SPWW... A SEMANA DO VINHO EM SÃO PAULO

Postado em:

Uma semana dedicada ao vinho e apreciadores...

Na mesma semana que acontecerá a Expovinis 2017, do dia 06 a 08 de junho, acontecera também a  1ª São Paulo Wine Week.

Uma grande ideia para os apreciadores desta bebida que envolve sabores, aromas, cultura e paixão.... bons amigos... boas conversas... bons momentos.

O objetivo é incentivar os consumidores a conhecer e degustar tintos, brancos, roses e espumantes, vindos das regiões vinícolas do Brasil, Chile, Argentina, Uruguai, Africa do Sul, França, Itália e Portugal.

O evento funciona da seguinte forma, os restaurantes participantes oferecerão três taças de vinho a um preço único e diferenciado dos praticados normalmente. Estes vinhos devem ser apresentados separadamente da carta de vinhos com opções desde o mais leve até os mais encorpados e complexos.

Os valores devem variar de R$ 45,00 a R$ 60,00 para cada “trio”, nos jantares de segunda a sexta-feira (dias 5 a 9 de junho) e nos almoços e jantares do sábado e domingo (dias 10 e 11 de junho).

Segue abaixo os restaurantes participantes com detalhes:

Antonietta Cucina

Rua Mato Grosso, 402
Higienópolis
Reservas:
11 3214-0079
antoniettasp.com.br

Bistrô Ville Du Vin

R. Leopoldo Couto Magalhães Jr, 490
Itaim Bibi
Reservas:
4208-6061
villeduvin.com.br

Esquina Mocotó

Av. Nossa Sra. do Lôreto, 1108
Vila Medeiros
Reservas:
11 2949-7049
mocoto.com.br/esquina

Fleming’s

Av. Cidade Jardim, 318
Jardim Paulistano
Reservas:
11 3037-7347
flemings.com.br

Jacarandá Restaurante

Rua Alves Guimarães, 153
Pinheiros
Reservas:
11 3083-3014
jacarandabr.com.br

Jiquitaia Restaurante e Bar

Rua Antonio Carlos, 268
Consolação
Reservas:
11 3262-2366
jiquitaia.com.br

Tonton Restaurante

Rua Caconde, 132
Jardim Paulista
Reservas:
11 2597-6168
tontonsp.com.br

Vinheria Percussi

Rua Cônego Eugênio Leite, 523
Pinheiros
Reservas:
11 3088-4920 / 3064-4094
percussi.com.br

L’Éntrecôte de Paris

lentrecotedeparis.com.br

Itaim Bibi
R. Pedroso Alvarenga, 1135
Reservas:
11 3078-6942

Shopping Cidade Jardim - 3º piso
Av. Magalhães de Castro, 12000
Reservas:
11 3198-9466

Jardins
Rua Min. Rocha Azevedo, 1041
Reservas:
11 3083-4420

Shopping West Plaza - Bloco B
R. Eng. Stevenson, 10
Reservas:
11 3868-2250

Higienópolis
Rua Pará, 210
Reservas:
11 3661-0935 / 3661-1219

Shopping Market Place - Piso 1
Av. Dr. Chucri Zaidan, 902
Reservas:
11 5181-7256

São Caetano do Sul
Al Terracota, 545 Loja 2023
Reservas:
11 42338327

Alphaville
Alameda Madeira, 328
Reservas:
11 33762136

Uma ótima ideia para quem está na cidade de São Paulo nesta semana, e torcendo para ser uma agenda anual.

Mundo do Vinho... Alguns mitos

Postado em:


Conversando sobre vinho, sempre achamos novos apreciadores e interessados em conhecer este “Mundo de sabores e aromas”.

Mas este “Mundo” assusta e afasta muitos possíveis apreciadores. A pergunta é... Por quê?

Por que uma bebida que existe há tanto tempo e tem a ver com a história da humanidade, que mostra a cultura de cada lugar, pode distanciar pessoas interessadas?

Provavelmente, porque foram criados muitos mitos , porque deixaram distanciar as reais histórias de cada vinho. Porque muitas vezes colocaram este “Mundo” como complicado e inalcançável por meros mortais. Mas esqueceram que o vinho é feito por pessoas. Pessoas que tem história de dificuldades, alegrias, tristezas, muito trabalho e superação.

Por isto escrevo sobre vinho... para mostrar o quanto este mundo é fascinante , descomplicado e muito saboroso. Para que cada vez mais pessoas se interessem, conheçam e entrem para este Mundo.

Seguem então, alguns mitos que devem ser conhecido para não atrapalhar os bons momentos regados a vinho:

- Vinho branco com carnes brancas e vinho tinto com carnes vermelhas.

Esta é uma visão muito simplista de harmonização que as vezes dá certo. O problema não é só a cor da carne, mas como foi elaborada assim como os temperos e acompanhamentos usados nesta elaboração.

- Os melhores vinhos são os de safras mais antigas.

Isto não é regra, para ser um vinho “velho”, o qual chamamos “vinho de guarda”,  tem que ter uma boa estrutura e ser de um bom produtor. Elaborado para envelhecer bem. Do contrario, já é um vinho que pode estar  estragado. São poucos os vinhos que aguentam envelhecimento longo. Só grandes vinhos.

-Vinho novo tem baixa qualidade

Seguindo a dica anterior, existem vinhos para ser tomados jovens e o seu melhor momento é este. É jovem que este vinho mostra todo o seu potencial, aromas e sabores.

-Vinhos do velho mundo são melhores que vinhos do novo mundo

Mito . Onde se produz grandes vinhos também se produz vinhos ruins, isto no Brasil, na Argentina, na França, Itália ou em qualquer outro país produtor.

-Vinhos premiados são os melhores

Caso o concurso seja conhecido pode ser que sim. Do contrário isto é só jogada de marketing. Existem vários concurso que premiam vinho até o preço “x” , mas na propaganda este detalhe é “esquecido”. O ideal é conhecer a seriedade do produtor e se possível do concurso.

Em outros posts já conversamos sobre estes ou outros mitos, mas sempre é bom relembrar, e para não ficar chato coloquei apenas alguns, nos próximos podemos falar mais sobre .

Já que o tempo refrescou... o que acha de conhecer mais um pouco sobre o Mundo do Vinho???

Blanc de Blanc ou Blanc de Noir? ? ?

Postado em:

O Mundo do Vinho tem vários nomes diferentes e muitas vezes complicados. Mas nem sempre é assim, outros nomes só explicam exatamente o seu objetivo. É o caso dos termos Blanc de Blanc e Blanc de Noir.

Para inicio de conversa, estes nomes são usados para espumantes. E traduzindo ao “Pé da letra” os nomes ficam ‘Branco de branco” e “ Branco de preto” o que significa, um vinho espumante branco feitos com uvas brancas e outro vinho espumante branco feito com uvas tintas. Lembrando que a uva é tinta na casca mas a polpa é clara, por isto conseguimos fazer vinhos brancos de uvas tintas.

As três uvas mais usadas em champagne são Pinot Noir, Pinot Munier e Chardonnay, ainda sendo permitas, mas pouco usadas, as uvas Pinot Gris, Pinot Blanc, Arbane e Petit Meslier.  Destas as tintas são a Pinot Noir e a Pinot Munier, as demais são brancas.

Tipicamente a uva Chardonnay é usada na Blanc de Blanc, 100% desta uva, mas existem alguns produtores que usam as menos conhecidas.

Já na Blanc de Noir  podem ser elaborados de Pinot Noir e Pinot Munier.

A diferença entre estas duas “bebidas dos Deuses” só as faz mais interessantes, a Blanc de Blanc tem leveza, harmonizando bem com aperitivos, frutos do mar , peixes e culinária japonesa.

Já a Blanc de Noir, é mais robusta, perfeita para acompanhar aves , carne de porco , massas e culinária italiana.

Na dúvida entre uma ou outra? Escolha as duas... neste caso só vão agregar, cada uma com um momento diferente.

Além das grandes  casas de Champagne, o Brasil tem ótimos produtores destes Espumantes como Cave Geisse e Casa Valduga.

Espumante e Festa... Tudo a ver!!!

Postado em:

Este final de semana acontece uma das melhores e mais tradicionais festas de Franca, a 13ª Edição da Festa da Revista Mérito. E com festa impossível não lembrar de espumante.... não existe bebida mais festiva que Espumante.

Como já disse em outros posts... é a bebida que já vem com fogos de artifício... ou estrelas.

O Espumante é tão especial, que combina com uma festa desde a entrada até a sobremesa. Contando com vários tipos para harmonizar com cada evento ou momento diferente. Desde o suave , demi sec, brut, extra brut e nature, cada um combina com a ocasião e os convidados específicos.

Mas na escolha de qual o melhor para cada festa, sempre surgem as dúvidas. Então vai aqui algumas dicas...

Se a festa é muito grande, em número de convidados, o ideal é colocar no máximo  dois tipos de Espumantes ou um que agrade a maioria.

Sim, sempre vai ter reclamações, afinal o gosto de cada pessoa é diferente. Mas mais de dois espumantes pode confundir os garçons na hora de servir, principalmente depois de certa hora. 

Entre os tipos de espumantes , o ideal é escolher o que a maioria gosta, deixando o Extra Brut e Nature para jantares harmonizados e  festas mais restritas com apreciadores desta bebida.

O espumante deve ser de boa qualidade, isto é um respeito aos convidados e que várias vezes ajuda nas boas lembranças e não na dor de cabeça do dia seguinte.

Caso servir Espumante durante toda a festa passe do orçamento, o ideal é escolher o momento certo. Pode ser uma taça de boas vindas ou na hora da sobremesa.

Festa e Espumante é a combinação perfeita...

O importante é escolher um bom espumante  curtir com os amigos e aproveitar cada momento da festa.

Dica: Bons amigos e boas conversas combinam muito bem com  bons Espumantes.

“Descorchados 2017”...

Postado em:

Aconteceu em São Paulo no dia 11 de abril o lançamento do Descorchados 2017 .

Mas o que isto quer dizer?  Na minha opinião a imprensa falou muito pouco sobre isto, o que para os apreciadores de vinhos e interessados no assunto é uma pena.

O Descorchados, é o maior guia anual sobre os vinhos da América do Sul. Muito interessante para os apreciadores conhecerem, o que está acontecendo nos demais países produtores, sem serem bombardeados com apenas os vinhos que chegam no nosso mercado.

É em guias sérios como este que aparecem as tendências dos vinhos e grandes produtores, independente se são grandes ou pequenas vinícolas.

Neste guia, se destacaram os espumantes brasileiros, principalmente o Nature e os Bruts, os malbecs argentinos com maior nível de acidez, os cabernets chilenos com menos madeira e mais leves e os tannas uruguaios com uma leveza impensável.

O Guia chama a atenção para os vinhos brancos com sua grande variedade e para o vinho elaborado com a uva Cabernet Franc, que se destaca pela sua qualidade em diferentes terroirs.

Segundo o caderno Paladar do ESTADÃO, os principais destaques de cada país foram:

BRASIL ... os melhores espumantes

93 pontos: Cave Geisse Terroir Nature 2011

92: La Belle Blanche Brut Rosé 

92: Estrelas do Brasil Brut Rosé 

92: Valduga 130 Brut Blanc de Noir 2013

92: Casa Valduga Gran Nature 60 Meses 2011 

ARGENTINA...os melhores tintos

99 pontos: Gen del Alma Seminare Malbec 2015 

98: Trapiche Terroir Series Ambrosia Malbec 2013 

98: Zorzal Wines Piantao Cabernet Franc 2013

98: Catena Zapata Adrianna Vineyard Mundus Bacillus Terrae Malbec 2013 

98: Carmelo Patti Malbec 2013

CHILE ... os melhores brancos

97 pontos: Cono Sur 20 Barrels El Centinela Estate S. Blanc 2016 

96: Bodegas RE En Re Do 2016 

96: Casa Marín Cipreses S. Blanc 2016 

96: Concha Y Toro Terrunyo S. Blanc 2016

96: Cono Sur 20 Barrels El Centinela Estate Chardonnay 2015

URUGUAI ... os melhores tintos

95 pontos: Bodegas Carrau Amat Tannat 2011

94: Bodega Alto de la Ballena Cetus Syrah 2013

94: Bodega Bouza B6 parcela Única Tannat 2015

94: Familia Deicas Domaine Castelar Tannat 2015

94: Familia Deicas Cru D’Exception Malbec 2013

Que a América do Sul produz bons vinhos... quem aprecia esta “Bebida dos Deuses” já sabia, mas sempre é bom ter dicas de qualidade para conhecer novos rótulos e descobrir grandes produtores.

Para brindar estes produtores,  o que acha de degustar alguns bons vinhos Sul americanos???  


Páscoa e vinho

Postado em:

Com a chegada da Páscoa, aumentam muito o consumo de produtos relacionados a tradição. Entre eles o chocolate, os peixes e frutos do mar, especialmente o bacalhau. E para acompanhar , nada melhor que o também tradicional vinho.

Vinho sempre faz parte de festividades e comemorações, mas como e qual harmonizar?

Como falo sempre nos posts, com tantas opções, impossível não encontrar um bom vinho que harmonize com a sua Páscoa. Só resalto que deve ser um bom produto, de bons produtores, para trazer mais sabor ao seu almoço, melhorando ainda mais os diversos sabores dos pratos.

E como harmonizar estes pratos? O tradicional peixe com vinho branco funciona?

Sim e não. Lembre que para uma boa harmonização, o vinho ou o prato não deve superar o outro. Para isto, devemos não somente ter atenção na carne usada , mas também nos temperos e molhos e como foi feita.

A recomendação geral é para peixes e frutos do mar com temperos leves os vinhos brancos seco, roses ou espumantes. 

Peixes como o bacalhau e ensopados, levando em consideração o tempero mais forte, de grandes brancos secos até tintos secos com pouco ou médio corpo.

E para o esperado chocolate... o vinho do porto para os chocolates pretos e para os brancos um bom Espumante Moscatel.

O que sempre escuto é:  e se eu não gosto de tal vinho, posso tomar com outro?

Pode. A Harmonização é para melhorar e valorizar os sabores do prato e do vinho e proporcionar bons momentos.

Escolha um bom vinho e...Feliz Páscoa ! ! !





VINHOS BRASILEIROS NO MASTERCHEF

Postado em:

Esta semana o MasterChef , programa da rede Band, exibiu um episódio realizado na serra gaucha.

Desta vez, foram apresentados três vinhos de tradicionais produtores  para os participantes degustarem e harmonizar os pratos.

Os vinhos degustados mostram um pouco da variedade da produção brasileira , que já é reconhecida no mercado de apreciadores pela qualidade dos produtos.

Foram harmonizados os seguintes vinhos: com a entrada, o Espumante 130 da Casa Valduga, com o prato principal o Reserva Merlot da Aurora e para a sobremesa o Espumante Moscatel Aquarela, da Casa Perini.

A apresentadora Ana Paula Padrão  conversou como o Jornalista e Sommelier da Ibravin, Mauricio Roloff, sobre os vinhos brasileiros e logo depois os enólogos de cada vinícola apresentaram e degustaram com os participantes seus produtos.

Eduardo Valduga apresentou o espumante 130, uma das grandes estrelas da vinícola. Elaborado com as uvas Chardonnay e Pinot Noir através do método Champenoise, onde fica em autólise de leveduras por 36 meses.

André Peres Jr apresentou o Reserva Merlot da Cooperativa Aurora. Um vinho tinto de bom corpo, com a uva tinta que mais se adaptou ao terroir do Vale dos Vinhedos, se tornando emblemática.

E para finalizar foi apresentado por Franco Perini um Moscatel Aquarela com tons rosados com aroma de casca de laranja e flores. Elaborado com as variedades Moscato Branco, Moscato Giallo e Moscato de Hamburgo. Uma ótima opção para harmonizar com sobremesas.

Com programas como este, espero que mais pessoas se interessem pelo o mundo do vinho e entendam que não é complicado como muitas pessoas fazem força para parecer.

São pessoas comuns, que trabalham muito e fazem um produto que além de todo o sabor, carrega a tradição e a história de cada família .

Já que estamos falando de vinhos nacionais, o que acha de degustar alguns ??? São muitos produtores sério e produtos de ótima qualidade.


CÔT e Spätburgunder... Você conhece estas uvas?

Postado em:

Falando de mais uvas que tem os nomes diferentes quando mudam de terroir, região ou país, já degustou um vinho da variedade francesa Côt ? Tem ideia por qual outro nome esta uva é conhecida? E onde produz grandes vinhos???

Original da cidade de Cahors no sudoeste da França, este tipo de uva não produziu grandes e inesquecíveis vinhos. Até ser transportada para Argentina, e lá começar uma produção que mudaria a ideia desta cepa que ficou conhecida como Malbec.

Isto mesmo, a uva Malbec que tanto faz sucesso merecido em Mendoza na Argentina, com grandes vinhos, é a mesma Côt da França. Mas com uma diferença crucial, o terroir, e isto, muda tudo.

Não tente comparar um vinho francês com um argentino só por serem elaborados com a mesma uva, são totalmente diferentes.

O mesmo acontece com a conhecida Spätburgunder... ops, não conhece vinho desta uva??? Nome estranho né? Como eu posso dizer que é conhecida ? ? ?É que este é o nome menos ou quase nada conhecido por aqui. Se eu falar , então , da uva Pinot Noir... melhorou?

Pois estes são os nomes da mesma uva. Como também o nome de Pinot Nero usado na Itália, o que para nós brasileiro já entendemos com mais facilidade como uma tradução do francês para o italiano. Mas na Alemanha, Austria e Suiça, os nomes mais usados são Spätburgunter ou Blauburgunder. 

Bem, independente dos nomes que usamos, as vezes parecendo impronunciáveis, o importante, é conhecer e degustar estes vinhos. Que além de mudar de nomes, mudam os aromas e sabores, mostrando a complexidade e importância de cada terroir.


Degustações em Franca

Postado em: - Atualizado em:

Esta semana participei de duas degustações de vinho em Franca. Na verdade foram dois jantares harmonizados onde o sommelier Daniel Místico, da Casa Valduga e Importadora Domno, apresentou e degustou com os clientes vários rótulos.

Gostei muito do resultado, pois uma das degustações foi só com vinhos brancos. Isto mesmo, pelo nosso clima, o consumo de brancos e espumantes deveria ser muito maior, o que não acontece. Mas depois desta degustação, percebi que as “coisas estão mudando” , e fiquei muito feliz por isto.Temos muitos vinhos brancos de ótima qualidade e que podem ser harmonizados com perfeição com vários pratos.

Foram os amigos do restaurante Azul, onde aconteceu o evento, que pediram para que fossem servidos e degustados só brancos.

Achei muito boa ideia devido ao calor que estava fazendo, mas um pouco arriscado, já que existe algum preconceito com este tipo de vinho. Depois desta noite, já sei que “existia”, pois os clientes adoraram, e eu também.

Os pratos estavam perfeitos, o que sempre acontece, pois a chef Lelê, é muito competente e sempre impecável com o que faz. O serviço também foi de primeira, comandado pelo querido Odair. Tudo se encaixou perfeitamente, incluindo o lugar que é muito aconchegante e muito agradável.

O jantar teve como primeiro vinho o Espumante Casa Valduga 130 e depois seguido por um refrescante Vinho Verde português, um Chardonnay Gran Reserva , que amadurece em tonéis de carvalho romeno, e finalizando com o Espumante Moscatel Reserva.

Os pratos? Segue abaixo o convite:

O outro evento foi no restaurante Taiko Asian Food. Onde o comando fica por conta dos amigos Cidália e Mauricio. Não acho palavras para descrever o que é a comida deste lugar... Talvez simplesmente “O Máximo”. E pode perguntar para quem conhece, que vão confirmar.


Este foi um jantar harmonizado com cinco vinhos, onde os presentes puderam degustar o Espumante Arte Demi sec produzido pelo processo Champenoise, um branco suave produzido com uvas viníferas, um branco seco, um tinto leve argentino e fechando com o Espumante Moscatel Reserva.

A comida estava como sempre, uma delícia. Variando entre pratos japoneses, tailandeses, peruano e uma sobremesa brasileira. O que permitia fazer harmonização com os vinhos, entendendo qual o melhor para cada prato. Os clientes tiveram a oportunidade de degustar ceviche , guioza, sashimi com molho de ostras, shimeji, espetinho tailandês de frango e de camarão, um combinado e finalizando com deliciosos brigadeiros gourmet.

Eventos como estes são para serem divertidos, não aulas chatas de vinho. E foram assim mesmo, muita conversa onde novos clientes puderam conhecer um pouco da culinária de cada restaurante , e os que já conheciam aproveitaram novos pratos. E claro, conheceram e degustaram vários vinhos.

E você, já foi em algum evento de vinho? Se não, deixo a dica, quando feito por pessoas sérias, é um bom lugar para se divertir e conhecer novos sabores.

Para os dias quentes que temos, que acha degustar mais vinhos brancos e espumantes?

Primitivo ou Zinfandel?

Postado em:

Como já postei sobre a mesma uva com nomes diferentes, de acordo com a região, segue aqui mais um exemplo.

Quando o assunto é vinho italiano, uma das uvas lembradas é a Primitivo. Mas já ouviu falar de vinhos elaborados coma Primitivo em outros países?

A Primitivo italiana, é a mesma uva Zinfandel que produz ótimos vinhos na Califórnia.

Como o terroir é diferente, parecem uvas distintas, mas o resultado são  vinhos de ótima qualidade com características próprias.

A Primitivo ou Zinfandel  é muito versátil, apesar de não ter um cultivo fácil. Quando na mão de bons e sérios profissionais, pode produzir desde grandes tintos, roses, brancos e até mesmo fortificados. 

O “ Primitivo de Manduria “ é uma denominação de Origem controlada dos vinhos produzidos com esta uva na região de Manduria na Puglia – Itália, onde se tornou o vinho emblemático da região  e reconhecido em todo o mundo.

Este é mais um exemplo da mesma variedade de uva produzida no Novo e Velho Mundo com resultados  e características bem diferentes.

O que não entendo como um problema, mas sim uma oportunidade de degustar e conhecer mais sobre vinhos e a influência que o terroir e o produtor pode ter sobre o resultado final.

E você, já tem uma ideia formada, ou vamos nos dar a oportunidade de nos surpreender com novos sabores e aromas?