À Francesa

Postado em:

Voltar à rotina do dia a dia no trabalho e afazeres não é fácil depois das festas de Dezembro. O corpo parece renovado, mas ao mesmo tempo preguiçoso, como se ainda vivesse no tempo da infância em que Janeiro dignificava férias. Mais difícil ainda, quando pequenos motivos tornam o dia a dia mais árduo, como exemplo os transportes públicos. O atraso, a falta de uma frota decente e suficiente, o calor, a multidão e até mesmo o cheiro desses ônibus e metrôs tornam o ir e vir mais penoso e o nosso dia menos agradável. Afinal, para a grande maioria do nosso país e do resto mundo, o transporte público é o meio mais comum de locomoção, e devia ser cada vez mais.

Como você com certeza sabe, a França é com certeza o lugar que nós mais lembramos quando o assunto é perfume, lá estão as mais famosas Casas de Perfumaria de todo o mundo. E em uma das maiores (e até mais bonitas, como dizem os franceses) cidades do país, e berço gastronômico, Lyon está situada há apenas duas horas de Paris. Ela possui quatro bairros inscritos como patrimônio mundial da Unesco e bem pertinho ainda se encontra duas das principais regiões vinículas da França: Beaujolais e Cotês Du Rhône.

Nessa belíssima e muito visitada cidade, a prefeitura se incumbiu de deixar esse dia a dia no metrô mais agradável. A empresa Sensorys  especializada em marketing sensorial se incumbiu de instalar dispositivos nas 9 principais  estações que liberam no ar uma fragrância de chá verde cítrico. Na propaganda, a empresa já dizia: “O equipamento das principais estações de metrô da cidade”.

O dispositivo é bem discreto, e estão em pontos estratégicos das estações, como por exemplo esse na foto que está no terminal de bilhetes, na entrada da principal estação da cidade. É uma pequena caixa de metal a partir da qual um tubo difunde a fumaça com a fragrância. Foi instalado um total de 55 equipamentos pelos corredores e plataformas. O dispositivo transforma o liquido perfumado em uma espécie de nevoeiro que se espalha no lugar e chega às suas narinas. O aromatizador usado não possui alérgenos respiratórios, nem produtos cancerígenos ou voláteis.

Já a fragrância, foi escolhida visando melhorar o conforto e o bem estar do usuário, reduzindo o nível de estresse durante a viagem. O projeto também já está sendo implantando na rede de ônibus. Resta saber se os cidadãos e turistas de Lyon aprovaram o projeto, e se apreciaram a fragrância, ou se ainda preferem o cheiro tradicional do metrô e dos ônibus!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Melhor prevenir do que remediar

Postado em:

“Oh! Que saudades que tenho. Da aurora da minha vida. Da minha infância querida. Que os anos não trazem mais!” Foi com esse poema de Casimiro de Abreu, que decorei por que achava lindo ficar declamando, que aos oito anos deixei o meu avô cheinho de orgulho. Segui repetindo cada versinho durante um longo e interminável dia, para a tristeza dos meus familiares. Por um tempo achei aquelas frases sem sentido, completamente chatas, mas nessa primeira semana do ano ele me veio à cabeça como um carro desgovernado. Que saudades de quando janeiro significava as férias de verão!

Férias! Seis letrinhas que significam um mundo de coisas, e que sempre terminam antes da gente completar aquela listinha básica do que fazer, porque o sono e a preguicinha sempre falavam mais alto. Que saudades de quando o mundo era realmente um sonho dourado, que não precisávamos nos preocupar em levantar cedo, nem em comer tão certinho (meu café da manhã era um copo de coca cola com pão), que o ano terá uma das eleições mais importantes da história do país e isso pode modificar muitas coisas em nossas vidas, que 50 reais na carteira já não compram mais nada, que o coração sem as mágoas do tempo sabia amar sem medo e sem limite. Que saudades de quando a maior preocupação na agenda era definir o que levar pro passeio e que brinquedo escolher ou fazer para se divertir o dia todo. Torcer pro sol aparecer e poder se divertir no quintal.

E quando dava, uma das melhores partes das férias de janeiro era a tradicional viagem para o Guarujá ou Santos, no litoral paulista. Foram anos ‘batendo cartão’ naquelas areias do Gonzaga e pitangueiras. Acordando cedinho pra aproveitar o sol leve e comendo muito milho verde (na espiga, porque no pratinho não tem nem o mesmo sabor), queijo coalho (com aquele toque de areia), picolé (frutilly, limão e tablito), e claro que muita lula frita e casquinha de siri.

Desde aquela época fui formando minha opinião quando o assunto é viajar, como faz bem pra alma, conhecer lugares e pessoas diferentes, principalmente quando os destinos envolvem praia e serra. Você pode até não gostar de viajar por N motivos, mas vai ter que concordar que o mar e o verde acalmam sim, a natureza cura! Se você ainda não acredita nessa afirmação, agora temos como conversar, porque os cientistas confirmaram essa informação. Pois é, foram cientistas da escola de medicina Nippon, em Tóquio, eles comprovaram que o poder da natureza pode ser ainda maior. Eles comprovaram que só o fato de você respirar fundo enquanto passeia por uma floresta ou pela beirada do mar faz os sintomas do estresse irem embora. Sentir esse ar puro também multiplica moléculas que combatem o câncer.

Essa pesquisa foi publicada no livro de Imunofarmacologia e Imunotoxicologia. O pesquisador japonês Qing Li criou dentro da escola um centro de estudos que quer aplicar a aromaterapia, para melhor bem estar físico e psicológico das pessoas, e está realizando esses estudos que mostram que apenas olhar uma paisagem natural já causa diminuição dos níveis de estresse e da pressão arterial, mas o efeito é ainda maior quando você sente o aroma.

Já não era necessário esse estudo para saber como é importante a preservação da natureza para a continuidade da vida humana na Terra. Mas quem sabe estimule você a cuidar ainda mais. Não é atoa que grande parte dos remédios são extraídos de plantas e ervas, os índios sabiam disso muito antes dos portugueses chegarem por aqui. E se faltava uma desculpa para dar uma fugidinha para o meio do mato ou para a beira da praia, ela não será mais necessária. Afinal, é melhor prevenir do que remediar!


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Tudo novo de novo!

Postado em:

Feliz novo ano! Sim, mas só se você permitir. Acho que o maior problema da humanidade em geral, é não conseguir desapegar do passado, do que já foi bom ou ruim um dia. Sejam sonhos, momentos, projetos, pessoas, lugares, etc. E não estou sendo hipócrita, também tenho minha enorme parcela de culpa, mas o ano novo traz esse sentimento de renovação, e se formos realmente verdadeiros conosco, e colocarmos pontos finais reais e metas para esse novo ano, conseguiremos seguir em frente sem nenhum apego ao que passou.

A vida é bem como perfume se formos pensar com cuidado, podemos ter uma variedade de perfumes, mas sempre teremos um preferido, aquele que faz a gente se sentir bem e nos conecta com nosso eu mais verdadeiro. E às vezes, mesmo que o perfume acabe, continuamos guardando o frasco com aquele restinho lá no fundo, aquele que dependendo do vidro e do perfume podemos ver ficando até amarelado com o tempo, na esperança de que ainda saia um vaporzinho com aquela fragrância conhecida. Mesmo sabendo que com o tempo ela acaba oxidando quando não usada.

Mas um belo dia, assim como quando começa o dia 1 do ano, somos apresentados a uma nova fragrância, uma nova promessa de algo melhor, acolhedora e até mesmo sedutora. E você experimenta com cuidado, admira o frasco, ente primeiro pelas narinas, depois coloca na pele, e vai percebendo que é hora de desapegar do antigo perfume e começar a valorizar o novo. Vez ou outra a gente pode até usar, ou simplesmente sentir o cheiro daquele fundinho no do frasco antigo, mas o novo pode ser surpreendente.

Sim, a partir de hoje, são 361 dias e novas possibilidades de escolhas e vivências. Como diria o poeta, é dentro de você que o ano novo cochila, e não de um ponteiro marcando meia noite no relógio. É dentro de nós que a mágica acontece, que a gente ensina o coração a desapegar do que foi, e desperta pro novo, por isso é tão importante aprender a dar valor aos momentos mais simples dessa vida. É hora de decidir que o tempo do velho bálsamo acabou e aprender a enaltecer a fragrância do presente e suas dádivas. Vai lá, usa aquele perfume novo, aquela roupa guardada pra uma ocasião especial, faz aquela comida que tem vontade, dança como se ninguém tivesse te olhando, tenta aquela oportunidade de emprego, se arrisca num encontro, dá mais um abraço em quem você ama....VIVA e RENOVE-SE! Feliz 2018! Feliz tudo novo!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Sonho de princesa

Postado em: - Atualizado em:

​O fim do ano está quase ali na esquina, e aquele balanço de vida logo vem sendo feito. O que foi bom continua, o que foi ruim a gente tenta não repetir, mas o mais legal é se arriscar em coisas novas. Poucas coisas na vida são mais legais, do que a sensação de fazer algo pela primeira vez, ainda mais quando achamos que é algo que não podemos ou conseguimos. Quem sabe tocar violão, aprender uma nova língua, se exercitar, achar um novo emprego, mudar de cidade, se permitir encontrar um novo amor...

Além de tantos desejos e metas, queime a língua a menina que nunca sonhou com uma história de princesa. Já dizia que essa história havia se realizado com o encontro entre o Príncipe William e a Srta, Kate Middleton, agora duque e duquesa. Mas acho que essa história foi recentemente atualizada pelo Príncipe Harry e a Srta. Meghan Markle, e está dando o que falar na imprensa internacional, sendo o evento mais comentado e esperado pelos jornalistas (já superou a copa do mundo), e se realizará em maio de 2018. Uma jovem americana divorciada, encantada pelo mundo real, que depois dos 30 aceita um encontro às cegas com um príncipe famoso pelas peraltices e acabam se apaixonando e se casando.

Um casamento de princesa, mesmo que não sendo com um príncipe da realeza como está sendo o de Meghan, é algo sonhado mesmo depois da infância por muitas mulheres. E hoje em dia esse evento está cada vez mais associado ao mundo dos perfumes. Kate Middleton, por exemplo, tem como perfume favorito o perfume English Pear & Freesia, assinado pela marca inglesa Jo Malone. E como não pode escolher tantos detalhes do seu casamento, até mesmo por conta de protocolos, pôde dar um toque especial na cerimônia. A Abadia de Westminster foi inteira perfumada para a cerimônia real com velas da mesma marca do seu perfume favorito, nas fragrâncias de Orange Blossom e Lime Basil & Mandarin.

As noivas procuram os aromatizadores e velas para perfumar as igrejas, a entrada do salão, os convites, as lembranças, os banheiros, tudo que for possível deixar uma certa ‘marca’ e eternizar aquele momento tão importante na vida de duas pessoas.

Seja qual for seu sonho, até mesmo se tornar uma princesa ou príncipe, que ele possa se tornar realidade e te fazer imensamente feliz nesse 2018. Feliz Ano Novo! Feliz Tudo Novo!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Perfume da Alma

Postado em:

Essa semana eu iria continuar a escrever sobre as tantas lendas perfumadas que envolvem o Natal, mas não consegui. Em nenhum momento meu pensamento me deixou escolher palavras para enfeitar essa época que eu tanto amo, quando a minha cidade inteira ainda está em luto depois de uma triste fatalidade com cinco jovens meninos.

Eu sei bem que a todo momento e em cada pedacinho do globo terrestre, acontecem milhares de fatalidades, mas não adianta descordar que quando esses incidentes acontecem tão perto de nós e com pessoas do nosso convívio eles doem mais. O que mais aprendi nesse final de semana com tantas coisas que aconteceram além desse triste acontecimento, foi que as comparações de dores são inúteis, o que é uma faísca para você pode ser um imenso incêndio para mim, o ser humano precisa aprender a respeitar a dor do outro e o quanto tragédias assim mexem com cada um.

Apesar da pouca idade, também aprendi, que quando alguém muito querido se vai, um dos tesouros mais bem guardados que ficam é o cheiro daquela pessoa. Não aquele recém saído do banho, o verdadeiro cheiro, aquele que quando um bebê nasce, ele já carrega em si. Das minhas maiores saudades (meus avós) é o que mais me recordo, o delicioso cheiro deles que me fazia sentir amada e acariciada. Mais um motivo para esse mundo incrível e mágicos dos cheiros me maravilhar. Os momentos difíceis se vão, o tempo se encarrega disso por mais que demore, e o que fica foram as coisas boas, os sorrisos, as brincadeiras, as horas de conversa, o silêncio compartilhado, os momentos ternos, e tantas outras coisas.

Que com essas partidas possamos refletir ainda mais neste Natal, e crer que essa vida não tem fim, apesar de muitos irem embora tão cedo e outros viverem até seus centenários. Que saibamos desfrutar de cada segundo dessa vida, e amar sem medidas e sem medo. Não deixe nada pra amanhã! Vai lá sentir aquele cheiro que te faz tão bem, e se embriagar das melhores companhias que a vida te oferece!

Um feliz e abençoado Natal a você!


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Gengibre, cravo e canela

Postado em:

Neste Natal estou gostando de estudar sobre as lendas pagãs ao redor do mundo que giram em torno dessa festividade tão amada por tantas pessoas. Dessa vez uma ação de marketing em São Paulo e inspirou a buscar mais sobre o famoso biscoito de gengibre. Eles nasceram na Rússia por volta do século IX, eles eram chamados de ‘pryaniki’, eram feitos com farinha, mel e suco de frutas, sendo que o mel era colocado em quantidades exageradas transformando a mistura em quase um bolo (daí o surgimento do tão querido pão de mel). Os ‘pryanikis’ eram feito em formato de animais para enfeitar as árvores de natal, eram feitos para os ricos e os pobres, como presentes, para casamentos, festas, e também para pessoas doentes com o objetivo de cura (neste caso assado em formato de anjos).

Anos mais tarde, o gengibre que não era uma especiaria facilmente encontrada na idade média, mas depois das Cruzadas e o contato dos europeus com o Oriente, várias dessas especiarias começaram a se tornar parte do uso, claro que inicialmente do clero, e as primeiras descobertas com esses novos produtos acontecia dentro dos mosteiros. E foi nesses locais que religiosos foram estudando a receita dos ‘pryanikis’ e do Lebkuchen (pão tradicional de gengibre) e criaram os biscoitos com gengibre adicionando várias especiarias para celebrar as festas do inverno, baseando-se em tradições Européias Pré-Católicas.

Já durante o reinado da Rainha Elizabeth I, da Inglaterra, em uma festa de Natal, resolveu fazer os biscoitos de gengibre com a cara dos convidados. Desde então essa tradição costuma aparecer nas festividades natalinas na Europa e América do Norte.

A primeira impressão feita sobre a história do ‘Gingerbread Man’ foi em maio de 1875. A fábula conta que uma velha senhora estava a assar um grande biscoito de gengibre em formato de boneco e quando abriu o forno, o biscoito pulou da forma e saiu correndo pela janela. A senhora e o marido começaram a correr atrás dele, pois estavam com muita fome, mas ele conseguiu escapar, enquanto gritava “Corra! Corra! Corra o mais rápido que puder! Você não pode me pegar! Eu sou o homem de biscoito de gengibre!

Enquanto corria, o homem de biscoito de gengibre encontrou um porco que disse: “Pare! Pare! Eu quero comer você!” E então ele respondeu: “Corra! Corra! Corra o mais rápido que puder! Você não pode me pegar! Eu sou o homem de biscoito de gengibre!”

Mais à frente, ele encontrou uma vaca faminta, que também queria comê-lo. E ele repetiu: “Corra! Corra! Corra o mais rápido que puder! Você não pode me pegar! Eu sou o homem de biscoito de gengibre!”

E todos corriam atrás do homem de biscoito de gengibre: a velhinha, o marido da velhinha, o porco e a vaca, mas ninguém conseguia alcançá-lo.

E então um cavalo também o viu e disse: “Pare homenzinho! Eu quero comê-lo!” E o homem de biscoito de gengibre falou mais uma vez: “Corra! Corra! Corra o mais rápido que puder! Você não pode me pegar! Eu sou o homem de biscoito de gengibre!”

Então o cavalo também começou a correr atrás dele. O pior é que o homem de biscoito de gengibre percebeu que estava correndo em direção ao rio. Ele pensou: “Oh, não! O rio! Agora eles vão conseguir me pegar! Como eu vou conseguir atravessar o rio?”

Foi nesta hora que uma esperta raposa saiu de trás da árvore e disse: “Eu posso ajudar você a atravessar o rio. Pule no meu rabo e eu nado até o outro lado.”

O homem de biscoito de gengibre, desconfiado, perguntou à raposa: “Mas você não vai querer me comer?” E ela respondeu: “Claro que não! Eu só estou tentando ajudar!” O homem de biscoito de gengibre acreditou na raposa e pulou no seu rabo.

Mas a raposa disse: “Você é muito pesado. Pule nas minhas costas, para eu poder nadar.” E ele pulou.

Quando estava, no meio do rio, a raposa disse: “Você é muito pesado. Pule no meu focinho!” E o homem de biscoito de gengibre pulou no focinho da raposa.

Quando chegaram à outra margem, a raposa jogou o homem de biscoito de gengibre para o alto, com a intenção de agarrá-lo com a boca, para poder matar a sua fome.

Mas o homem de biscoito de gengibre era mais esperto do que a raposa e saiu correndo, dizendo: “Corra! Corra! Corra o mais rápido que puder! Você não pode me pegar! Eu sou o homem de biscoito de gengibre!”

A raposa escorreu na margem do rio, caiu na água e foi levada pela correnteza. E desde esse dia, o homem de biscoito de gengibre corre por aí, sem que ninguém consiga pegá-lo.

E nessa primeira semana de dezembro a marca Bacio de Latte, famosíssima pelo seu gelatto, lançou sem mais novo sabor em parceria com a Otima e a Pilar (empresas de mídia e comunicação), preparando uma ação especial que deixou muita gente com água na boca. Para divulgar o novo sabor do Biscoito de Gengibre, o abrigo do ônibus localizado na Av. Paulista, 2026 liberou no ambiente aroma do novo sorvete feito à base de gengibre, cavo e canela. E assim, me inspirou a contar para vocês um pouquinho sobre essa outra lenda dessa deliciosa época de Natal.

E se essa crônica te deu água na boca, segue a receita do famoso bicoito:

Ingredientes:

- 3 xícaras de farinha de trigo

- 1e meia colher de chá de fermento em pó

- 1 colher de chá de bicarbonato de sódio

- 1 pitada de sal

- 1 colher de sopa de gengibre em pó

- 1 e meia colher de chá de canela em pó

- meia colher de cravo em pó

- 6 colheres de sopa de manteiga sem sal

- ¾ de xícara de açúcar mascavo

- 1 ovo grande

- ½ xícara de melaço

- 2 colheres de chá de baunilha

- 1 colher de chá de raspas de casca de limão

Modo de fazer:

 Em uma tigela pequena, misture a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal, o gengibre, a canela e o cravo até ficarem bem misturados. Em outra tigela bata a manteiga, o açúcar mascavo e o ovo em velocidade média até ficarem bem misturados. Adicione o melaço, a baunilha e as rapas de limão a essa última mistura e continue a bater. Aos poucos acrescente os ingredientes secos até incorporarem bem. Divida a massa ao meio e enrole cada metade em plástico e deixe descansar em temperatura ambientes por pelo menos 2h ou até 8h. Coloque uma porção de massa sobre uma superfície polvilhada com farinha, e nãos e esqueça de polvilhar também a massa e o rolo de macarrão. Abra a massa e corte os biscoitos com cortador em formato de homenzinhos. Asse por 7-10min. Após assados a tradição costuma decorar com glacê.

Ingredientes para o glacê:

- 1 clara de ovo

- açúcar de confeiteiro (o quanto necessário for)

- Corante alimentício (se desejar)

Modo de fazer o glacê:

Coloque a clara num recipiente e bata ligeiramente com um garfo até obter uma leve espuma. Acrescente o açúcar aos poucos, mexendo sempre, até obter um creme não muito mole. Se desejar colorir, adicione o corante. Enfeite os biscoitos com a ajuda de um palito e/ou saco de confeiteiro.

Boa diversão!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

O amor perfuma a vida

Postado em:

Pessoas são como perfumes, ora fixam na pele e deixam um rastro na atmosfera, acariciando nossa memória olfativa como a mais perfumada das flores, ora vem e vão como tempestades de verão: caem e evaporam rapidamente, deixando para trás o leve cheiro de terra quente que encontrou com a chuva gelada.

O olfato é um amigo traiçoeiro do coração. Sucumbe ao ar hipnótico do perfume alheio, perfume esse que nos faz viajar, bebe na fonte da insensatez e no faz questionar onde andava aquele cheiro. É a porta de entrada de um mundo novo, de uma sedução que você nem imaginou estar envolvido. Há só uma certeza naquele instante: há um cheiro de fraqueza no ar. Porque no instante em que inalamos o perfume certo, aquele destinado a nos fazer sorrir, o ar que respiramos muda de cor e se torna mais leve. Os sentidos se alteram, se confundem, o riso interno aparece juntamente com as borboletas no estômago e aquela velha conhecida amiga vulnerabilidade nos chama para sair.

Perfume é requisito básico, mas não age sozinho. É um complemento da conquista, uma extensão da sedução. Se o interesse já existir, as portas da paixão estarão abertas. Caso contrário, serão como as chuvas de verão. Embora o cheiro da chuva seja refrescante, deixa no ar a sensação de que poderia ter durado mais, e ter saciado a sede das plantas e das pessoas que caminham desavisadas sem guarda chuva. Afinal, o perfume vai além do cheiro, está na atitude de quem o coloca.

Sabe a tampa da panela? Então, com o perfume funciona bem assim, existe aquela fragrância certa, endereçada, que encaixa exatamente para a pessoa que o tem que sentir. Ele nos atinge de uma forma diferente, quase insana, desconhecemos o cheiro até o momento em que queremos respirar aquele ar (quem sabe) para sempre. É a química do destino agindo nas suas costas.

Na verdade, o frasco combina apenas algumas moléculas, porque no momento que ele entra em contato com a pele, ele se transforma, e ali é criado um cheiro único, singular e exclusivo. E se for para você cruzar com esse perfume, você será fisgado!

Mesmo sem querer buscamos um cheiro que nos acalme, que nos remeta a uma tranquilidade rara e indelével. É desse perfume que nós precisamos, pessoas lírio, pessoas que sejam aquele perfume delicioso cujo aroma é aveludado e nos acaricia como uma confortável onda, um edredon recém chegado da lavanderia ainda quente da secadora, ao qual queremos nos aconchegar. Uma história começa pelo cheiro e se mantém pelo perfume marcado em cada momento, em cada lembrança. O amor perfuma a vida!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Underneath the mistletoe....

Postado em:

E começa a minha época favorita do ano, aquela que amansa os corações, deixa os sorrisos mais largos, conseguimos encontrar finalmente os amigos e família para confraternizar, as músicas ficam mais alegres, os lugares ficam totalmente decorados, e a disposição de começar cada dia maior. Pelo menos, comigo é assim, o coração parece que toma fôlego para encarar a correria que também aumenta e mais alegria para começar cada dia.

O natal também é tempo de muitas tradições, como a da árvore de Natal e a da ceia na noite do dia 24 de dezembro. Mas existem algumas tradições que só existem em algumas culturas, como a do beijo embaixo do ramo de visco ou mistletoe. Este último é o nome em inglês para visco, uma planta arbustiva nativa das regiões temperadas da Europa e do Oeste da Ásia. A tradição diz que duas pessoas que se encontram debaixo do visco devem se beijar.


O visco foi usado pelos druidas 200 anos antes do nascimento de Cristo nas suas celebrações de inverno. Eles reverenciavam a planta pois não tinha raízes e ainda assim ficava verde durante os meses de inverno. Já os antigos celtas, acreditavam que o visco tinham poderes mágicos de cura e usavam-no como antídoto para veneno, infertilidade e para afastar espíritos maléficos. A planta também era vista como um símbolo de paz e dizem que entre os romanos, os inimigos que se encontravam embaixo de um visco baixavam suas armas e se abraçavam.

Como o costume de se beijar embaixo do visco é Escandinavo e passou de mão em mão através dos mitos nórdicos, existe um mito que é muito interessante sobre a planta, nomeado de O Mito de Baldur. A mãe de Baldur era a deusa nórdica, Frigga, e quando ele nasceu ela fez com que cada e qualquer planta, animal e objeto não prejudicassem Baldur. Mas Frigga negligenciou o visco, aproveitando-se disso um brincalhão, chamado Loki, matou Baldur com uma lança feita de visco. Desde então o visco traria amor ao invés de morte no mundo, e que quaisquer duas pessoas que passassem sob o visco deveriam trocar um beijo em memória de Baldur.

O nome mistletoe veio de uma observação dos pássaros, pois o visco muitas vezes aparecia em um ramo ou galho onde os pássaros haviam deixado fezes. Então o nome mistletoe teria-se originado de duas palavras: ‘mistle’ que é a palavra anglo-saxônica para esterc e ‘tan’ que é a palavra galho. Sua tradução seria ‘esterco no galho’, não é muito romântico, mas tudo bem. A gente perdoa os intelectuais.

No Brasil, essa tradição não existe, utilizamos o visco apenas como enfeita da árvore de Natal, mesmo não sabendo. Mas segundo a tradição os jovens têm o privilégio de se beijarem sob ele, arrancando a cada vez uma baga vermelha do arbusto. Quando todas as bagas se acabam, o privilégio cessa. Nos Estados Unidos eles realizam essa tradição, porém com o visco anão e não realizam a parte de arrancar as bagas, mas seguem a tradição do beijo.

Eu sempre fui apaixonada por essa lenda, ela está bem ilustrada em filmes, desenhos, músicas e livros, e esse ano decidi usar esse pequeno e simbólico elemento, o mistletoe, como tema para criar uma fragrância de natal. Que lembrasse essa lenda e aquele aroma delicioso das plantas e do pinheiro de natal natural, e em cada frasco coloquei um ramo que lembra o visco e para finalizar uma fita vermelha. Pra mim, o cheiro de Natal é exatamente isso!

E para você, qual seria o cheiro que você gostaria de poder borrifar pela sua casa no Natal?

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Como seria se....

Postado em:

Essa semana minha trajetória como empreendedora no mundo dos perfumes completou 6 anos, e com ela um novo olhar sobre o presente e futuro dessa área. Durante a semana pude, entre conversas, compreender mais profundamente com profissionais de tantas áreas, como o mundo está mudando para melhor principalmente quando o assunto é tecnologia. Hoje escutei algo que realmente acredito, que já nasceram as pessoas que verão o mundo como acreditávamos que seria nos anos 2000, e que viverão com certeza até uns 150 anos. Será que seremos algo parecido com Os Jetsons (se você nasceu depois da década de 90, põe no Google).

Uma das minhas grandes paixões quando o assunto é hora de relaxar, além de livros, é ligar a tv é assistir programas relacionados a comida e reformas. Mas quero focar nas comidas nesse momento, fico pensando o dia em que o apresentador irá falar: você não pode imaginar o cheiro que está aqui no estúdio, e a gente vai quase poder comer com os olhos e o nariz e passar embaixo da mesa com a Ana Maria Braga.

Ou até quem sabe o dia, que estaremos trocando mensagem com as amigas, que costumamos mandar os looks, pra ajudar na escolha das roupas pra festa, e ela conseguirá nos ajudar em qual perfume combina mais com aquela ocasião. Ou que estaremos falando com nosso amor, e sentir seu perfume mesmo estando do outro lado do mundo, ou ate mesmo em algum bairro próximo, mas ter essa ‘proximidade’.

Imagina você estar olhando sua timeline do instagram e a cada foto que olha conseguir sentir o cheiro de cada uma. O prato novo que o cunhado inventou, o cheirinho de mato da viagem do melhor amigo, o perfume daquela mulher linda, o aromatizador naquela estante do ambiente que você sonha montar em sua casa, o cheiro de chocolate daquela marca que você tanto ama! Seria um mundo de sonhos! Porque claro, a tecnologia evolui, mas o que é ruim ficaria com certeza ‘bloqueado’.

Estou me aproximando dos 30, e muita coisa mudou nesse tempo, mais do que muitos dessa nova geração conseguem imaginar. E fico me perguntando, e daqui 30 anos? Como estaremos vivendo? O que estaremos comendo? O que se tornará obsoleto? Como a tecnologia vai mudar cada segundo da nossa vida e do nosso modo de viver? Eu realmente espero que as mudanças e conhecimento venham para o bem, e para tornar o nosso mundo ainda melhor! Para curar doenças, melhorar a qualidade de vida e principalmente conseguir fazer com que cada ser humano nesse globo seja muita feliz e saudável! 

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Banho é bom!

Postado em:

O mundo do marketing está cada dia mais evoluído e mais ousado. As empresas não perdem uma chance sequer de apostar nas maiores bizarrices para conquistar seus clientes. E foi bem assim que a gigante do frango frito KFC lançou seu mais novo brinde. No ano passado eles já haviam presenteado seus clientes com dois produtos interessante, velas perfumadas e protetores solares com aroma de frango frito. Ou melhor dizendo, com o aroma do tempero de mistura de erva que eles usam nesse prato tão bem aceito pelos consumidores da rede.

Dessa vez, foi uma franquia japonesa que presenteou seus clientes nesse começo do mês com apenas 100 unidades de nada mais, nada menos, que uma esponja efervescente de banho. Os 100 sorteados poderão sentir ao menos uma vez na vida o que é sair do banho com um cheiro bem peculiar ao invés do tradicional aroma de flores. Tudo que o consumidor precisa fazer é jogar a esponja numa banheira quente para que instantaneamente possa sentir o odor daquele jantar especial que só o KFC proporciona com seu frango frito.

O projeto foi uma parceria da marca com a varejista Village Vanguard, e na caixinha que a pessoa irá receber a esponja também terá um cupom que dará direito a um item do cardápio para a pessoa degustar, com todo seu sabor e aroma das receitas secretas da rede.

O objetivo da marca, como já disseram anteriormente, é sempre inovar e conquistar seus clientes com humor e leveza.  Em uma das promoções anteriores, os consumidores para ganhar tais produtos tinham que sugerir quais produtos gostariam de ver nessas campanhas para que ganhassem nos sorteios. E assim, esperaremos até o ano que vem, para mais um invenção do KFC com aroma de frango frito!


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​