A forma como dormimos hoje pode indicar início do mal de Alzheimer - entenda

​O que você faria se soubesse quanto tempo tem até a doença de Alzheimer se instalar?

Postado em: em Ciência

O que você faria se soubesse quanto tempo tem até a doença de Alzheimer se instalar? Não se desespere. 

Uma nova pesquisa da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) sugere que uma defesa contra essa forma virulenta de demência é o sono profundo e restaurador, e muito sono. 

Vale lembrar que ainda não existe tratamento atualmente contra essa doença.

Os neurocientistas Matthew Walker e Joseph Winer, da UC Berkeley, encontraram uma maneira de estimar, com certo grau de precisão, um período de tempo em que o Alzheimer tem maior probabilidade de atacar durante a vida de uma pessoa. Seu estudo foi publicado na revista Current Biology. 

“Descobrimos que o sono que você está tendo agora é quase como uma bola de cristal informando quando e com que rapidez a patologia de Alzheimer se desenvolverá em seu cérebro”, disse Walker, professor de psicologia e neurociência da UC Berkeley e autor sênior do artigo. 

“O lado bom aqui é que há algo que podemos fazer a respeito”, acrescentou. “O cérebro se lava sozinho durante o sono profundo e, portanto, pode haver a chance de voltar no tempo dormindo mais cedo durante a vida.”

Walker e outros pesquisadores compararam a qualidade do sono durante a noite de 32 idosos saudáveis ​​com o acúmulo em seus cérebros da placa tóxica da proteína conhecida como beta-amiloide. 

Essa placa de peptídeos é um elemento-chave no início e progressão do Alzheimer, que destrói as vias de memória e outras funções cerebrais e atinge mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo.

Correlação

Suas descobertas mostram que os participantes do estudo que começaram experimentando um sono mais fragmentado e com menos movimentos rápidos dos olhos (não REM) no sono de ondas lentas tinham maior probabilidade de apresentar um aumento da placa de beta-amiloide ao longo do estudo.

Embora todos os participantes tenham permanecido saudáveis ​​durante o período do estudo, a trajetória de seu crescimento de beta-amiloide se correlacionou com a qualidade do sono basal. 

Os pesquisadores conseguiram prever o aumento das placas de beta-amiloides, que se acredita marcar o início do Alzheimer.

“Em vez de esperar que alguém desenvolva demência muitos anos depois, podemos avaliar como a qualidade do sono prevê mudanças nas placas de beta-amiloides em vários pontos de tempo". 

"Ao fazermos isso, podemos medir a rapidez com que essa proteína tóxica se acumula no cérebro ao longo do tempo, o que pode indicar o início da doença de Alzheimer”, disse Winer, principal autor do estudo e aluno de doutorado do Centro de Ciências do Sono Humano que Walker comanda na UC Berkeley.

Além de preverem o tempo que provavelmente levará para o início do Alzheimer, os resultados reforçam a ligação entre sono insatisfatório e a doença.

Alvo da intervenção

Embora estudos anteriores tenham descoberto que o sono limpa o cérebro dos depósitos de beta-amiloide, essas novas descobertas identificam o sono profundo de ondas lentas não REM como o alvo da intervenção contra o declínio cognitivo. 

E embora os testes genéticos possam prever a suscetibilidade inerente ao Alzheimer e os exames de sangue ofereçam uma ferramenta diagnóstica, nenhum dos dois oferece o potencial para uma intervenção terapêutica no estilo de vida que o sono oferece, apontam os pesquisadores.

“Se o sono restaurador profundo pode retardar a doença, devemos torná-lo uma grande prioridade”, disse Winer. “E se os médicos souberem dessa conexão, podem perguntar a seus pacientes mais velhos sobre a qualidade do sono e sugerir o sono como estratégia de prevenção.”

Os 32 participantes saudáveis ​​em seus 60, 70 e 80 anos que estão inscritos no estudo do sono fazem parte do Berkeley Aging Cohort Study, liderado por William Jagust, professor de saúde pública da UC Berkeley e também coautor do artigo recente. 

O estudo do envelhecimento saudável foi lançado em 2005 com uma bolsa do National Institutes of Health.

Para o experimento, cada participante passou uma noite de sono de oito horas no laboratório de Walker enquanto fazia a polissonografia. 

Essa bateria de testes registra ondas cerebrais, frequência cardíaca, níveis de oxigênio no sangue e outras medidas fisiológicas da qualidade do sono.

Biomarcador

Ao longo do estudo de vários anos, os pesquisadores acompanharam periodicamente a taxa de crescimento da proteína beta-amiloide nos cérebros dos participantes usando tomografia por emissão de pósitrons, ou tomografias PET. 

Eles então compararam os níveis de beta-amiloide dos indivíduos com seus perfis de sono.

Os pesquisadores se concentraram na atividade cerebral presente durante o sono profundo de ondas lentas. 

Eles também avaliaram a eficiência do sono dos participantes do estudo, definida como o tempo real gasto dormindo, em oposição a ficar deitado sem dormir na cama.

Os resultados apoiaram a hipótese de que a qualidade do sono é um biomarcador e previsor de doenças no futuro.

“Sabemos que há uma conexão entre a qualidade do sono das pessoas e o que está acontecendo no cérebro, em termos de doença de Alzheimer. Mas o que não foi testado antes é se o seu sono agora prevê o que vai acontecer com você anos depois”, disse Winer. “E essa é a pergunta que tínhamos.”

Medição eficaz

Eles obtiveram a resposta. “Medir o sono de forma eficaz nos ajuda a viajar para o futuro e estimar onde estará o acúmulo de amiloide”, disse Walker.

Walker e Winer estão estudando como podem levar os participantes do estudo que estão sob alto risco de contrair Alzheimer e implementar métodos que podem melhorar a qualidade de seu sono.

“Nossa esperança é que, se intervirmos, em três ou quatro anos o acúmulo não estará mais onde pensávamos, porque melhoramos o sono deles”, disse Winer.

“Na verdade, se pudermos dobrar a seta do risco de Alzheimer para baixo, melhorando o sono, seria um avanço significativo e esperançoso”, concluiu Walker.

*Informações Revista Planeta


Artigos Relacionados