Cuidando do chão em que se pisa

Postado em:

Logo que comecei a trabalhar com aromatizadores de ambiente há 7 anos, as pessoas viviam me pedindo para tentar melhorar a fragrâncias comuns que todos já estavam acostumados em festas e lugares públicos. Creio que em parte conseguimos cumprir sim com essa missão, principalmente em festas, que no início eu mesmo achava um gasto desnecessário, mas é um cuidado especial você ter alguém que cuide, e decore o ambiente dos banheiros em um dia de festa, assim como o seu salão, aquele ambiente é uma extensão do evento.

Além dos sabonetes e aromatizadores, produtos de limpeza são sempre um ‘lugar comum’ quando o assunto é fragrância: Lavanda, eucalipto, coco, talco, e algumas poucas outras. O ramo da limpeza é basicamente liderado por quatro gigantes da indústria, por isso a inovação na área dos cheiros é pouca já que o principal fator na escolha da marca é o preço do produto. Foi pensando em tudo isso e outros fatores que dois ex-banqueiros do ABN AMRO, se juntarem e decidiram investir nesse ramo, iniciaram uma startup chamada YVY, a palavra vem do tupi-guarani e quer dizer terra, chão em que se pisa. E claro, que o nome não somente inspira, mas também é a base da empresa, nada melhor que uma terra sem males e buscar nessa natureza a sua essência. É uma marca que se preocupa 100% com o planeta, todos os produtos são fabricados apenas com insumos naturais. O principal deles é o terpeno, uma substância extraída da casca de árvores e de frutas cítricas como a laranja. Possuem produtos como: desengordurantes, lava roupas, limpadores bactericidas e multiusos e totalmente livre de petroquímicos.

Um dos pontos que eles também pensaram foi na embalagem, os produtos são vendidos em cápsulas recicláveis (parecidas com aquelas de café), na primeira compra, o cliente recebe três borrifadores de plástico nos quais encaixa as cápsulas que se diluem em água. Cerca de 90% da composição dos produtos de limpeza é água, e por esse motivo, eles deixam por conta do cliente sempre reabastecer os borrifadores para a diluição das cápsulas, para diminuir a demanda de plástico nas embalagens e ter gastos menores com transporte. Fora que demanda muito menos espaço para armazená-las, e o lava roupas não necessita nem de amaciante, o que gera ainda menos resíduo. Uma cápsula dos limpadores, produz cerca de 540ml de produto quando diluída.

O modelo do negócio também tem o seu diferencial, você não encontra esses produtos nas prateleiras dos supermercados. As vendas são feitas somente pelo e-commerce da marca e por meio de um clube de assinatura. São três tipos de planos que variam de 120 a 190 reais. As casulas também podem ser compradas por unidade no site da empresa. Você vai se surpreender com as deliciosas e naturais fragrâncias desses produtos, e caso esteja se perguntando, eles não são testados em animais, e em 10 anos de empresa não há casos de alergias, e são livres de conservantes também.

Segue o site, e se delicie com as fragrâncias: https://www.yvybrasil.com/



*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Número 2 sem cheiro

Postado em:

Já parou para pensar até onde a ciência pode ir com a sua evolução e criações? Acredito que não estamos preparados culturalmente para elas tamanha a capacidade que ela tem nos surpreender a cada dia. Dessa vez não foi diferente, só que resolvendo tanto algo tão corriqueiro, como um problema que a medicina até agora não tinha conseguido resolver, partindo de um principio tão simples: uma peneira! Sim, aquele objeto que possui diversos tamanhos, e que funciona tão bem como filtro e como separador e diminuidor de partículas de acordo com o seu tamanho, retendo as maiores e deixando as menores passarem.

E foi pensando nesse princípio que cientistas da Faculdade Estadual da Pensilvânia criaram uma peneira do avesso. Sim! Isso mesmo que você leu, uma peneira que só deixa passar partículas grandes, inclua ai os gases que passam molécula por molécula. Porque é importante considerar os gases nesse projeto? Por conta de uma de suas possíveis aplicações, pois sendo posicionada no interior de um vaso sanitário ela permitirá que o cocô penetre juntamente com o cheiro desagradável. Eles ficariam retidos dentro do vaso, e ninguém precisaria dividir com você aquele cheirinho bem desagradável. Esse poderia ser o primeiro passo para criar privadas ecologicamente corretas, sim, sem o uso de água. A tecnologia para lidar com esses excrementos à seco já existe, a única coisa que falta é criar algo economicamente viável como a água para conter o cheiro. Sim, a água continua sendo um produto barato apesar de haver a necessidade de economizá-lo.

A outra aplicação está no dia a dia dos hospitais, mais especificamente nas mesas de cirurgia. Uma membrana como essa poderia ser posicionada diretamente na abertura do copo do paciente, assim a mão do cirurgião passaria por ela, mas impediria que bactérias e contaminantes entrassem junto e causassem infecções no paciente. Simplesmente uma invenção incrível!

Essa membrana é feita de basicamente água e dodecil sulfato de sódio. Uma substância parecida com detergente, é usada em muitos cosméticos e produtos de limpeza. Na química, ele pode ser classificado como um surfactante, o nome é complexo, mas sua função é bem simples: ele muda a tensão superficial da água quando entra em contato com ela. E o que parece mágica nesse invenção da membrana é simplesmente química. Se você não se lembra a tensão superficial é como quando você enche um recipiente de água até a boca, e antes do liquido escorrer ele meio que para ali alguns instantes formando uma espécie de bolha. Isso acontece porque as moléculas de água de juntam e se ajeitam conforme o recipiente tentando não perder uma molécula sequer. Mas as que se encontram lá na superfície entram em contato com o ar, e quando isso acontece, as que ‘cruzaram’ o ar se repelem mais facilmente. E o que acontece quando uma substância surfactante entra em contato com a água como o detergente, elas têm uma parte da molécula que ‘gosta’ de água, e outra que já ‘não gosta’ A que gosta da água se mantém juntinha a ela, a parte que não gosta procura outra coisa para se grudar na outra direção. Esse processo explica porque alguns insetos conseguem andar pela superfície da água e não afundam, porque graças a essa capacidade das moléculas de água serem resistentes à separação, cria uma superfície quase que elástica sustentando coisas leves, isso é tensão superficial.

Essa membrana então, nada mais é que uma espécie de bolha super-resistente e muito bem regulada (como se fosse o detergente perfeito, na quantidade perfeita). Quando uma coisa muito grande ‘cai’ nela, ela bate com mais força e atravessa, já as coisas mais leves quando entram contato não conseguem passar. Só que por conta de sua força, ela não estoura quando é atravessada, ela automaticamente se reconstrói pronta para aguentar o próximo impacto. Em testes a película aguentou 3 mil filtragens ao longo de 3 horas, quando utilizados outros surfactantes, conseguiu resistir a 6 horas.

Digamos que estamos caminhando para um mundo mais sustentável, só não sabemos quando essas pequenas mudanças serão possíveis de serem usadas no nosso dia a dia. Seja como for, por enquanto, ainda temos os aromatizadores para nos ajudarem nesse momentos de odore desagradáveis. Segue abaixo um vídeo mostrando mais sobre a membrana:


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Um novo ponto de partida

Postado em:

Hoje poderia ser mais um dia de céu azul, mas um dia de café fresquinho passando no coador, mais um dia de mensagens de bom dia no celular, mais um dia cheio de #tbt nas redes sociais, mais um dia de trabalho e dedicação, mais um dia de muito amor e gratidão. Mas hoje não é simplesmente ‘um dia’, hoje é meu dia! Foi neste dia que escolhi para vir ao mundo, e de alguma forma fazer diferença nele e evoluir, trilhando os caminhos que o destino me propõe para novas aventuras todos os dias.

E, pela primeira vez em 29 anos, eu consigo enxergar várias coisas de maneira mais leve, ir mais atrás dos meus sonhos e vontades, confiar mais em mim, seguir mais meu coração, reclamar menos, amar mais, não perder tempo, dar mais valor à vida e aos momentos tão passageiros, assim como as pessoas que rodeiam e fazem do meu mundo mais colorido.

Esse ano o inferno astral não se fez tão presente nesse último mês, ficou ali escondido. Mas se engana quem pensa que os 29 não pesam, e que você não consegue não pensar no Marcos Valle e na sua música: ‘Não confie em ninguém com mais de 30 anos...’ Mas o que vale agora é deixar essa ansiedade pro ano que vem e curtir o dia! como? Acredito que isso dependa de pessoa pra pessoa, mas terça feira me peguei pensando nisso. E nessa semana decidir fazer alguma coisa pela primeira vez, e outras que me dão enorme prazer e realmente curtir cada momento desses. Como escutar um dos meus CDs favoritos, GOA de Juca Novaes. Um grande compositor que eu posso chamar de amigo e que deu o nome a essa coluna. Liguei o aplicativo, coloquei em modo aleatório e deixei rolar cada uma das faixas, que nessa forma embaralhada me fazia surpresa e penetrava na alma deixando o momento mais leve e divertido. Se você não possui ao menos um disco que você escute e não pule 1 faixa sequer, acredite, você precisa ter um! E não estou falando de playlists montadas com suas trilhas favoritas.

Assim como a música que fornece combustível, e coloca sentido em cada momento da vida, tenha também perfumes com a mesma função. Usei meus perfumes favoritos, para entrar com o pé direito nessa nova idade.Os cheiros atraem felicidade, positividade e nos dão até forças para encarar um dia difícil ou abrilhantar um dia maravilhoso Eu sei, têm pessoas que não ligam para aniversários, eu mesma não sou maluca por esse dia, mas estou conseguindo analisar melhor esse ano, afinal, é nosso ano novo particular. Em alguns países, inclusive, o dia do aniversário é tão importante, que a pessoa nem sequer trabalha no dia. Chega de planos para a virada do ano, se proponha um novo ano no seu aniversário, o dia em que você descobriu o que era esse planeta e que lhe foi dado o maior dom do mundo: a vida!

Fiz 0 planos para o dia de hoje (mesmo sendo a pessoa mais ansiosa que eu conheço), mas já começou a ser o melhor dia antes mesmo de ser. Comemore, celebre, agradeça e você vai o ano próspero que você terá! Feliz ano novo, para mim, e para você! Que seja leve, e que assim como eu, quando chegar o seu dia, você consiga pintar esse novo ano mais colorido.


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

O perfume mais famoso do mundo

Postado em:


Acredito que todo amantes de perfume tem predileção por uma marca específica, e sempre que aprece algum lançamento logo deseja conhecê-lo. No meu caso, pelo menos, é assim. Sou apaixonada pela Chanel, acho todas as criações maravilhosas, apesar de não achar que minha pele e gosto pessoal se adaptem a todas as opções. E além de tudo, é uma marca atemporal e cobiçada por homens e mulheres. Dificilmente será esquecida, pois ela consegue se recriar mantendo suas raízes todos os dias.

E foi pensando nesse sucesso, principalmente com o imortalizado Chanel n°5, que foi lançado nesse mês um livro sobre a história desse queridinho e eterno perfume, uma história que já contei aqui para você, mas que não vejo a hora de ler esse romance de Michelle Marly. Ele já foi traduzido para 14 idiomas, e aqui no Brasil sairá com o selo da Tordesilhas.

“Mademoiselle Chanel e o cheiro do amor” narra os fatos reais de um dos períodos mais fascinantes e ao mesmo tempo misteriosos da vida de Coco Chanel. Se passa em sua cidade, Paris em 1919, em que no ápice de sua carreira ela perde o seu amante em um acidente. Muitas pessoas temem que aquela perda que a abalou tanto possa fazer com que Gabrielle desista de sua carreira e criações, mas ela usa aquele momento como trampolim e inspiração para um projeto que lhe devolve a vontade viver e trabalhar. O projeto é exatamente o perfume que se tornou um ícone mundial e foi lançado em 1921.

Dizem que a capa tem um cheiro especial, e seu conteúdo nos leva a imaginar que nós mesmos estamos naquela época pelas ruas de Paris, observando o desenrolar dessa história acontecer.


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Para cada época uma experiência

Postado em:

Dizem que passatempo de virginiano é arrumação, digamos que eu prefira manter tudo arrumado que arrumar sempre, dá muito menos trabalho manter as coisas nos seus devidos lugares do que viver em uma arrumação infinita. E pela primeira vez em anos, depois de muitas mudanças de residências e várias arrumações e limpezas sem fim, decidimos botar a casa em ordem de uma vez por todas. E dessa vez tenho fé de que arrumamos lugar definitivo para cada objeto da casa, e que conseguiremos manter a ordem. Caixas e caixas de lixo, mais caixas de doações, e a sensação de ambiente renovado e casa limpa.

Adoro poder renovar, não acumular, e sempre doar para quem quer que precise. Não sou a favor do: ‘Vou guardar, porque um dia irei precisar’. Até minhas coleções não ocupam muito espaço. Exceto por uma, livros! É o item que eu amo, não troco por kindle algum, acumulo, não empresto e amo! Já consegui ler pelo menos dois livros por mês, hoje em dia a leitura anda bastante estagnada. Pego um livro, começo, desisto, começo outro. Estou tentando voltar com esse bom hábito que eu tanto amo. Títulos é o que não faltam, afinal um bom amante de livros jamais deixa de adquiri-los. Mas se engana quem pensa que eu sempre amei esse mundo da leitura, não acredito que as escolas e o ensino brasileiro saiba mostrar à criança como é bom ler. Tenho ódio dos clássicos, e suas palavras difíceis, que na época eu só conseguia entender com os resumos prontos da internet. Guardo um único, de Eça de Queiroz, pelo qual tenho apego. Todos os outros aprendi a admirar e a apreciar, bem mais tarde. Eis um grande problema no ensino por aqui.

Aprendi a amar os livros, na época do tão querido Harry Potter, aquele bruxinho que tinha a minha idade na época em que o livro foi lançado e que fez uma geração inteira amar e se deliciar com cada parágrafo daquela coleção que tinha uma história fascinante. Admito que amo até hoje tudo que se trata desse mundo de magia e que envolve o HP. Acredito que os livros devam ser apresentados de acordo com a idade dos alunos. Como amar Graciliano Ramos na 5ª série, e tantos outros?

Lembro-me quando eu estava na casa da minha avó, e na gaveta do criado mudo do seu quarto ela guardava o seu perfume favorito dentro da caixa original para ‘ocasiões especiais’. O perfume era Gabriela Sabatini, um cheiro que eu guardo na memória com todo amor, todas as vezes que eu sinto por ai. Foi um presente da minha mãe para ela, e cada gotinha era usada com muito amor. Mas ao mesmo tempo, não consigo me imaginar usando esse perfume ou até o clássico Chanel n°5, são considerados pelos nossos narizes como cheiro de ‘senhoras’. Não que essa categoria seja pejorativa, mas talvez por terem marcado aquela geração. Acredito que perfumes assim como livros, devam ser apreciados na época certa da vida, imagine só uma criança de 2 anos usando um J’adore ou um Ferrari Black? Simplesmente, como se diz aqui no interior, ‘não orna’.

Assim penso, de algumas coisas na vida, e espero que certos ‘costumes’ mudem com o tempo, para que as pessoas consigam valorizar o que se deve ser valorizado em cada momento da vida. Principalmente para criar amor e dar valor.


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Fora de moda?

Postado em:

O inverno está aos poucos se despedindo de nós, para deixar chegar a perfumada e linda primavera. As estações chegam e se vão trazendo e levando tendências para todos os lados: vestuário, perfumes, decoração, comidas, etc. Um dos grandes problemas dos lojistas, principalmente de vestuário e acessórios, é o que sobra das coleções passadas e as eternas promoções com elas. Mas caso você não saiba, tem muitas marcas que não permitem que seus produtos entrem em promoção, e ai o que é feito com o que sobra das coleções?

Pois no ano passado a empresa de luxo britânica Burberry divulgou que destruiu todo o estoque de produtos que não conseguiu vender, e não de uma maneira qualquer, foi tudo queimado. Roupas, acessórios em geral e perfumes foram destruídos sob justificativa de proteger a marca. Assim eles alegaram em um relatório divulgado agora em Julho, dizendo que o objetivo da empresa era impedir que seus desenhos e modelos fossem roubados ou vendidos no mercado negro por um preço menor do que o que valem realmente. Segundo os dados divulgados, todos esses itens foram avaliados em 28,6 milhões de libras (cerca de 142 milhões de reais).

Segundo a empresa os ambientalistas não precisam se preocupar, pois o tipo de processo de queima que eles usam no polui, na verdade a energia gerada é armazenada. Alegaram também (para a nossa tristeza), que no ano passado o volume de produtos destruídos foi muito maior que o usual, pois eles tiveram que ‘se livrar’ de muitos perfumes após assinarem um novo contrato com a marca americana Coty. Por esta razão, a empresa britânica foi ‘forçada’ a eliminar criações, principalmente fragrâncias, que tinham um valor total de 10 milhões de libras.

Eles enfatizam que nos últimos anos, a marca tem aumentado seus esforços para se posicionar como um dos principais logotipos do mercado de luxo mundial, tentando recuperar a exclusividade que a caracteriza. E isso implica evitar, sob quaisquer circunstâncias, cópias, imitações e qualquer desvalorização da marca, mesmo que isso custe trabalhar com estoques limitados de produtos.

Ao mesmo tempo que vemos esse tipo de prática no mundo, em que a exclusividade é a palavra chave para empresa, estava assistindo outro dia um programa super interessante sobre upcycling, já ouviu falar sobre isso? É o processo de criar algo novo e melhor a partir de itens antigos ou descartados. É diferente da reciclagem, pois utiliza materiais existentes para a criação de algo melhor que o original. Não é um processo simples, pois requer muitas criatividade, mais investimento, muito amor e principalmente uma consciência ambiental. Um exemplo prático é usar uma camiseta antiga como um pano de chão, isso é considerado reciclagem ou reutilização de material, já no upcycling você recria a camiseta com algum retalho ou então com uma camiseta da coleção passada. Não deixa de ser uma reutilização, mas leva outro nome! Uma marca no Brasil que já pratica esse tipo de consciência é a Farm, eles recolhem a coleção passada das lojas e fazem o upcycling dela. Dentre tantas outras no Brasil e internacionalmente que você pode facilmente procurar pela internet ou até mesmo praticar você mesmo essa atitude.

Um verdadeiro paradigma, valores diferentes, mas ao menos pensando no futuro ambiental. Difícil pensar no que concordar ou discordar, o importante é respeitar a posição de cada marca e tentar usar aquilo que se pareça mais com a nossa forma de enxergar o mundo.


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

You give me fever!

Postado em:

Uma história engraçada me ocorreu há unas 15 anos atrás em um show de pagode, que se misturava a frio e uma lua cheia maravilhosa. Lá fui eu com os amigos, e no meio da diversão só conseguia sentir aquele cheiro doce e que para muitos é inebriante, para mim foi motivo de uma bela história para ser contada, sim o cheiro da famosa maconha que pairava pelo ar do local me fez passar mal e perder os sentidos. Só percebi a situação, depois de acordar com metade de uma garrafa de água lavando o rosto, e a risada de quem fumava o famoso ‘cigarrinho’ ali por perto.

Pois essa semana, essa história voltou à minha memória com um lançamento de uma das grifes mais famosas e cobiçadas do mundo seja na moda ou perfumaria, a Carolina Herrera. E num dos seus mais famosos perfumes, o 212, eles decidiram usar desse ingrediente tão peculiar para surpreender seus clientes. São duas edições (uma feminina e outra masculina) limitadas para esse verão de 2018. Os novos flankers (versão de uma fragrância que já fez muito sucesso) 212 VIP Party Fever e 212 VIP Men Party Fever, seguindo os originais 212 VIP e 212 Vip Men lançados em 2011, são inspirados em festas de Verão e na cena clubbing. Essa novidade foi lançada recentemente como bizarra e fresca, representando o luxo e a descontração destes eventos.

A fragrância feminina é um floral frutado, com notas de topo de lichia, licor e framboesa. As notas de coração são jasmim e oceânicas, e as notas de fundo são almíscar, sândalo e outras amadeiradas. Um cheiro sofisticado, sedutor e vivaz. Já a fragrância masculina é um amadeirado especiado, com notas de topo de gengibre, bagas de zimbro (junípero), maçã vermelha, cítricos e tamarindo. As notas de coração são frésia, gerânio e Cannabis (porém não possui o THC), já as notas de fundo são vetiver, olíbano, cedro, almíscar e fava tonka.

A promessa é de uma ‘febre festiva’, assim como o nome indica, mas sem a ‘onda’ que o THC confere a quem o usa. Seja lá como for, acho que ainda assim é melhor eu ficar longe desse cheiro que me lembra aquele episódio no mínimo engraçado, e você, vai experimentar?


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Reinventando

Postado em:

Dias lindos e quentes, céu azul só que falta o tempo chuvoso e a real sensação de verão sem essa secura que causam tantos problemas de saúde. Mas foi pensando nessa época do verão que um dos perfumes mais clássicos da história foi reinventado, o Eau de Givenchy.

O original foi criado em 1980 por Hubert de Givenchy. Na época ele criou um perfume que enaltecesse a juventude, a alegria e a felicidade. Era discreto, fresco e amadeirado, contrastando com as inebriantes fragrâncias que eram tendências na época. Já a sua releitura, s-se na própria história do seu criador e tende a transportar quem o uso para um cenário fresco e tranquilo entre as árvores e com vista pro mar do sul da França. A história conta que foi exatamente em 1980 que Hubert, descobriu o seu refúgio predileto de sonho e paz em Saint-Jean Cap Ferrat na França, era uma casa de campo no meio da natureza rodeada de jardins e terraços que se estendiam até o mar.

Baseado nesse sonho de lugar, Fraçois Demachy, perfumista da LVMH, resolveu reinventar esse maravilhoso clássico.O resultado foi uma fragrância fresca, moderna e que provoca a sensação dessa deliciosa brisa fresca e úmida de verão. Unissex, com bergamota, limão, laranja e tangerina que se misturam com amêndoa amarga, flor de laranjeira e almíscares e conquistam os gostos mais rigorosos. Enquanto o verão não chega por aqui, porque não experimentá-lo em forma de fragrância!

Um rose com cheiro de verão

Postado em:

Os aromas estão conquistando cada vez mais amantes, principalmente quando o assunto é vendas. Quando usados de forma correta são um apelo maravilhoso para conquistar seus clientes e fazê-los se apaixonar e desejar o seu produto. Você se lembra daquelas propagandas de perfume nas revistas importadas, que tinha uma aba que você abria e conseguia sentir o cheiro do perfume, que depois evoluiu para fricção e até os produtos vendidos em catálogo começaram a utilizar também?

Essa tecnologia foi criada na década de 1960, quando um químico chamado Gale Matson que trabalhava na 3M, criou um processo chamado microencapsulação que permitiu a criação de múltiplas cópias de documentos sem o uso de papel carbono: envolveu duas folhas de papel, em que uma delas foi revestida com microcápsulas, contendo tinta incolor e a outra tinha sido pintada com revelador químico. Os papeis foram empilhados uns sobre os outros, com o papel de microcápsula no topo, então, quando a folha foi escrita as cápsulas no papel quebravam permitindo que a tinta entrasse em contato com o produto químico na folha inferior. A empresa logo percebeu que esse processo poderia ser usado em outros produtos além da tinta, como por exemplo os óleos essenciais e essências. Assim, quando revestir um pedaço de papel com microcápsulas contendo óleos perfumados, ele soltará a fragrância quando for raspado liberando essas microcápsulas. Os primeiros adesivos com essa tecnologia foram lançados em 1977, para os professores colarem nas provas e trabalhos dos alunos com mensagens de incentivo, e assim também liberar um perfume gostoso quando friccionados. Essa ideia se tornou muito popular nos anos 80 e 90, e os adesivos perfumados viraram mania, e essa ideia nostálgica está voltando ao mercado com novos desafios!

A Winc, uma vinícola Californiana, propôs essa deliciosa experiência para os admiradores de roses, o rótulo além de divertido pode ser ‘arranhado’ ou friccionado, e assim você pode sentir o ‘bouquet’ do vinho. O nome dele? Cocomero, que quer dizer melancia em italiano. A vinícola já é conhecida por produzir roses com estilo italiano há alguns anos. Esse vinho já possui safras de 2015 e 2016, mas somente a de 2017 possui esse rótulo maravilhoso! A safra de 2015 tinha notas de cereja, pétala de rosa e melancia; a de 2016 tinha morango, pêssego e melancia; já as de 2017 inclui madressilva, ruibarbo e melancia. Dá pra entender o porquê do nome do vinho não é? E eles têm em comum também serem todos secos, e as safras de 2015 e 2016 já se encontram esgotadas. O rótulo Cocomero, é produzido com uvas Barbera, uma uva originalmente italiana, é conhecida por produzir vinhos com sabor de frutas vermelhas e escuras com uma qualidade levemente ‘herby’. Tem baixos taninos e alta acidez, deixando o vinho de certa forma ‘suculento’, um rose ideal para os dias quentes.

A propaganda do produto já diz: a diversão já começa antes mesmo de você abrir a garrafa! Eles chama o rótulo de ‘scratch-n-sniff’ (arranha e cheira), a fragrância de melancia vai com certeza fazer com que você queira abrir a garrafa bem rapidinho e degustar esse delicioso produto! Não sei dizer se ele já pode ser encontrado no Brasil, para quem tem acesso, está sendo vendido pelo site da empresa Winc por US$ 15. Um pouco de nostalgia com o cheiro em formato de fricção e muito sabor e prazer com um produto incrível!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

You!

Postado em:


Pequenos momentos sempre tiveram um valor fora do comum para mim, a vida me ensinou a valorizá-los como nunca, pois tudo muda de uma hora pra outra. Sentar ao lado de quem a gente ama, por exemplo, e só curtir aquele momento, sentir o cheirinho daquela pessoa querida e agradecer por poder viver aquilo é algo que deixa meu coração mais feliz. E o lançamento de uma fragrância feminina no final de 2017, que já levou o prêmio de melhor perfume de 2018, veio complementar esses momentos.

Um perfume com um nome que já intriga ‘You’ (você em português), o que podemos esperar de uma fragrância que se diz ser nós mesmos? Pois foi exatamente nisso que a marca Glossier pensou, porque não criar uma fragrância que realça algo que Deus já criou tão perfeitamente, o nosso cheiro, aquele que nós mesmos não sentimos perfeitamente. Ele é como se fosse um produto inacabado, de acordo com o invólucro do produto, o ingrediente mais importante dele é quem o usa: ‘Sua fórmula vem incompleta porque você é o primeiro ingrediente.’ Esse realça combina a feminina íris, o sedutor almíscar e notas aconchegantes atalcadas. Os perfumistas responsáveis por esse incrível lançamento são: Dora Baghriche e Frank Voelkl.

O objetivo é que a fragrância se funda aos óleos naturais do corpo com as notas de o compõe, orquestrando assim uma bela e perfeita sinfonia! Na famosa premiação da The Fragrance Foundation, conhecida como o Oscar dos perfumes, o elegeram como a Fragrância do Ano na categoria feminino popular. Já na categoria feminino de luxo temos Tom Ford Fabulous. O ‘You’ está disponível para compra no site da marca, o frasco de 50ml sai US$ 60.

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​