes. Como Macunaíma, faz coisas de sarapantar, uma delas é comprar “a história única”, inadvertido do perigo que advém da compra. Ou embranquece um negro ou o relega ao esquecimento, se não o estuprar ou chicotear antes. Eu, um branquelo, professor, estuprei uma negra sabendo o que fazia. A isquemia de Conceição me fez perceber algo seríssimo: Pedir desculpas não adianta, o mal está feito. Meu resumo existe como prova cabal. Cabral sabia o que estava fazendo, a Coroa e a Igreja também. Sabem porque o Brasil não é uma terra para principiantes? Porque ele próprio não encontrou sua identidade. O Brasil é uma espécie de Ponciá.

​Ler para que, se você pode se esconder?

Postado em:

Houve um tempo em que o governo, para se mostrar preocupado com a crescente ignorância da juventude, inseriu a prova de redação nas provas dos vestibulares e fez uma campanha bombástica para estimular a leitura. A tática de “dominar um povo burro chegou ao limite”. Para conseguir tal milagre, criou um órgão pomposo, a “Câmara do Livro”. Nele instalou “burocratas”, “sabujos”, “apaniguados” nem imaginação. Aquele, que se acreditou o iluminado, pariu um slogan sugestivo: “Quem lê, viaja!”.

Viciados em drogas começaram a mergulhar nas páginas dos livros na esperança de alçar altos voos. Não conseguindo, rasgaram as páginas, enrolaram-nas para fumá-las. Vendo a inutilidade do feito, pararam para contemplar as letras, depois as palavras, os parágrafos, as páginas, os personagens. A partir daí, afogaram-se em histórias. Às vezes riam, às vezes choravam; ora olhos impregnados de horizontes; ora, afundados no chão. Ora perscrutavam os olhos de pessoas; ora, mergulhavam no seu íntimo.

Pais, entre preocupados e desesperados, começaram a monitorar os filhos na ânsia de saber aonde iria dar a tal viagem. Eles próprios tentaram experimentar. Cheiraram as páginas, mas só encontraram odor de papel com tinta. Não entendiam como uma capa com um miolo causava tanta euforia, desejo, medo... Então decidiram se aventurar pelas primeiras linhas, todavia pararam no primeiro parágrafo. Largaram. A droga não os drogava. Não como um lança-perfume. Não como a sonolência da maconha ou a avidez da cocaína.

Um problema, nascido dessa campanha, se tornou crônico: crianças não desgrudaram mais dos livros, andavam com eles debaixo do braço ou dentro das mochilas. Contavam histórias fantásticas em que viajavam para planetas nem pais nem professores imaginavam onde ficavam. Pior, começaram a construir mundos para si, livres das amarras de um sistema educacional que pretendia deseducá-las: professores e coordenados que tentavam moldá-las.

Os jovens pareciam loucos, choravam porque se identificavam com lugares já há muito esquecidos e pessoas estranhas, com as quais jamais tinham convivido, os tais personagens. Pior, contavam mentiras descaradas, absurdas, impossível de serem concretizadas. Chamavam a isso enredo. Desesperaram-se os dadores de aulas, pregadores de emoções baratas e lineares, que não conseguiam consolá-los, usando suas fórmulas amarrotadas.

Era comum ver pessoas nos parques, nas filas, nos consultórios, no metrô e, até mesmo nos banheiros, lendo. Era ainda mais comum ver aquele olhar perdido a sonhar com o destino de outras pessoas que as influenciavam. Leitores de todas as idades começaram a se embrenhar, contaminados pela doença das linhas e entrelinhas. Traziam consigo aquele olhar sôfrego de quem se revira em busca de um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói, não sei por que. Muitos mergulhavam nos significantes das palavras, para se travestirem com seus significados, como se se carnavalizassem. As cidades passaram a criar feiras, nas quais, ao invés de frutas e legumes, as barracas vendiam passagens para a imaginação, a alegria, o sofrimento, os desejos dos mais superficiais aos mais ocultos. O impossível se tornou possível; possível, impossível.

Crianças, jovens, adultos, velhos que se embrenhavam pelo intrincado mundo da literatura político-social, tornaram-se incrivelmente críticos. Críticos ferinos, intragáveis na sua sanha de justiça. Passaram a usar expressões ofensivas contra os poderosos, como: “Justiça social”, “Abaixo a censura” e coisas tais. Os que se dedicavam aos romances começaram a expor seus sentimentos com tal falta de pudor, que incomodaram os carolas e os violentos, dando-lhes motivos para essas mentes obtusas agredi-los fisicamente em quaisquer lugares, pois não conseguiam agredir suas convicções. Vários deles se dedicaram ao suspense e à ficção científica. Os civis passaram a usar suas habilidades dedutivas para resolver intrincados crimes, que a polícia não resolvia com suas armas. Os idiotas da objetividade acreditavam no seu poder de decidir destinos, não suportavam ser confrontados por personagens egressos da história, agora desvestidos pela literatura.

Os que se criam detentores de algum poder, vomitadores de regras, normas, leis, disseminadores do medo, começaram a se preocupar com o seu próprio futuro. Espalharam, sem nenhuma vergonha, o boato de que a leitura tornava as pessoas frouxas, sensíveis em demasia, desconectadas da realidade objetiva. Tecnocratas transformaram o boato na teoria do comportamento. Várias reportagens tomaram conta do horário pobre. Era preciso mudar esse estado de coisas. Urdiram, então, um plano demolidor. A primeira medida: aumentar o preço dos livros. A segunda: colocar capas monumentais com couro bordado com fios de ouro em obras ocas. Arrancaram as páginas, estupraram obras, para que pudessem servir como objetos decorativos. A terceira: contratar pseudoescritores para reescrever obras de grandes autores dando a elas roupagens simplórias. Dos dedos frouxos e imaginações capengas, brotaram histórias rasas de autoajuda, com o intuito de embotar, fazer uma lobotomia nos viciados. A quarta: transformar livrarias em papelarias, cafeterias, sorveterias, brinquedotecas tirando delas a sua essência. A quinta: encarcerar os críticos, arrancar sangue das suas frontes para que reneguem seus ideais e se tornem cidadãos papel higiênico.

Os "burrocratas", subornados, submissos, sabujos fizeram pior, espalharam que ser escritor era ter uma espécie de doença da alma, um sério desvio de caráter. Todo escritor é um mentiroso compulsivo. Pior, afirmaram, de pés juntos que, quem lê, se torna chato, intragável, porque se torna crítico demais e ser crítico, é muito ruim, afasta os amigos.

Os comedores de dicionários, já deformados pela superficialidade, prolixos, puramente gramatiqueiros, ditadores da palavra, cultuadores das denotações olhavam desconfiados os aficionados pela subjetividade, os idealismos, os amantes das revoluções internas, das conotações sem entender o real motivo de uma pessoa passar a vida sendo governada, sem o desejo inerente aos humanos de governar. Não entendiam também, como leitores encontravam o equilíbrio entre a ficção e as evidências, tornavam o histórico, atual; o atual, histórico; o histórico e o atual, atemporais.

Os magnatas, comerciantes de palavras, organizaram grupos de mercadores de consciências, de acordo com a sua conveniência, para falarem o óbvio para os óbvios, tolices para os tolos, para os inseguros, os medrosos, os impotentes, os desiludidos, os iludidos, os tímidos, os inseguros. Conclamaram aproveitadores das desgraças alheias: executivos, psicólogos, técnicos de esportes, os que criam ter encontrado o milagre para atrair o dinheiro fácil, os que criaram modelos de qualidade de vida para parirem livros apelativos: “Como emagrecer em sete dias”. “Como deixar de ser tímido”. Batizaram o amontoado de palavras de “literatura” de autoajuda. No entanto, não só faltava a literatura como também a ajuda. Como o apelo comercial é enorme, as pessoas sempre estão doentes da razão, o grande negócio do negócio é fazer chorar. Para começar o ridículo périplo de páginas, cunharam coisas assim: "Toda caminhada começa com o primeiro passo". Então, tolos viram sabedoria na ignorância.

De fantasias heréticas a lendas urbanas, de ilusões românticas a pesadelos realistas, a literatura foi perdendo gradativamente o contato com a palavra. Com o tempo, o óbito de personagens, enredos, tramas, fantasias foi inevitável. Morreram os leitores de livros, nasceram os internautas. Esses se entregaram ao Instagram, ao Facebook, como às balinhas de ecstasy. O Google passou a ser a casa, a consciência, seu mundo. No auge da excitação, os argonautas do ciberespaço inventaram até um novo idioma, sem as palavras. Comunicavam-se por gestos, grunhidos, carinhas, bichinhos, que substituíram momentos de amor, desespero, raiva, pudor, humor por frases desconectadas de textos ínfimos, sem enredo. As redes sociais pescaram a criatividade.

Houve um tempo em que as pessoas entendiam melhor o mundo, porque entendiam melhor as palavras. Sabiam que tudo que está dentro ou fora de cada um, na imaginação ou na razão, é traduzido por palavras. Ler é adquirir vocabulário, portanto entender melhor as coisas e poder falar melhor com elas e sobre elas. Talvez seja por isso que as guerras são cada vez mais frequentes. O discurso faliu. A diplomacia morreu As pessoas se tornam cada vez mais agressivas, não conseguem expressar mais suas emoções, se é que ainda as têm. Será que ainda têm capacidade de se indignar? O mundo de hoje está muito sem graça. A arte de transmutar o mundo em palavras, letras e significantes e significados faliu. A criação parece um deserto. Virou "cover" e “releitura”. A originalidade agoniza. Caminhamos massificados em um deserto criativo: uberização; macdonaldização.