Academia Francana de Letras inaugura na noite desta terça, 06, nova sede

Haverá ainda a inauguração de seu acervo literário, em homenagem a José Eurípedes de Oliveira Ramos, o Joca

Postado em: em Cultura

Joca receberá justa homenagem na noite de hoje no Museu Casa de Cariolato

A Academia Francana de Letras inaugura na noite desta terça-feira, 06 de março, sua nova sede, no Museu Casa de Cariolato. E para marcar esta data especial, estão previstos momentos de muita emoção, como a inauguração do acervo literário da AFL, o qual homenageará o fundador da Academia, o saudoso escritor José Eurípedes de Oliveira Ramos, o Joca, falecido aos 80 anos de idade, em maio de 2017, em decorrência de problemas de saúde. “Desta forma, ficará assim: Acervo Literário José Eurípedes de Oliveira Ramos (Joca) da Academia Francana de Letras. Inclusive, parte do acervo e espólio é de nosso querido e saudoso Joca, portanto, a homenagem é mais do que justa”, reforça a presidente da AFL, a escritora e poetisa, Perpétua Amorim.

Segundo ela, o evento de hoje será ainda uma oportunidade de agradecimento a todos que contribuíram para a montagem do espaço.

A inauguração da nova sede da Academia Francana de Letras está marcada para às 20h e é aberta ao público.

O Museu Casa de Cariolato fica à Rua Campos Sales, 2210, Centro, em frente à Delegacia.

QUEM FOI JOCA

Membro fundador da Academia Francana de Letras e seu grande dinamizador, José Eurípedes de Oliveira Ramos, popularmente conhecido como Joca, 80 anos, foi um homem com muitas histórias para contar. 

Notável membro da Academia Francana de Letras, cartorário de carreira, advogado, professor universitário, ex-vereador e ex-assessor de prefeitos, participante ativo de tantas entidades francanas, de variadas finalidades. 

Esse pode ser um resumo rápido da trajetória de Joca.

A busca por conhecimentos sempre refletiu a inquietude de seu espírito investigativo, movido pela força de admirável talento e da inteligência.

“Sou curioso e inquieto”, confessava.

Nos estudos nem se fala! Dedicado, buscou conhecimentos extremos como aprender Esperanto e Francês, até conhecer as leis da Física e fundamentos da Eletrônica, com direito a curso de Busca e Salvamento na Selva, incluindo a prática do paraquedismo, ministrado por especialistas da Aeronáutica. 

Além disso, Joca foi piloto civil e rádio-amador desde 1963.

MUITAS FORMAÇÕES

Sua formação universitária é em Direito e Administração, sua formação técnica é em Música e Processamento de Dados. 

Diversas pós-graduações fizeram parte de seu currículo, como: Administração do Ensino, feita no Ibam/Miniplan, no Rio de Janeiro, Direito Administrativo, feita na Puc, em São Paulo, Administração Pública na Ebap/GV no Rio de Janeiro e Análise de Sistemas, na Unifran.

As atividades que Joca exerceu durante a vida profissional tiveram início dentro de um cartório, dedicando vários anos a serviço da Justiça como cartorário. 

Participou da Administração Municipal de Franca, na assessoria dos prefeitos Flávio Rocha, José Lancha Filho, Sidnei Franco da Rocha e Ary Pedro Balieiro.

Exerceu os cargos de Coordenador Administrativo, Coordenador Legislativo, Chefe de Gabinete, Secretário de Governo, Secretário de Educação e Cultura, Coordenador Regional do Projeto Rondon, Coordenador Regional do Mobral e Procurador, como funcionário efetivo, no qual se aposentou.

Como Secretário de Educação, implantou e desenvolveu, entre outros: a instalação da Biblioteca Pública Municipal; criação da Pinacoteca Municipal. 

Também foi Vereador na legislatura 1973/1976.

INTELECTUAL E ECLÉTICO

Durante muitos anos Joca praticou redação nos jornais “Comércio da Franca” e no “Diário da Franca”, lecionou por mais de 20 anos no ensino médio e universitário em Franca e Ribeirão Preto, rendendo-lhe algumas obras como: “Comentários à Lei Orgânica do Estado de São Paulo”, “Macroeconomia. As contas nacionais”, “Direito Administrativo”, “Retalhos” (conto e crônica). 

Joca também foi um dos fundadores da APAE e do Rotary Club Franca Norte, instituições que desenvolvem trabalhos muito respeitados.

Depois de aposentado, dedicava-se à música e à pesquisa histórica. 

Sempre foi membro da ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores em História, do CBG - Colégio Brasileiro de Genealogia, da Academia Francana de Música Erudita e da Academia Francana de Letras, que presidiu de janeiro 2003 a janeiro de 2007.

Joca foi casado com Regina Maria de Andrade Ramos, licenciada em Letras e bacharel em Direito. Extremamente amoroso, nos últimos anos Joca tinha praticamente renunciado à sua vida para cuidar da esposa, que também sofria problemas de saúde.

Foi pai amoroso dos advogados Guilherme Luís Andrade de Oliveira Ramos, e Luciana Figueiredo Andrade de Oliveira Ramos e da professora universitária Liliana Figueiredo Andrade de Oliveira Ramos. 

Excêntrico e incansável Joca foi uma figura popular, que se sentiu realizado pelas amizades que cultivou em sua trajetória.


Artigos Relacionados